Teachers: narratives of life under the influence of the manuals of etiquette and civility (1950-1970)

Gláucia da Rosa do Amaral Alves, Elsbeth Léia Spode Becker

Abstract


This article is a cut of the master's dissertation of the post-graduate program in Teaching Humanity and Languages - UFN. Therefore, the interest of this research starts from the need to (re) think about gender relations from the teacher training. In bringing these questions we intend to understand the discourse that normalized, naturalized and determined the place of men and women in the educational space. This allows us to review relationships as a human being and subject. In this sense, the research aims to present the narratives of teachers from the 1950s to 1970s from the discourse of etiquette and civility, showing the possible influence on teacher training. The methodology is characterized by being of a qualitative nature based on documental references and narrative analyzes. "The voice of the teachers". For data collection a questionnaire was applied and the technique used consisted of the hermeneutic method that allowed to relate the narratives with the social and historical contextualization interweaving with the manuals of etiquette and civility. As a result it was found that the etiquette and civility manuals printed signs considered indispensable to the feminine nature. Faced with this, the Faculty of Philosophy, Sciences and Letters (FIC), from 1953 to 1979, had a predominance of female classes, and, in this way, the importance and necessity of numerous copies of textbooks in the Faculty's library was observed. It is concluded that the manuals influenced the choice and the way of acting of the teachers, normalizing the relations of power and gender in the space of teacher training.


Keywords


teaching; women; manuals of etiquette and civility.

References


Almeida, J. S. (1998). De mulher e educação: a paixão pelo possível. 2 ed. São Paulo: UNESP.

Almeida, J. S. (2014). Mulheres na educação; missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: Dermival, S.; Almeida, J de S.; Valdemarin, V. T.; Souza, R. F de. O legado educacional do século XX no Brasil. 3 ed. Campinas: Autores Associados.

Arend, S. F. (2012). Trabalho, escola, lazer. In: Pinsky, C. B.; Pedro, J. M. Nova História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Bourdieu, P. (2012). A dominação masculina. Tradução Maria Helena Pierre Kühner, 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Carvalho. M. P de. (1996). Trabalho docente e relações de gênero: algumas indagações. Revista Brasileira de Educação (02), 77-88 Disponível em: .

Colling. A. M. (2015). Inquietações sobre educação e gênero. Revista Trilhas da História. Três Lagoas, 4 (8), 33-48. Disponível em: .

Cunha, M. T. S. (2005). História, Educação e Civilidades: a correspondência como um saber escolar na Escola Normal entre as décadas de 1930 a 1960. Revista Educação (UFSM). 30 (2), 122-138. Disponível em: .

Del Priori, M. (2013). Histórias e Conversas de Mulher. 1 ed. São Paulo: Planeta do Brasil.

Dellazzana, A. R. Z.; Silveira, M. J. M da; Bald, R. (2005). O curso de pedagogia e a formação de professores no Centro Universitário Franciscano de Santa Maria: Uma trajetória de 1955. In: Quadros, C. (org.). História e memória dos 50 anos dos cursos de formação de professoras do Centro Universitário Franciscano de Santa Maria. Santa Maria: Unifra.

Elias, N. (1939). O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução Jugmann Ruy, Rio de Janeiro: Zahar.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa Qualitativa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed.

Houaiss, A. (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Junior, O. S. (2011). Técnica de entrevista e sua aplicação em pesquisa científica. In: Toledo, C de A. A; Gonzaga, M.T.C (org.). Metodologia e técnica de pesquisa: nas áreas de Ciências humanas. Maringá: Eduem.

Louro, G. L. (1986). Prendas e antiprendas: uma história da educação feminina no Rio Grande do Sul. Tese de doutorado Universidade Estadual de Campinas-Unicamp, p. 273. São Paulo. Disponível em: .

Mattos, M. I.; Boreli, A. (2012). Espaço feminino no mercado produtivo. In. Pinsky, C. B; Pedro, J. M. (org.). Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Pinsky, C. B. (2012). A era dos modelos rígidos. In: Pinsky, C. B.; Pedro, J (org.). Nova História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Rabelo, A. (2013). Professores discriminados: um estudo sobre os docentes do sexo masculino nas séries do ensino fundamental. Educ. Pesqui. 39 (4), 906-925, São Paulo. Disponível em: .

Ricouer, P. (1989). O que é um texto? In: Ricouer, P. Do texto à ação Ensaios de Hermenêutica II. Porto, Portugal: RÉS Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i5.960

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com