Formação de Recursos Humanos na Captação de Órgãos para Transplantes: Ensino à Distância (EaD)

Simone Lysakowski, Rita Catalina Aquino Caregnato, Aline Winter Sudbrack

Resumen


O transplante é a única alternativa terapêutica para o tratamento de algumas doenças e, em muitos casos, a esperança de vida para inúmeros pacientes que aguardam em lista. No Brasil, a porcentagem de famílias que recusam a doação de órgãos de seus familiares é alta, e por isso é necessário ter profissionais de saúde capacitados para atuarem junto ás famílias no processo de doação. O objetivo deste estudo foi desenvolver e aplicar um curso de ensino à distância (EaD) sobre doação e transplante de órgãos, visando qualificar e capacitar médicos e enfermeiros de Unidades de Terapia Intensivas e Emergências do Rio Grande do Sul. Trata-se de uma intervenção educativa de abordagem mista, com a participação de 30 profissionais. Os resultados evidenciam que o curso permitiu beneficiar os profissionais de diversas regiões do Estado, capacitando para atuação no processo de doação de órgãos e transplantes. Este foi considerado importante para a reflexão do fazer e aprimoramento das ações frente á doação e transplantes, oportunizando o aperfeiçoamento dos profissionais que não teriam oportunidade de deslocamento aos grandes centros. O modelo de EaD foi desenvolvido por especialistas nos assuntos, oferecendo material atualizado e facilitando a realização do curso, que foi avaliado como positivo por todos os participantes.


Palabras clave


Educação a Distância; Educação Continuada; Educação em Saúde; Obtenção de Tecidos e Órgãos; Transplante de Órgãos.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ABED - Associação Brasileira de Ensino a Distância. Censo 2016. Disponível em: http://abed.org.br/censoead2016/Censo_EAD_2016_portugues.pdf. Acessado em: 10 de agosto de 2018.

CORREA, M. R.; HASHIMOTO, F. Finitude, envelhecimento e subjetividade. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(4), “Finitude/Morte & Ve- lhice”, p. 85-99. Online ISSN 2176-901X. Print ISSN 1516-2567. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

FARRA, R. A. D.; LOPES, P. T. C. Métodos mistos de pesquisa em educação: Pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação. Presidente Prudente-SP, v. 24, n. 3, p. 67-80, set./dez. 2013.

FIOCRUZ, COFEN. Pesquisa Perfil de Enfermagem no Brasil, 2013.

FREIRE, I. L. S. et al. Aceitação e conhecimento de docentes de enfermagem sobre a doação de órgãos e tecidos. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2016; 24(1):e15561.

JUNGES, J. R. et al. Reflexões legais e éticas sobre o final da vida: uma discussão sobre a ortotanásia. Revista Bioética 2010; 18 (2): 275 – 88.

KAZLEY, A. S. et al. Barriers facing patients referred for kidney transplant cause loss to follow-up. Kidney Int. 2012-November; 82(9): 1018–1023. doi:10.1038/ki.2012.255.

KOVÁCS, M. J. Educação para a morte: temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo. Facesp, 2003.

LONGUINIERE, A. C. F. de la. et al. Conhecimento de enfermeiros intensivistas acerca do processo de diagnóstico da morte encefálica. Rev Rene. 2016 set-out; 17(5):691-8.

OLIVEIRA, A. E. F. de. et al. Educação a Distância e Formação Continuada: em Busca de Progressos para a Saúde. Revista brasileira de educação médica. 37 (4): 578 – 583; 2013.

OLIVEIRA, H. B. de. et al. Ética e eutanásia. Simpósio Medicina e Direito. J Vasc Br 2003, Vol. 2, No3.

PEREIRA, W. A.; FERNANDES, R. C.; SOLER, W. de V. Diretrizes básicas para captação e retirada de múltiplos órgãos e tecidos da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. São Paulo: ABTO - Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, 2009.

PESSOA, J. L. E.; SCHIRMER, J.; ROZA, B. de A. Avaliação das causas de recusa familiar a doação de órgãos e tecidos. Acta Paul Enferm. 2013; 26(4):323-30.

PRADO, C.; VAZ, D. R.; ALMEIDA, D. M. de. Teoria da aprendizagem Significativa: elaboração e avaliação de aula virtual na plataforma moodle. Rev Bras Enferm, Brasília 2011 nov-dez; 64(6): 1114-21.

RBT – Registro Brasileiro de Transplantes. Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). Ano XXIII Nº 3. 2017.

REIS, F. P dos. et al. Morte encefálica e transplante de órgãos e tecidos: o entendimento dos alunos do curso de Medicina. Rev Bras Ter Intensiva. 2013;25(4):279-283.

RINPOCHE, C. T. Vida e morte no budismo tibetano. Três Coroas: Makara, 2008. 92p. : il.

RODRIGUES, E. F. de S. Educação a distância: uma experiência exitosa. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Especialização em Gestão Pública da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira como parte dos requisitos para a obtenção do título de Especialista. Ano 2014. Disponível em: http://repositorio.unilab.edu.br:8080/jspui/bitstream/123456789/318/1/Elana%20Fl%C3%A1via%20de%20Sousa%20Rodrigues.pdf. Acessado em 12/04/2018.

SCHEIN, A. E. et al. Avaliação do Conhecimento de Intensivistas sobre Morte Encefálica. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol. 20 Nº 2, Abril/Junho, 2008.

SILVA, F. A. A. da. et al. Morte encefálica e manutenção de órgãos: conhecimento dos profissionais intensivistas. Rev enferm UFPE on line., Recife, 12(1):51-8, jan., 2018.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Base de Dados e Indexadores: BaseDiadorimSumarios.orgDOI CrossrefDialnetScholar GoogleRedibDoajLatindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional