The coexistence with the grandparents: an exploratory study in the perspective of the children's

Rosa Maria da Motta Azambuja, Elaine Pedreira Rabinovich

Abstract


The objective was to study the coexistence between grandparents and grandchildren, in the perspective of children. It is a descriptive exploratory study, with a qualitative approach with six grandchildren and six grandparents, answering questions about the reason for care, the meaning of coexistence, place of interaction and play activities. The results showed that the reasons for grandchildren to be cared for by grandparents were: adoption, pregnancy in adolescence and support for their children. The meaning of coexistence depends on the type of care, for grandchildren who stay full time grandparents are caregivers; the systematic ones are companions and the sporadic are fun. Playful activities between full-time grandchildren and grandparents tend to occur the inside spaces, such as educational and electronic games, while systematic and sporadic grandparents prioritize plays in external spaces, such as beach, swimming pool, parks and outdoor sports games. The main conclusion of the study was that the relationship between grandparents and grandchildren is based on the type of relationship determined by the frequency of encounters. This frequency enables not only the number of interactions but also their quality of living together.

Keywords


Coexistence; Grandparents; Children.

References


António. Stella (2010). Avós e netos, relações intergeracionais: a matriliniaridade dos afectos. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Lisboa, 2010.

Azambuja. R.M.M. (2016). O cuidar dos avós visto pelos netos em idade escolar. Tese (Família na Sociedade Contemporânea), não publicada. Universidade Católica do Salvador. Salvador. Ba, 244 f.

Bernal, J. & Anuncibay, R.F. (2008). Relevancia psico-socio-educativa de las relaciones generacionales abuelo-nieto. Revista Española de Pedagogía, 56(239), 103-118. Disponivel em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2013000100009

Boff, L. (1999). Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis, RJ, Vozes.

Bronfenbrenner, U; & Morris, P. (1988). The ecology of developmental processes. In: Damon, W. (Org.). Handbook of child psychology. New York: John Wiley & Sons, p. 993-1027.

Dias, C.M.S.B. & Silva, D. (2001). Os avós na perspectiva de netos adolescentes: um estudo qualitativo. In: Féres-Carneiro, T. (Org.). Casamento e família: do social à clínica. Rio de Janeiro: Nau, p. 53-66.

Dias, C. M. S. B., Hora, F. F. A. & Aguiar, A. G. (2010). Jovens criados por avós e por um ou ambos os pais. Psicologia Teoria e Prática. 12(2), 188-199. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v12n2/v12n2a13.pdf

Dias, C. M. S. B; Fonseca, C. M. S, M. S.; Silva, C. F. S. & Muniz, F. M. R. P (2013). Uma intervenção psicoeducativa com avós guardiãs apresentantdo ansiedade e depressão In Féres-carneiro, T. (Org). Casal e Família, transmissão, conflitos e violência (pp. 53-72). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dominguez, T., Vitorino, A., & Morgado, S. (2011). Relações intergeracionais: a visão dos avós. International Journal of Developmental and Educational Psychology INFAD, Revista de Psicología, 4(1), 237-248. Disponível em: file:///C:/Users/psico/Downloads/INFAD_020124_13-24.pdf

Lopes, E. S. L., Neri, A. L. & Park, M. B. (2005). Ser avós ou ser pais: os papéis dos avós na sociedade contemporânea. Textos sobre Envelhecimento,8 (2), 239-253.

Margoni, J.F.C. (2007). “Meu tempo, seu tempo”: refletindo sobre as relações intergeracionais a partir de uma intervenção no contexto escolar. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

Minuzzi, I.H. (2007). Elos da memória: o discurso dos avós sobre a cultura. Dissertação (Mestrado em Letras e Cultura Regional) Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul. 86f.

Oliveira, P. (1999). Vidas compartilhadas: cultura e co-educação de gerações na vida cotidiana. São Paulo: Hucitec, Fapesp. (Coleção Linguagem e Cultura).

Oliveira, M. R. (2007) Nascimento de filhos: rede social de apoio e envolvimento de pais e avós. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pós-graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde. Universidade de Brasília. Brasília, DF, 147f

Oliveira, A., Gomes, L.; Tavares, A. & Cardenas, C. (2009). Relação entre avós e seus netos no período da infância. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, 12(2): 149-158

Pires, M.F. (2010). Presença e papel dos avós: estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) Departamento de Educação, Universidade de Aveiro.

Ramos, A.C. Meus avós e eu: as relações intergeracionais entre avós e netos na perspectiva das crianças. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. 463f

Santos, V.A. (2005). Pais que retornam a residir com os filhos na velhice. novas ou velhas parcerias? Dissertação (Mestrado em Gerontologia) Pontificia Universidade Católica, São Paulo.

Schmidt, C. (2007). As relações entre avós e netos: possibilidades co-educativas? Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, UFRGS. 142f.

Souza, L. (2006). Avós e netos: uma relação afectiva, uma relação de afectos. Povos e Culturas, Universidade Católica Portuguesa, n. 10, p. 39-50


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.