The Nursing professional before the process of death and dying of the patient in the end of life

Silvana Bastos Cogo, Keila Rodrigues da Silva, Graciela Dutra Sehnem, Ariele Priebe Reisdorfer, Aline Gomes Ilha, Luiza Carolina Santos Malheiros, Nathalia Kaspary Boff, Elisabeta Albertina Nietsche, Andrei Pompeu Antunes, Maurício da Silva Packaeser, Márcio Rossato Badke

Abstract


Death and dying are inevitable events and their possibilities can be present from birth to old age. However, nursing professionals have limitations to provide the necessary assistance to patients in the final stage of life and their families. The goal is to know, through scientific productions, the performance of nursing professionals before the patient in the final stage of life in the process of dying and dying. This is a narrative review in which the search for articles was carried out in April 2020 through access to the Virtual Health Library. The results obtained were discussed through categories: the ethical dilemmas regarding the death and dying process; spirituality and feelings experienced by the nursing team; and nursing skills and care in the final stage of life. It is considered that the adversities experienced by nursing professionals can be overcome based on spirituality and by the introduction of discussions on the topic still in the training process, through the understanding and acceptance of the finitude of life and the introduction of care palliative care for patients out of the possibility of cure and who will inevitably evolve to end-of-life care.


Keywords


Death; Terminally ill; Nursing care; Nursing team.

References


Alencar, D.C., Carvalho, A.T., Macedo, R.L., Amorim, A.M.N.E., Martins, A.K.L. & Gouveia, M.T.O. (2017). Sentimentos de enfermeiros que atuam junto a pacientes com câncer em fase terminal. Rev Fun Care Online, 9(4): 1015-1020.

Alves, E.F. (2013). A comunicação da equipe de enfermagem com o paciente em cuidados paliativos. Revista Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, 34(1): 55-62.

Araújo, M.M.T. & Silva, M.J.P. (2012). Comunicando-se com o paciente terminal. Revista da Sociedade Brasileira de Cancerologia, São Paulo, 6(23): 16- 20.

Bandeira, D., Cogo, S.B., Hildebrandt, L.M. & Badke, M.R. (2014). A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 23(2).

Bernardes, C; Bitencourt, J.V.O.V; Parker, A.G; Luz, K.R & Vargas, M.A.O. (2014). Percepção de enfermeira(o)s frente ao paciente oncológico em fase terminal. Rev. baiana enferm.

República Federativa do Brasil. (2018). Resolução nº 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 1:276.

Brito, F.M., Costa, I.C.P., Andrade, C.G., Lima, K.F.O., Costa, S.F.G. & Lopes, M.E.L. (2013). Espiritualidade na iminência da morte: Estratégia adotada para humanizar o cuidado em enfermagem. Revista de Enfermagem UERJ (online), 21(4): 483-89.

Carvalho, G.D.A., Acioly, C.C., Santos, S.R., Valdevino, S.C. & Alves, A.P. (2014). Necessidades espirituais de pacientes na terminalidade: vivência de enfermeiros assistenciais. Revista de Enfermagem UFPE (online), Recife, 8(4): 808-13.

Clemente, R.P.D.S. & Santos, E.H. (2007). A não-ressuscitação, do ponto de vista da enfermagem, em uma unidade de cuidados paliativos Oncológicos. Revista Brasileira de Cancerologia, 53(2): 231-236.

Crizel, L.B., Noguez, P.T., Oliveira, S.G. & Bezerra, B.C.C. (2018). Espiritualidade no cuidado de enfermagem ao paciente oncológico em cuidados paliativos. SALUSVITA, Bauru, v. 37, n. 3, p. 577-597.

Conselho Federal de Enfermagem. (2017). Código de ética dos profissionais de enfermagem. Disponível em: .

Conselho Federal de Medicina. (2018). Resolução CFM nº2217 de 27/09/2018. Aprova o Código de Ética Médica. Disponível em: .

Coropes, V.B.A.S., Valente, G.S.C., Oliveira, A.C.F., Paula, C.L., Souza, C.Q.S. & Camacho, A.C.L.F. (2016). A assistência dos enfermeiros aos pacientes com câncer em fase terminal: revisão integrativa. Rev enferm UFPE (online), Recife, 10(Supl. 6):4920-6.

Costa, D. T., Garcia, L. F. & Goldim, J. R. (2017). Morir y muerte en la perspectiva de residentes multiprofesionales en un hospital universitario. Revista Bioética, 25(3), 544-553.

Ferrel, B.R. & Baird, P. (2012). Deriving Meaning and Faith in Caregiving. Semin Oncol Nurs, 28(4): 256-61.

Guido, L.A., Linch, G.F.C., Andolhe, R., Conegatto, C.C. & Tonini, C.C. (2009). Estressores na assistência de enfermagem ao potencial do doador de órgãos. Revista Latino - Americana de Enfermagem,17(6): 1-7.

Gutierrez, B.A.O. & Ciampone, M.H.T. (2007). O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 41(4): 660-7.

Hansen, L. (2009). A vivência dos enfermeiros perante a morte e o processo de morrer em cuidados paliativos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva (online) São Paulo, 29(2): 263-71.

Kübler-Ross, E. (2005). Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes.

Lacerda, M.R. & Costenaro, R.G.S. (2017). Metodologias da pesquisa para a enfermagem e saúde. Editora Moriá (livro atualizado), 1(5): 123.

Academia Nacional de Cuidados Paliativos. (2012). Manual de cuidados paliativos. 2 ed.–Rio de Janeiro: Diagraphic.

Monteiro, F.F., Oliveira, M. & Vall, J. (2010). A importância dos cuidados paliativos na enfermagem. Revista Brasileira do Estudo da Dor. São Paulo, 11(3): 242-48.

Mota, M.S., Gomes, G.C., Coelho, M.F., Filho, W.D.L. & Sousa, L.D. (2011). Reações e sentimentos de profissionais da enfermagem frente à morte dos pacientes sob seus cuidados. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, 32(1): 129-35.

Moritz, R.D. (2005). Os profissionais de saúde diante da morte e do morrer. Bioética - Vol. 13, nº 2.

Ordahi, L.F.B., Padilha, M.I.C.S. & Souza, L.N.A.S. (2007). Comunicação entre a enfermagem e os clientes impossibilitados de comunicação verbal. Rev Latino-Am Enfermagem. 15(5): 85-93.

Penha, R.M. & Silva, M.J.P. (2012). Significado de espiritualidade para a enfermagem em cuidados intensivos. Texto e Contexto Enfermagem, 21(2): 260-8.

Pereira, M.A.G. (2005). Má noticia em saúde: um olhar sobre as representações dos profissionais de saúde e cidadãos. Texto contexto – enferm, 14(1): 33-7.

Pinheiro, E.M., Balbino, F.S., Balieiro, M.M.F.G., Domenico, E.B.L & Avena, M.J. (2009). Percepções da família do recém-nascido hospitalizado sobre a comunicação de más notícias. Rev Gaucha Enferm. 30(1): 77-84.

Ribeiro, K.V., Soares, M.C.S., Gonçalves, C.C., Medeiros, I.R.N. & Silva, G. (2011). Eutanásia em paciente terminal: concepções de médicos e enfermeiros intensivistas. Enfermagem em Foco, 2(1):28-32.

Pessini, L. (1996). Distanásia: até quando investir sem agredir? Rev Bioética 4, p. 31-43.

Santana, J.C.B., Dutra, B.S., Carlos, J.M.M., Barros, J.K.S. (2017). Ortotanásia nas unidades de terapia intensiva:percepção dos enfermeiros. Rev. bioét. (Impr), 25 (1): 158-67.

Santos, G. & Sousa, L. (2012). A espiritualidade nas pessoas idosas: influência da hospitalização. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 15(4): 755- 65.

Santos, A.P.D., Alves, P.G.S., Silva, S.E. & Oliveira, J.A. (2019). Morte e morrer: uma perspectiva antropológica e pedagógica sobre o morrer. Formação@ Docente, 10(2).

Seiffert, C.S.L.C., Freitas, K.O., Monteiro, G.O. & Vasconcelos, E.V. (2020). The death and die process for nursing team of intensive therapy center. Rev Fun Care Online, jan/dez; 12:354-361.

Silva, S.M.A. (2016). Os cuidados ao fim da vida no contexto dos cuidados paliativos. Rev Bras Cancerol, 62(3):253-257.

Toffoletto, M.C., Zanei, S.S.V., Hora, E.C., Nogueira, G.P., Miyadahira, A.M.K, Kimura, M. & Padilha, K.G. (2005). A distanásia como geradora de dilemas éticos nas Unidades de Terapia Intensiva: considerações sobre a participação dos enfermeiros. Acta Paul Enferm,18(3):307-12.

Trigueiro, T.H., Raimondo, M.L., Labronici, L.M. & Paganini, M.C. (2010). Dilemas éticos vividos pelos enfermeiros diante da ordem de não reanimação. Ciência, Cuidado e Saúde, 9(4): 721-727.

Valente, S.H. & Teixeira, M.B. (2009). Estudo fenomenológico sobre a visita domiciliária do enfermeiro à família no processo de terminalidade. Rev. Esc. Enferm USP, 43(3):655-61.

Vargas, D. (2010). Morte e morrer: sentimentos e condutas de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem (online).23(3): 404-10.

Vasques, T.C.S., Lunardi, V.L., Silva, P.A., Avila, L.I., Silveira, R.S. & Carvalho, K.K. (2019). Equipe de enfermagem e complexidades do cuidado no processo de morte-morrer. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, 17(3):e0021949.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4752

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com