Characterization of infrastructure and geology of natural attractions in the region of Santo Antônio do Rio Abaixo/MG as a subsidy for the development of ecotourism in sustainable bases

Aline Dias de Sá, Juni Cordeiro, Tárik Silveira Cordeiro, Pablo Lopes Quintão

Abstract


Tourism is considered to be one of the main economic activities in the world because it allows the emergence of businesses to meet the needs of tourists, on the other hand, this activity can trigger negative impacts on the environment in the absence of adequate planning and organization. In this context, the municipality of Santo Antônio do Rio Abaixo (MG) is known for its natural attractions, such as Poço do Limão, Praia do Tabuleiro and Balneário Benedito Martins Leite, which attract tourists to the town. Thus, this work aimed to characterize the infrastructure for tourism service and the local geology of seven tourist attractions, located in this municipality, identifying the potential of these for the development of tourist modalities. It was noted that, in general, natural resources have the potential to develop different tourism modalities, such as ecotourism, adventure tourism and geotourism, however, the absence of signs is an aspect that needs to be adequate. In relation to the local geology, it was verified that gneiss rocks correlated to the Dona Rita and Gouveia complexes. It should be noted that the geology of the region should be observed not only for tourism planning, but also for the use and occupation of the soil of the region, given the natural susceptibility to soil erosion from gneiss rocks, avoiding the degradation of these areas.


Keywords


Geological Fragilities; Tourist Modes; Sustainable Tourism.

References


ALMEIDA-ABREU, P.A.; FERNANDES, P.C.O.; KNAUER, L.G.; HARTMANN, M.B.; DONATO, M.T.R.; SCHORSCHER, H.D. Elementos da zona de cisalhamento dúctil da borda oriental da Serra do Espinhaço, Minas Gerais. XXXIV Cong. Bras. Geol., Anais 2: 1219-1236, 1986, Goiânia.

APPOLINÁRIO, F. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Pioneira, 2009.

BENI, M. C. Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão. Barueri, SP: Manole, 2012.

BOTELHO, J. M.; CRUZ, V. A. G. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

BRASIL. Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. EMBRATUR/IBAMA, Biblioteca Ricardo Caixeta Borges. Brasília, 1994.

CAMPOS, F. da S. de.; ALVES, M. C. Resistência à penetração de um solo em recuperação sob sistemas agrosilvopastoris. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 10, n. 3, p. 759-764, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-43662006000300032>. Acesso em: 19 out. 2017.

CORRÊA, C.M.C.; MALINOVSKI, J.R.; ROLOFF, G. Bases para planejamento de rede viária em reflorestamento no sul do Brasil. Revista Floresta, v. 36, n. 2, p. 277-286, 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2012.

FABRICIO, A. C. B. Turismo, meio ambiente e sustentabilidade. Curitiba: InterSaberes, 2015.

FOSSEN, H. Geologia estrutural. São Paulo: Oficina dos textos, 2012.

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE CARATINGA – FUNEC. Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) do Município de Santo Antônio do Rio Abaixo. Diagnóstico Técnico Participativo dos Serviços de Saneamento Básico. Produto 03/08. Santo Antônio do Rio Abaixo, 2016a.

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE CARATINGA – FUNEC. Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) do Município de Santo Antônio do Rio Abaixo. Relatório Final e Proposição da Minuta de Lei do PMSB. Produto 08/08. Santo Antônio do Rio Abaixo, 2016b.

GROSSI-SAD, J. H.; MOURÃO, M. A. A.; GUIMARÃES, M. L. V.; KNAUER, L. G. Geologia da Folha de Conceição do Mato Dentro. In: GROSSI-SAD, João Henrique (coordenadores e editores). Projeto Espinhaço em CD-ROM (Textos, Mapas e Anexos). Belo Horizonte, COMIG – Companhia Mineradora de Minas Gerais. P. 2533-2693. CD-ROM, 1997.

IGNARRA, L. R. Fundamentos do turismo. 3 ed. São Paulo: Cengage Learning; Rio de Janeiro: Editora Senac Rio de Janeiro, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Cidades. Santo Antônio do Rio Abaixo. 2016. Disponível em: Acesso em: 01 set. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Carta Internacional ao Milionésimo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2017.

