Reflexões sobre Escolarização e Trabalho na Vida de Meninas e Mulheres Brasileiras a Partir do Curta-Metragem Vida Maria

Rodrigo Ribeiro Oliveira, Dagmar Silva Pinto Castro, Sueli Soares dos Santos Batista

Resumen


Este estudo utiliza o curta-metragem Vida Maria (Ramos & Ramos, 2006), como uma importante oportunidade para aprofundar a discussão sobre escolaridade, trabalho e gênero nas histórias de vida de meninas e mulheres. Este estudo faz a reflexão sobre o filme na perspectiva da educação sempre negada e por isso das condições sempre renovadas da vida e do trabalho subalterno, busca-se estabelecer o contraponto com a realidade de mulheres estudantes de cursos técnicos que tiveram experiências similares às de Maria José em sua infância e que, de alguma forma, procuram superar esse círculo vicioso de miséria e submissão, entre outros fatores, por conta do acesso à formação profissional. Como modalidade de pesquisa optou-se por estudo exploratório e qualitativo realizado em uma escola técnica federal com discentes do curso técnico em administração. Os dados empíricos foram levantados por meio de grupo focal. A experiência vivida pelas alunas foi analisada buscando-se as convergências, divergências e ou idiossincrasias da aproximação entre ciência e arte por meio do curta-metragem “Vida Maria” em diálogo com a literatura. Os resultados apontam que a história de “Maria” está longe de ser apenas mais uma ficção, eles retratam a verdade, a realidade vivida por essas mulheres nos dias atuais.


Palabras clave


Gênero; Escolarização; Curta-metragem Vida Maria.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Bardin, L. (1995). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Beauvoir, S. (1980). O segundo sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (1974). A Construção Social da Realidade. Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, P. (1974). Gênese estruturante do campo religioso. In: Miceli, S. (Org.) A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.

Castro, D. S. P., & Silva, I. (2014). Políticas Públicas Integradas, gênero e religião: mais, mas não do mesmo In Souza, S. D., & Santos, N. P. (Org.) Estudos Feministas e Religião – Tendências e Debates, Curitiba: Prismas.

Choueri, M., & Vieira, M. (2015). Coleção Caravana de Educação em Direitos Humanos Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - SDH/PR e Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais - Flacso Brasil.

Cruz Neto, O., Moreira, M. R., & Sucena, L. F. M. (2002). Grupos focais e pesquisa social qualitativa: o debate orientado como técnica de investigação. Anais do Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, Ouro Preto, MG, Brasil, 13.

Duarte, R. (2004). Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, Curitiba, 24, 213-225.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014a). Estatísticas de gênero: uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Recuperado em 10 agosto, 2018, de https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=288941

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014b). Síntese de Indicadores Sociais Uma análise das condições de vida da população brasileira 2014. Recuperado em 10 agosto, 2018, de http://www.proplan.ufam.edu.br/SIS_2014.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Estatísticas do Registro Civil 2014. Recuperado em 10 agosto, 2018, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/135/rc_2014_v41.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Recuperado em 10 agosto, 2018, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf

Lapassade, G. (1984). Grupos, Organizações e Instituições. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006 (2006). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 10 agosto, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Organização Internacional do Trabalho. (2014). Trabalho forçado gera 150 bilhões de dólares de lucro anualmente. Recuperado em 10 agosto, 2018, de https://nacoesunidas.org/oit-trabalho-forcado-gera-anualmente-150-bilhoes-de-dolares-de-lucro/

Ramos, J., & Ramos, M. (2006). Vida Maria [Curta-metragem - Animação]. 9 min. color. son. Fortaleza: VIACG.

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, (20) 2, 72-99.

Xavier, I. (2008). Um Cinema que “Educa” é um Cinema que (nos) Faz Pensar. Entrevista com Ismail Xavier. Educação & Realidade, Porto Alegre, (33)1, 13-20.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Base de Dados e Indexadores: BaseDiadorimSumarios.orgDOI CrossrefDialnetScholar GoogleRedibDoajLatindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional