Ensino de ciências: um estudo de alinhamento de conteúdos no ensino fundamental

Douglas Batista Gonçalves Rodrigues Torres, Ricardo Shitsuka, Agenor Pina da Silva, Dorlivete Moreira Shitsuka, Adriana Soares Pereira, Claudio Boghi

Resumen


A Educação em Ciências (EC) no Ensino Fundamental (EF) contribui com uma visão de letramento necessária para o aluno se apropriar de uma leitura de mundo em relação à Biologia, Química e Educação Ambiental. Os professores especialistas podem realizar um papel importante dentro da rotina escolar quando há um trabalho colaborativo com a Professora Regente (PR) da turma. O presente artigo tem o objetivo de apresentar um trabalho de alinhamento de conteúdos realizado em turma do terceiro ano do EF com apoio da informática. Realiza-se uma pesquisa-ação em uma escola particular na Cidade de São Paulo. Os alunos apresentavam dificuldades de retenção do conhecimento do EC feita pela PR. Ocorre que muitas vezes, estas não têm o domínio completo sobre os conteúdos previstos em ciências e o apoio dos especialistas é bem-vindo. Fez-se um trabalho de pesquisa-ação no qual ocorreu o apoio da professora de informática em relação ao conteúdo trabalhado pela professora regente. O estudo contribui com o ensino de ciências mostrando a informática pode fornecer um valioso subsídio ao aprendizado quando há alinhamento de conteúdo. O trabalho em paralelo mostrou-se muito eficiente formando organizadores prévios para o aprendizado. Os alunos apresentaram sucesso nas avaliações.


Palabras clave


Educação ambiental, Biologia, Plantas, Árvore, Tecnologia Educacional.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALBUQUERQUE, E. B. C. Conceituando alfabetização e letramento. In: SANTOS, C. F. Alfabetização e letramento: conceitos e relações / organizado por Carmi Ferraz Santos e Márcia Mendonça. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

ALMEIDA, D. N.; RONDON NETO, R. M. Análise da arborização urbana de três cidades da região norte do Estado de Mato Grosso. Acta Amazônica. v. 4, n. 40, p. 647-656, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018.

ANTONIO, G. D.; TESSER, C. D.; MORETTI-PIRES, R. O. Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária à saúde. Interface (Botucatu). v.17, n. 46, p.615-33, 2013. Scielo. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018. DOI:10.1590/S1414-32832013005000014.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. 2.ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

Bíblia. Bíblia de Jerusalém – grande e encadernada. São Paulo: Paulos Editora, 2013.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais (PCN): introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2018.

Brasil. Plano Nacional de Educação 2014-2024: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

ESTRADA, M. A. Influência de Áreas Verdes Urbanas sobre a Mirmecofauna. Floresta e Ambiente. v. 21, n. 2. p. 162-169, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2018.

FONSECA, S. A. R. S. et al. Biologia no Ensino Médio: Os saberes e o fazer pedagógico com uso de recursos tecnológicos. Biota Amazônia. v. 4, n. 1, p. 119-125, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n1p119-125.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Martins, 2016.

GOMES, L. L.; MOITA, F. M. G. S. C. O uso do laboratório de informática educacional: partilhando vivências do cotidiano escolar. In: SOUSA, R.P. et al., orgs. Teorias e práticas em tecnologias educacionais [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2016, p. 151-174. ISBN 978-85-7879-326-5. Available from SciELO Books .

IAS. Desigualdades marcam o acesso à tecnologia nas escolas brasileiras. Publicado pelo Instituto Airton Senna (IAS) em 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

INEP. Censo escolar da educação básica 2016. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (INEP). Brasília: INEP, 2017. Disponível em: . Acesso: 14 nov. 2018.

LUDKE, M.; ANDRE, M. E. D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2.ed. São Paulo: EPU, 2013.

MAKI, E.S.; SHITSUKA, R.; BARROQUEIRO, C.H., SHITSUKA, D.M. Utilização de Bio indicadores em Monitoramento de Poluição. Biota Amazônia. v. 3, n. 2, p. 169-178, 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v3n2p169-178

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e Análise do Dircurso. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

MEC. ProInfo - Recomendações para a Montagem de Laboratórios de Informática nas Escolas Urbanas. Publicado no Portal do Professor. Cartilha do Proinfo no website do Ministério da Educação (MEC) 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

NEVES, A.; SANTOS, S. C. As aulas de informática nos anos iniciais do ensino fundamental: a perspectiva das professoras. Rev.Eletrônica Pesquiseduca, Santos, v. 07, n. 13, p.280-298, jan.-jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

Observatório do PNE. Metas do PNE, 5 – Alfabetização, 2014. Publicado no website da Ong Observatório do PNE em 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018.

OECD. Students, computer and learning: making the connection. Published in the Organization for Economic Co-operation and Development (OECD) website in Sept. 15, 2015. Available in: . Access on: Oct., 21th, 2018.

PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Puccinelli Orlandi et al. Campinas: Unicamp, 1988.

PIAGET, J. Psicologia da inteligência. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1972.

RIBEIRO, N., SILVA, R.B.L., SOUTO, R.N.P. Ações de educação e saúde e percepção sobre a transmissão da malária na comunidade de São Francisco do Uiratapuru, Laranjal do Jarí, Amapá. Biota Amazônia. v. 4, n. 3, p. 37-41, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n3p37-41.

ROCHA, R. T.; LELES, P. S.; OLIVEIRA NETO, S. N. Arborização de vias públicas em nova iguaçu, rj: o caso dos bairros de rancho novo e centro. R. Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.4, p.599-607, 2004. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2018.

SANTOS, N. R. Z.; TEIXEIRA, I. F., VACCARO, S. Avaliação qualitativa da arborização da cidade de Bento Gonçalves, RS. Ciência Florestal – Ci.Fl. v.1, n.1, p. 88-98, 1991. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018. http://www.scielo.br/cflo.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, R. B. L. et al. Projetos de educação ambiental nas redes de ensino estadual e municipal na cidade de Macapá, Amapá, Brasil. Biota Amazônia. v.5, n.4, p.102-109, 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018. D.O.I.: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v5n4p102-109

SORRENTINO, M. De Tbilisi a Tessaloniki, a educação ambiental no Brasil. In: JACOBI, P. et al. (Orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA.1998. p.27- 32.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2008.

TOLEDO, F.S; SANTOS, D.G. Espaços Livres de Construção. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, SP, v.3, n.1, p. 73-91, mar. 2008.

VYGOTSKY, L. S. Educational psycology. N. York: Taylor Print on DEMA, 1997.

WALLON, H. La evolucion psicologica del ninõ. Madrid: Critica Espanha, 2007.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Base de Dados e Indexadores: BaseDiadorimSumarios.orgDOI CrossrefDialnetScholar GoogleRedibDoajLatindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional