The rise in productivity and search for excellence in the Brazilian ethanol production: a success story

Andres Rosello Gimenez, Luiz Guilherme Altopiedi, Nicolás Versolato Carballo, Leila Cristina Magalhães Silva, Cleber Wanderlei Liria

Abstract


Brazil is the leader country in ethanol production. Advances in technology of biofuel production have been driven by worldwide factors. One of the factors was the National Alcohol Program (Proálcool) creation by the federal government in 1973. Since then, Brazilian researchers have begun studies to optimize the production chain which led Brazil to the top in the international panorama. The main results were: i) a 73% increase in agricultural productivity, a 77% reduction in fermentation time and an increase of 44 times in the annual ethanol production; ii) self-sufficiency and selling the electric energy produced by the bagasse burning; iii) Low cost of ethanol production compared to North American production cost. As of 2010, even with intense scientific production, gains in productivity have become reduced. In order for Brazil to continue at the highest levels in the world ranking of ethanol producers, it will be necessary to overcome the following challenges:  i) To study the economic viability of second generation ethanol production; and ii) to build up more biorefineries that convert ethanol into higher value-added molecules. 


Keywords


Sugarcane; Biofuel; Brazilian Science.

References


ANP, Anuário estatístico 2017: http://www.anp.gov.br/wwwanp/publicacoes/anuario-estatistico/3819-anuario-estatistico-2017. Acessado em 16 de janeiro de 2018.

BITTENCOURT, G.M.; FONTES, R.M.O.; CAMPOS, A.C. Determinantes das exportações brasileiras de etanol. Revista de política agrícola, 4, 4-19, 2012.

BRASIL, Decreto No. 19717: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19717-20-fevereiro-1931-518991-publicacaooriginal-1-pe.html. Acessado em 13 de fevereiro de 2018a.

BRASIL, Governo do Brasil: www.brasil.gov.br. Acessado em 13 de fevereiro de 2018b.

CANALBIOENERGIA, O continente do etanol: http://www.canalbioenergia.com.br/o-continente-do-etanol/. Acessado em 25 de janeiro de 2018.

CARDOSO, L.C.B.; BITTENCOURT, M.V.L. Mensuração das elasticidades-preço da demanda, cruzada e renda no mercado de etanol brasileiro: um estudo usando painéis cointegrados. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51, 765-784, 2014.

CASTRO, O.M. O papel dos centros de pesquisas estaduais de São Paulo na inovação tecnológica em bioenergia. In Bioetanol de cana-de-açúcar: P&D para produtividade e sustentabilidade. Cortez, L. A. B. (Coordenador). São Paulo: Blucher, 63-71, 2010.

COSTA, C.C.; BURNQUIST, H.L. Impactos do controle do preço da gasolina sobre o etanol biocombustível no Brasil, Estudos Econômicos, 46, 1003-10028, 2016.

CRUZ, M.G.; GUERREIRO, E.; RAIHER, A.P.A evolução da produção de etanol no Brasil no período de 1975 a 2009. Documentos técnico-científicos, 43, 141-159, 2012.

FERREIRA, S.S.; HOTTA, C.T.; POELKING, V.G.C.; LEITE, D.C.C.; BUCKERIDGE, M.S.; LOUREIRO, M.E.; BARBOSA, M.H.P.; CARNEIRO, M.S.; SOUZA, G.M. Co-expression network analysis reveals transcription factors associated to cell wall biosynthesis in sugarcane. Plant Molecular Biology, 91, 15–35, 2016.

FRANCO, T.T.; GARZÓN, C.S.L. Novas possibilidades de negócios do setor sucroalcooleiro: Alcooquímica e Biorrefinaria. In Bioetanol de cana-de-açúcar: P&D para produtividade e sustentabilidade. CORTEZ, L. A. B. (Coordenador). São Paulo: Blucher, 761-772, 2010.

GALLO, J.M.R.; BUENO, J.M.C.; SCHUCHARDT, U. Catalytic transformations of ethanol for biorefineries. Journal of the Brazilian Chemical Society, 25, 2229-2243, 2014.

JAISWAL, D.; DE SOUZA, A.P.; LARSEN, S.; LEBAUER, D.S.; MIGUEZ, F.E.; SPAROVEK, G.; BOLLERO, G.; BUCKERIDGE, M.S.; LONG, S.P. Brazilian sugarcane ethanol as an expandable green alternative to crude oil use. Nature Climate Change, 7, 788–792, 2017.

JANUZZI, G.M. Desperdício fica evidente já no começo do racionamento. Jornal da Unicamp, 169, 7, 2001.

KOHLHEPP, G. Análise da situação da produção de etanol e biodiesel no Brasil. Estudos Avançados, 24, 223-252, 2010.

LEAL, M.R.L.V. Evolução tecnológica do processamento da cana-de-açúcar para etanol e energia elétrica. In Bioetanol de cana-de-açúcar: P&D para produtividade e sustentabilidade. CORTEZ, L.A.B. (Coordenador). São Paulo: Blucher, 561-575, 2010.

LIMA, U.A.; Aquarone, E.; Borzani, W.; Schmidel; W. Biotecnologia industrial. V3 Processos fermentativos e enzimático, São Paulo, Blucher, 2001.

LIMA, P.C.R. Os carros flex fuel no Brasil. Nota Técnica, Brasília, Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, 2009.

MACEDO, I.C. Usinas vendem excedentes. Jornal da Unicamp, 169, 17, 2001.

MACEDO, I.C. Situação atual e perspectivas do etanol. Estudos Avançados, 21, 157-165, 2007.

MILANEZ, A.Y.; NYKO, D.; VALENTE, M.S.; SOUSA, L.C.; BONOMI, A.; JESUS, C.D.F.; WATANABE, M.D.B.; CHAGAS, M.F.; REZENDE, M.C.A.F.; COVALETT, O.; JUNQUEIRA, T.L.; GOUVÊIA, V.LR. De promessa à realidade: como o etanol celulósico pode revolucionar a indústria de cana-de-açúcar – uma avaliação do potencial competitivo e sugestões de política pública. Biocombustíveis BNDES Setorial, 41, 237-294, 2015.

MORAES, M.L.; BACCHI, M.R.P. Etanol, do início às fases atuais de produção. Revista de Política Agrícola, XXIII, 5-22, 2014.

MUTTON, M. A.; ROSSETO, R.; MUTTON, M. J. R. Utilização agrícola da vinhaça. In Bioetanol de cana-de-açúcar: P&D para produtividade e sustentabilidade. CORTEZ, L. A. B. (Coordenador). São Paulo: Blucher, 423-440, 2010.

NOVA CANA. História da legislação sobre o etanol: www.novacana.com/etanol/historia-legislacao. Acessado em 18 de janeiro de 2018.

OHASHI, F.H.; RAMOS, P. O advento, crescimento, crise e abandono do Proálcool. Monografia apresentada na UNICAMP, 46p., 2008.

PETROBRAS. 10 Respostas para as suas dúvidas sobre a gasolina: https://gasolina.hotsitespetrobras.com.br/10-respostas-para-suas-duvidas/. Acessado em 13 de fevereiro de 2018.

RAMOS, P. Os mercados mundiais de açúcar e a evolução da agroindústria canavieira do Brasil entre 1930 e 1980: do açúcar ao álcool para o mercado interno. Economia Aplicada, 11, 559-585, 2007.

RODRIGUES, J.A.R. Do engenho à biorrefinaria, a usina de açúcar como empreendimento industrial para a geração de produtos bioquímicos e biocombustíveis. Química Nova, 34, 1242-1254, 2011.

ROSILLO-CALLE, F.; CORTEZ, L. A. B. Towards proalcool II – A review of the Brasilian bioethanol programe. Biomass and Bioenergy, 12, 115-124, 1998.

SALVATO, F.; WILSON, R.; LLERENA, J.P.P.; KIYOTA, E.; REIS, K.L.; BOARETTO, L.F.; BALBUENA, T.S.; AZEVEDO, R.A.; THELEN, J.J.; MAZZAFERA, P. Luxurious Nitrogen Fertilization of Two Sugar Cane Genotypes Contrasting for Lignin Composition Causes Changes in the Stem Proteome Related to Carbon, Nitrogen, and Oxidant Metabolism but Does Not Alter Lignin Content. Journal of Proteome Research, 16, 3688-3703, 2017.

SANTOS, F.A.; QUEIRÓZ, J.H.; COLODETTE, J.L.; FERNANDES, S.A.; GUIMARÃES, V.M.; REZENDE, S.T. Potencial da palha de cana-de-açúcar para produção de etanol. Química Nova, 35, 1004-1010, 2012.

SOUZA, G.M.; SLUYS, M.A.V. Genômica e biotecnologia da cana-de-açúcar: estado da arte, desafios e ações. In Bioetanol de cana-de-açúcar: P&D para produtividade e sustentabilidade. Cortez, L. A. B. (Coordenador). São Paulo: Blucher, 325-332, 2010.

TAMAKI, F.K.; ARAUJO, E.M.; ROZENBERG, R.; MARANA, S.R. A mutant β-glucosidase increases the rate of the cellulose enzymatic hydrolysis. Biochemistry and Biophysics Reports, 7, 52-55, 2016.

TOLMASQUIM, M. As origens da crise energética brasileira. Ambiente & Sociedade, 6/7, 179-183, 2000.

UDOP. A história da cana-de-açúcar – da antiguidade aos dias atuais: http://www.udop.com.br/index.php?item=noticias&cod=993. Acessado em 13 de fevereiro de 2018.

UNITED NATION. Kyoto protocol: http://unfccc.int/kyoto_protocol/items/2830.php. Acessado em 13 de fevereiro de 2018.

VALSECHI, O. O processo Melle-Boinot de fermentação na sociedade de usinas de açúcar brasileira, de Piracicaba. Anais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, 1, 139-156, 1944.

WALTER, A. Workshop potencial de geração de eletricidade a partir da biomassa residual da cana: oportunidades, desafios e ações necessárias – relatório final. In Bioetanol de cana-de-açúcar: P&D para produtividade e sustentabilidade. CORTEZ, L. A. B. (Coordenador). São Paulo: Blucher, 577-582, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v7i2.270

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: BaseDiadorimSumarios.orgDOI CrossrefDialnetScholar GoogleRedibDoajLatindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) | UDE – Universidad de la Empresa – Sede Centro Dir: Soriano 959, Montevidéu (Uruguay)
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356