Perception of the user of the psychosocial care center alcohol and other drugs about nursing care

Liana Dantas da Costa e Silva Barbosa, Marina Clara Lopes da Silva, Washington Henrique Pereira de Sousa

Abstract


We assume that in the state of Piauí, in the city of Teresina, the Psychosocial Care Center on alcohol and other drugs is one of the support devices for chemical addicts, composed by an interdisciplinary team and having as proposals the recovery and rehabilitation of the user who performs the abusive and harmful use of drugs. The nursing professional is part of this team and assumes a very important commitment as a therapeutic agent to provide care and promote support actions to drug users and their families. This research aims to trace the socio-demographic profile of the user, understand the perception of the chemical dependent about the nursing care provided in the psychosocial center and the activities developed in the institution. This was a descriptive exploratory study with a qualitative approach. It had as an instrument of analysis a semi-structured form, applied to fourteen participants who signed the Informed Consent form and the medical records that were used to confirm the information. It obtained three semantic categories in the light of theoretical foundations, the actions/procedures of the nurse to the Capsad client, nursing reception/receptivity versus engagement/permanence of the user in capsad and the donation of nurses in addition to their professional practice, evidencing that the interviewees are satisfied with the nursing care proposed to the service, indicating a good relationship between the team. It is concluded that the nursing professional has its role recognized by the users who favor the service and perform their activities in a humanized way causing benefits to the treatment of addicts.


Keywords


Assistance nursing; Drug addiction; Drug user.

References


Almeida Filho, AJ, Moraes AEC & Peres MAA. (2009). Atuação do enfermeiro nos centros de atenção psicossocial: implicações históricas da enfermagem psiquiátrica. Rev. RENE, Fortaleza, 10(2): 158-65, abr./jun.

Alves A. (2015). Dependência Química Classificação e Diagnóstico, São Paulo. Disponível em: http://www.clinicajorgejaber.com.br/curso/2015/mar_30.pdf.

Alves HMC, Dourado LBR & Côrtes VNQ. (2013). A influência dos vínculos organizacionais na consolidação dos Centros de Atenção Psicossociais. Rev.Ciência e Saúde Coletiva. 18(10): 2965-75.

Brasil. (2002). Portaria/GM nº 336 – de 19 de fevereiro de 2002. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.

Brasil. (2015). Centros de atenção psicossocial e unidades de acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: Orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Disponível: bvsms.saude.gov.br.

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas Práticas de produção de saúde. 2a ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde.

Brasil. (2004). Secretaria de Atenção à Saúde. SVC/CN/DST/AIDS. A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília. Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pns_alcool_drogas.pdf&gt.

Brasil. (2015). Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no Brasil. Disponível em: https://www.justica.gov.br/central-de-conteudo/politicas-sobre-drogas.

Bourguignon, LN, Guimarães ES & Siqueira MM. (2010). A atuação do enfermeiro nos grupos terapêuticos dos CAPS ad do estado do Espírito Santo. Rev:CogitareEnferm. 15(3): 467-73.

Cavalcante LS et al. (2012). Rede de apoio social ao dependente químico: ecomapa como instrumental na assistência em saúde. Rev Rene. 13(2): 321-31.

Castro MS & Rosa LC. (2010). Fatores de risco e proteção na prevenção do uso indevido de drogas.Disponível:http://leg.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/VI.encontro.2010.pdf.

Chaim CH, Bandeira KB, Andrade AG. (2015). Fisiopatologia da dependência química. RevMed (São Paulo). out.dez.;94(4): 256-62. Disponível: http://www.revistas.usp.br/.Acesso.

Esperidão E. et al. (2013). A Enfermagem Psiquiátrica, a ABEn e o Departamento Científico de Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental: avanços e desafios. Rev. bras. enferm., Brasília, 66, set. Disponível em: http://www.scielo.br/.

Esperidão E. (2013). Departamento Científico de Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental da ABEn. Revista de Enfermagem, Brasília, 66(2).

Mastroianni FC. (2016). Perfil Sóciodemográfico de um CAPSad e sua Funcionalidade Segundo os Usuários. Revista Psicologia e Saúde, 8(2): 3-16, jul./dez.

Faria HP et al. (2009). Processo de trabalho em saúde. NESCON/UFMG. Belo Horizonte: Coopmed.

Ferreira PS et al. (2004). Percebendo as facilidades e dificuldades na implantação de serviços abertos em álcool e drogas. Contexto Enfermagem, 13(2): 209-16, abr.

Fontes A, Figlie NB & Laranjeira R. (2006). O comportamento de beber entre dependentes de álcool: estudo de seguimento. Revista de psiquiatria clínica, 33(6): 304-12. Disponível em: http://dx.doi.org.

Fonseca, RL etal. (2014). Percepção dos usuários de crack em relação ao uso e tratamento em um Centro de Atenção Psicossocial, álcool e outras drogas. Rev. APS. abr/jun; 17(2): 214-22.

Capsad. (2018). Fundação municipal de saúde. Capsad. Disponível em: http://sus.teresina.pi.gov.br/2018/.

Horta WA. (1974). Enfermagem: teoria, conceitos, princípios e processo. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 7-15.

International Council of Nurses. [citado 2006 maio 05].Disponível em: http://www.icn.ch.

Kantorski LP, Mielke FB & Teixeira Jr S. (2008). O trabalho do enfermeiro nos centros de atenção psicossocial. Trabalho da Educação de Saúde. mar/jun.

Kian KO, Matsuda LM & Waidmann MAP. (2011). Compreendendo o cotidiano profissional do enfermeiro-líder. Rev Rene, Fortaleza, 12(4): 72.

Laranjeira R & Romano M. (2004). Consenso brasileiro sobre políticas públicas do álcool. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2004, 26: 68-77. https://doi.org/10.1590/S1516-44462004000500017.

Lima DWC, Silveira LC, Vieira AN, Cunha BMC, Almeida ANS & Guerreiro EM. (2014). Referenciais teóricos que norteiam a prática de enfermagem em saúde mental. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 18(2).

Luz VLE et al. (2014). Ações realizadas pelo enfermeiro em Centros de Atenção Psicossocial. Revista Interdisciplinar, Piauí, 7(4):1-12, out./dez.

Marcolan JF & Castro RCBR. (2103). Enfermagem em saúde mental e psiquiátrica: desafios e possibilidades do novo contexto do cuidar. Rio de Janeiro: Elsevier.

Martins RV et al. (2012). Ações de saúde mental na região norte do Rio Grande do Sul, brasil. Rev Gaúcha Enferm., 33(1): 11-8.

Mielke BF et al. (2009).O cuidado em saúde mental no CAPS no entendimento dos profissionais: Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1): 159-64.

Moraes, F. I. M, et al.,Atuação dos enfermeiros nos centros de atenção psicossocial- Revisão de Literatura. REVISA. 2015; 4(2):155-69.

Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas – (OBID) (2019). Relatório Brasileiro de Drogas. Disponível em: https://obid.senad.gov.br/dados-informacoes-sobre-drogas/pesquisa-e-estatisticas/populacao-geral/relatorio-brasileiro-sobre-drogas.

ONU. (2016). ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Programa para o Controle Internacional de Drogas. Escritório das Nações Unidas Contra Drogas e Crime da ONU - UNODC. Brasília, 2016.www.unodc.org/relatorio-mundial-drogas-2016.

ONU. (2019). ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Relatório Mundial de Drogas. Escritório das Nações Unidas Contra Drogas e Crime da ONU - UNODC. Brasília, 2019.Disponivelem: https://www.unodc.org/wdr2019/.Acesso.

Pratta EM & Santos MA. (2009). O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Psicologia: Teoria e Pesquisa, pág. 203-11.

Stefanelli et al. (2011). Enfermagem psiquiátrica em suas dimensões assistenciais. Barueri Manole.

Scivoletto S & Giusti JS. (2004). Fatores protetores e de risco associados ao uso de drogas na adolescência: Atualização Científica. 2004.

Xavier RT, Monteiro JK. (2013). Tratamento de pacientes usuários de crack e outras drogas nos CAPS AD. Psic. Rev., São Paulo, 22(1): 61-82.

Zerbetto SR & Pereira MAO. (2005). O trabalho do profissional de nível médio de enfermagem nos novos dispositivos de atenção em saúde mental. Rev: Latino Enferm. 13(1): 112-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4765

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com