INSTITUTO ESTRADA REAL. Santo Antônio do Rio Abaixo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2017.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Segmentação do Turismo: marcos conceituais. Brasília: Ministério do Turismo, 2006.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Ecoturismo: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. Brasília: Ministério do Turismo, 2008.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Turismo de Aventura: orientações básicas. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação-Geral de Segmentação. 3. ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2010.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Portaria nº 182, de 28 de julho de 2016. Estabelece regras e critérios para a formalização de instrumentos de transferência voluntária de recursos, para execução de projetos e atividades integrantes do Programa Turismo e respectivas Ações Orçamentárias, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 28 de julho de 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2017

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999. Disponível em < http://cliente.argo.com.br/~mgos/analise_de_conteudo_moraes.html>. Acesso em: 01 set. 2017.

MOREIRA, J. C. Geoturismo e interpretação ambiental [online]. 1st ed. rev. and enl. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014, 157 p. ISBN 978-85-7798-213-4. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2017.

NASCIMENTO, M. A. L do; RUCHKYS, U. A.; MANTESSO NETO, V. Geodiversidade, geoconservação e geoturismo: trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia, 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2017.

OLIVEIRA, J. F. de; GRIEBELER, N. P.; CORRECHEL, V.; SILVA, V. C. da. Erodibilidade e tensão crítica de cisalhamento em solos de estradas não pavimentadas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v. 13, p. 955-960, 2009. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2017.

PETROCCHI, M. Turismo planejamento e gestão. 2ª edição. São Paulo: Prentice Hall, 2008.

RUSCHMANN, D. van de M. Turismo e planejamento sustentável: A proteção do meio ambiente. 14 ed. Campinas: Papirus, 2008.

SANTO ANTÔNIO DO RIO ABAIXO. Lei nº 554/2014 de 26 de junho de 2014. Dispõe sobre a área de acampamento no Balneário Benedito Martins Leite. Santo Antônio do Rio Abaixo, MG, jun. 2014.

SCHUSSEL, Z. G. L. Turismo, desenvolvimento e meio ambiente. In: BRASILEIRO, M.D.S., MEDINA, J.J.C., e CORIOLANO, L.N. (Orgs). Turismo, cultura e desenvolvimento [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2012. p. 99-121. ISBN 978-85-7879-194-0. Disponível em: . Acesso em: 18 nov 2017.

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO - SETUR. Mapa de Regionalização do Turismo do Estado de Minas Gerais. 2016.Disponível em: < http://www.turismo.mg.gov.br/circuitos-turisticos/mapa> Acesso em: 01 jun 2017.

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL - CPRM. Glossário geológico ilustrado. Originalmente publicado na Internet em 2001, sob a égide do INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UnB em http://www.unb.br/ig/glossario/ onde ficou disponível até 31/12/2010 e a partir de 5/9/14 reativado nosite da SIGEPsob a égide do SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL – CPRM, 2017. Disponível em: Acesso em: 21 set. 2017.

SILVA, T. A.; KUSHANO, E. S.; ÁVILA, M. A. Segmentação de mercado: uma abordagem sobre o turismo em diferentes faixas etárias. Caderno Virtual de Turismo. vol. 8, n. 2, 2008. Disponível em: < http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/353>. Acesso em: 10 out. 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SALVAMENTO AQUÁTICO – SOBRASA. Águas mais seguras. Sinalização Nacional de Segurança em Águas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2017.

TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M. C. M. de.; FAIRCHILD, T. R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2001.

TELES, R. M. de S.; RAIMUNDO, S.; CABRAL, E.; NOGUEIRA, S. M. B.; LIMA, T.; MATHEUS, F. S.; PERUSSI, R. F.; KANNI, F. Turismo e meio ambiente. TELES, Reinaldo Miranda de Sá (org). Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

VEAL, A.J. Metodologia de pesquisa em lazer e turismo. São Paulo: Aleph, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

WEARING, S.; NEIL, J. Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. Tradução Carlos Szlak. 2 ed. Barueri: Manole, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v7i3.173

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com