O impacto econômico da greve dos caminhoneiros: uma análise jurídica, fática e econômica dos acontecimentos

Rodrigo Lunguinho Candido, Vanessa Érica da Silva Santos, Fernanda Beatryz Rolim Tavares

Resumen


O presente trabalho visou levantar, através de revisão de literatura, os principais pontos econômicos desencadeados pelo fenômeno das manifestações dos caminhoneiros nas rodovias federais e estaduais do Brasil. Ao aparato geral, objetiva-se pela fragmentação das informações políticas e econômicas acerca da crise diesel. Logo, visou-se sintetizar os dados das perdas mais relevantes que expressem com maior clareza a resultante do movimento social mais expressivo no primeiro semestre de 2017 através de uma pesquisa de natureza descritiva. Diante disso, objetiva-se compreender o impacto gerado pela paralisação na economia do Brasil, assim como, tem-se a possibilidade de criar um parâmetro às dimensões socioeconômicas desencadeada por fenômenos dessa natureza, com perdas que podem variar entre R$ 75 bilhões a R$ 100 bilhões.


Palabras clave


Brasil; Economia; Combustível; Greve; Direito Econômico.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ANJOS, Lislaine. Representante de caminhoneiros em MT diz que greve não se resume à redução do diesel e cita outras reivindicações. Disponível em: . Acesso em 11 de julho de 2018.

BONFANTI, Cristiane. Greve de caminhoneiros vai piorar emprego, inflação e PIB, dizem analistas. Disponível em: . Acesso em: 12 de julho de 2018.

BORGES, Rodolfo. Nove dias de greve dos caminhoneiros, bilhões de reais em prejuízo e más notícias para o PIB. El País. Disponível em: . Acesso em: 04 de julho de 2018.

BRASIL, Constituição Federal. Supremo Tribunal Federal. Recurso extraordinário, v. 654432, 2017.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 8. ed. São Paulo: LTr, 2009

FARIAS, Marcos André Soares; WISSMANN, Alexandre Dal Molin; BAUER, André Leal. Já pintei no para-choque o nome dela:uma análise das manifestações dos caminhoneiros em 2015. ANIJUÍ, XXII Jornada de Pesquisa, 2017.

FOLHA DE SÃO PAULO. Paralisação de caminhoneiros faz junho ter maior inflação em 23 anos. Disponível em: . Acesso em 13 de julho de 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social/ Antonio Carlos Gil. – 6. Ed. – São Paulo: Atlas, 2008.

MAAKAROUN, Bertha.Quanto vai custar a greve dos caminhoneiros à economia brasileira? Disponível em: . Acesso em: 12 de julho de 2018.

MARTELLO, Alexandre. Pós greve dos caminhoneiros, mercado projeta inflação maior e vê alta do PIB abaixo de 2% em 2018. Disponível em: .Acesso em: 01 de julho de 2018.

MOURA, Renata. A cronologia da crise do diesel, do controle de preços de Dilma à greve dos caminhoneiros. Disponível em: .Acesso em: 04 de julho de 2018.

NEGRÃO, Heloísa. 1/3 da produção de calçados está parada dentro das fábricas, diz Abicalçados. Disponível em: .Acesso em: 05 de julho de 2018.

ROCHA, Rayanne Ismael. O direito de greve na legislação brasileira. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n. 111, abr 2013. Disponível em: . Acesso em 19 de set 2018.

SILVA, Cleide. Greve de caminhoneiros deixa rastro de prejuízos bilionários em todo o País. Disponível em: .Acesso em: 01 de julho de 2018.

TRINDADE, Raquel Guimarães. Garantia, previsão e limitações ao direito de Greve. Disponível em: .Acesso em: 5 de julho de 2018.

WATANABE, Shigueo; LEITÃO, Sergio; FERREIRA, Jaqueline. Chegou a hora de falar sobre imposto de carbono no Brasil. Policy, n. 1, 2018.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Base de Dados e Indexadores: BaseDiadorimSumarios.orgDOI CrossrefDialnetScholar GoogleRedibDoajLatindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional