Concept maps applicable to teaching genetics

Jakeline Moreira da Silva, Magnólia de Araújo Campos, José Jailson Lima Bezerra, Fernanda Freitas Souza, Ruana Carolina Cabral da Silva, José Lucas de Araújo

Abstract


The teaching of genetics faces constant problems with the methods employed by biology teachers in basic education. In addition, it is noted that this is one of the difficult to understand subjects, missing connecting concepts and subjects for students at different educational levels. Thus, the objective was to build and propose the use of conceptual maps applicable to the teaching of genetics. From studies conducted in specialized bibliographies, two maps of concepts related to genetics were built in order to be further tested as facilitating instruments in the teaching-learning process. The first concept map was built with fundamental concepts about genetic material, DNA and RNA, with genomic information associated with prokaryotes, eukaryotes and viruses. In relation to the second map, it was built on the basis of information about the pathways by which DNA molecules express the information they conduct within the cell, or will transmit that information to another cell or another organism. Both maps were developed with fluid and comprehensive reading, which can be used as facilitating tools for teaching and learning of traditional and current genetics content.


Keywords


Didactic proposal; Genetics teaching; Cognitive structure.

References


Alberts, B., Bray, D., Hopkin, K., Johnson, A., Lewis, J., Raff, M. Roberts, K. & Walter, P. (2011). Fundamentos da biologia celular. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 864p.

Almeida, V. O. & Moreira, M. A. (2008). Mapas conceituais no auxílio à aprendizagem significativa de conceitos da óptica física. Revista brasileira de ensino de física, 30(4), 4403.

Brão, A. F. S. & Pereira, A. M. T. B. (2015). Biotécnétika: possibilidade do jogo no ensino de genética. Revista Electrónica de Enseñanza e las Ciencias, 14(1), 55-76.

Brasil. Secretaria De Educação Fundamental. (2012). Parâmetros Curriculares Nacionais - Ensino Médio (PCNEM). Brasília: MEC/SEF.

Correia, P. R., Aguiar, J. G., Viana, A. D., & Cabral, G. C. (2016). Por que vale a pena usar mapas conceituais no ensino superior?. Revista de Graduação USP, 1(1), 41-51.

Griffiths, A. F., Wessler, S. R., Lewontin, R. C. & Carroll, S. B. (2008). Introdução à genética. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Hilger, T. R. & Griebeler, A. (2016). Uma proposta de unidade de ensino potencialmente significativo utilizando mapas conceituais. Investigações em Ensino de Ciências, 18(1), 199-213.

Justina, L. A. D. & Ferla, M. R. (2013). A utilização de modelos didáticos no ensino de genética-exemplo de representação de compactação do DNA eucarioto. Arquivos do Museu Dinâmico Interdisciplinar, 10(2), 35-40.

Lorenzetti, L. & Silva, V. R. (2018). A utilização dos mapas conceituais no ensino de ciências nos anos iniciais. Revista Espaço Pedagógico, 25(2), 383-406.

Mackedanz, L. F. & Rosa, L. S. (2016). O discurso da interdisciplinaridade e as impressões docentes sobre o ensino de Ciências Naturais no Ensino Fundamental. Revista Thema, 13(3), 140-152.

Montalvão-Neto, A. L. (2015). Discursos de Genética em Livros Didáticos: Implicações para o Ensino de Biologia. In: Colóquio Internacional de Análise do Discurso, 4., 2015, São Carlos. Resumos… São Carlos: UFSCar.

Moreira, M. A., Soares, S. M. & Paulo, I. J. C. (2008). Mapas conceituais como instrumento de avaliação em um curso introdutório de mecânica quântica. Revista brasileira de ensino de ciência e tecnologia, 1(3), 1-12.

Moreira, M. A. (2013). Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, diagramas V e unidades de ensino potencialmente significativas. Pontifícia Univerdidade Católica do Paraná, 87p.

Moura, J., Deus, M. D. S. M., Gonçalves, N. M. N. & Peron, A. (2013). Biologia/Genética: O ensino de biologia, com enfoque a genética, das escolas públicas no Brasil–breve relato e reflexão. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 34(2), 167-174.

Novak, J. D. (2000). Aprender, criar e utilizar o conhecimento: mapas conceituais como ferramentas de facilitação nas escolas e empresas. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 252p.

Novoa, M. C. & Burnham, T. F. (2011). Desafios para a universalização da genética clínica: o caso brasileiro. Revista panamericana de salud publica, 29(1), 61-68.

Núñez, B. I. & Franco, S. (2001). O ensino por problemas: categorias e métodos. Natal, (mimeogr.).

Pierce, B. A. (2004). Genética: Um enfoque conceitual. Editora Guanabara Koogan S.A. 758p.

Rosa, R. T. N. & Loreto, É. L. S. (2016). Análise, através de mapas conceituais, da compreensão de alunos do ensino médio sobre a relação DNA-RNA-Proteínas após o acesso ao GenBank. Investigações em Ensino de Ciências, 18(2), 385-405.

Silva, L. S. (2013). Análise dos conteúdos de genética e subáreas abordados em provas do ENEM e ENADE: Um estudo de caso. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) – Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Cuité. 63p.

Smith, A. (2000). Oxford Dictionary of Biochemistry and Molecular Biology. New York: Oxford University Press, 672p.

Temp, D. S., Carpilowsky, C. K. & Guerra. L. (2011). Cromossomos, gene e DNA: utilização de modelo didático. Genética na escola, 1, 9-11.

Vinholi Júnior, A. J. & Princival, G. C. (2014). Modelos didáticos e mapas conceituais: biologia celular e as interfaces com a informática em cursos técnicos do IFMS. HOLOS, 2, 110-122.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.5116

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com