Aprendizagem por Projetos no Ensino Fundamental: estratégia para entendimento da pirâmide alimentar

Ana Paula Santos de Lima, Phillip Vilanova Ilha, Rodrigo Couto Corrêa da Silva, Félix Alexandre Antunes Soares

Resumen


Este trabalho tem por objetivo avaliar o conhecimento sobre a pirâmide alimentar por ano escolar dos alunos das séries finais do ensino fundamental, assim como, o quanto uma proposta por aprendizagem de projetos pode influenciar na aquisição desses conceitos pelos estudantes. Trata-se de um estudo de caso realizado na cidade de Santa Maria/RS, com escolares do 6º ao 9º ano de uma escola estadual pública, totalizando 158 alunos. Os alunos responderam a duas questões sobre como imaginavam ser a pirâmide alimentar. Foram encontradas, em ambas as respostas, um melhor resultado no 6º e 8º ano; porém, o entendimento dos alunos do 6º ano obteve uma melhora acentuada no pós-teste, podendo isso indicar que os projetos desenvolvidos pelas professoras nessas duas turmas tenham obtido uma melhor aprendizagem significativa por parte dos alunos.


Palabras clave


Alimentação; Educação Básica; Estratégias de Ensino; Ensino-Aprendizagem.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ABREU, E. S. et al. Alimentação mundial – uma reflexão sobre a história. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v.10, n.2, p. 3-14, 2001. Disponível em:. Acesso em: 17 abril de 2018.

ARAÚJO, U. F. Temas Transversais e a Estratégia de Projetos. São Paulo: Moderna, 2003.

BARBOSA, R. M. S., COSTA, R. S., & SOARES, E. A. Guias alimentares para crianças: aspectos históricos e evolução. Revista de Nutrição, Campinas, v.19, n.2, p.255-263, 2006. Disponível em: . Acesso em: 21 agosto 2018.

BRASIL. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Ministério da saúde. Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 julho de 2018.

BRASIL. Guia alimentar para a população brasileira. (2a ed.) Ministério da Saúde. Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 julho de 2018.

HERNANDEZ. F., & VENTURA, M. A Organização do Currículo por Projetos de Trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

LANZILLOTTI, H. S.; COUTO, S. R. M. & AFONSO, F. M. Pirâmides alimentares: uma leitura semiótica. Revista de Nutrição, Campinas, v.18, n.6, p. 785-792, 2005. Disponível em: Acesso em: 08 janeiro de 2018.

MOREIRA, M. A. A organizadores prévios e aprendizagem significativa. Revista Chilena de Educación Científica, Santiago, v.7, n.2, p. 23-30, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 janeiro de 2018.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: um conceito subjacente. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, Porto Alegre, v.1, n.3, p.25-46, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 janeiro de 2018.

NOGUEIRA, N. R. Pedagogia dos Projetos: etapas, papéis e atores. (2a ed.) São Paulo: Editora Érica, 2006.

OLIVEIRA, C. L.; & MOURA, D. G. de. Metodologia de projetos em ambientes não formais de aprendizagem: indício de eficácia no processo de ensino de biologia. In: V ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS. Anais V ENPEC. Bauru, São Paulo: 2005. Disponível em:. Acesso em: 28 março de 2018.

OLIVEIRA, C. L. Significado e contribuições da afetividade, no contexto da Metodologia de Projetos, na Educação Básica. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica). CEFET-MG. Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em:

. Acesso em: 05 março de 2018.

PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

PELIZZARI, A. et al. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, Curitiba, v.2, n.1, p. 29-42, 2002.

PERONEO, D. S. Algumas reflexões sobre o ensino e a aprendizagem de ciências nos anos iniciais. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) - Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15 março de 2018.

PHILIPPI, S. T. et al. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Rev. nutr., campinas, v.12, n.1, p. 65-80, 1999. Disponível em: . Acesso em: 21 julho de 2018.

PIAGET, J. Biologia e Conhecimento. (2a ed.) Petrópolis: Vozes,1996.

REYES, J. A. C. El factor nutricional en el desempeño escolar. Diseño de campaña informativa. 2017. 152 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universid de Guayaquil. Guayaquil, Equador. Disponível em: . Acesso em: 29 out. de 2018.

ROLANDO, B. Y. E.; JAVIER, C. G. M. La alimentación y el proceso de aprendizaje. 2018. 82 f. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidad Técnica de Cotopaxi. Latacunga. Equador. Disponível em: . Acesso em: 30 out. de 2018.

SOARES, B. R. et al. Atitudes relativas ao consumo alimentar de escolares da zona sul de São Paulo/SP. Disciplinarum Scientia. Santa Maria, v. 18, n. 2, p. 323-337, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 out. de 2018.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Base de Dados e Indexadores: BaseDiadorimSumarios.orgDOI CrossrefDialnetScholar GoogleRedibDoajLatindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional