Couples experiences about the partner's participation in the puerperium

Andrêssa Possati Zaldivar, Lisie Alende Prates, Rhayanna de Vargas Perez, Natália da Silva Gomes, Carolina Heleonora Pilger

Abstract


Objective: to know the experience of couples in the puerperal period about the partner's participation. Method: descriptive qualitative research, performed through semi-structured interview and the “Almanac” Creativity and Sensitivity Technique. The data were analyzed according to the operational proposal. The study population consisted of ten couples who were experiencing the immediate, late or remote puerperium. Results: they were organized in a category called “the couple's daily life in the puerperium: changes and active participation of the partner”. Each couple experienced the puerperium according to their uniqueness, adapting their routine and reorganizing it. The partners who were included in the puerperium felt more satisfied when carrying out the care with the baby. Conclusion: The active participation of the partners contributed significantly to the couples experiencing this period with more satisfaction, strengthening the father-mother-child bond.


Keywords


Nursing; Women's health; Postpartum period; Paternity.

References


Almeida S, Pereda P & Ferreira R. (2016). Custos da ampliação da licença-paternidade no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, 33(3), 495-516. doi: https://doi.org/10.20947/S0102-30982016c0003

Alvim NAT & Cabral IE. (1999). O lugar das plantas medicinais nos espaços privado-domiciliar e acadêmico-profissional das enfermeiras. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 3(3), 90-103.

Andrade RD et al. (2015). Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 19(1), 181-186. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v19n1/1414-8145-ean-19-01-0181.pdf

Bittencourt IG et al. (2015). Envolvimento paterno na mídia: publicações em revistas para pais e mães. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 688-707. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v15n2/v15n2a14.pdf

Brasil. (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: www. planalto.ogv.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm.

Brasil. (1943). Decreto-lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho.

Brasil. Ministério da Saúde. (2016a). Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde. Angelita Herrmann, Michelle Leite da Silva, Eduardo Schwarz Chakora, Daniel Costa Lima. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 55 p.: Il.

Brasil. Ministério da Saúde. (2016b). Lei n. 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, a Lei no11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei no 12.662, de 5 de junho de 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: Princípios e Diretrizes. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde.

Cavalcanti TRL & Holanda VR. (2019). Participação paterna no ciclo gravídico-puerperal e seus efeitos sob a saúde da mulher. Enfermagem em Foco, 10(1), 93-98. doi: 10.21675/2357-707X.2019

Corrêa MSM et al. (2017). Acolhimento no cuidado à saúde da mulher no puerpério. Cadernos de Saúde Pública, 33(3), 1-12. doi: 10.1590/0102-311x00136215

Costa FA. (2018). Mulher, trabalho e família: os impactos do trabalho na subjetividade da mulher e em suas relações familiares. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 3(6). Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/15986

Garcia ICL et al. (2014). Percepções masculinas sobre o período gestacional. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, 12(2), 776-784. doi: 10.5892/ruvrd.v12i2.1472

Holanda SM et al. (2018). Influência da participação do companheiro no pré-natal: satisfação de primíparas quanto ao apoio no parto. Texto & Contexto - Enfermagem, 27(2), 1-10. doi: 10.1590/0104-070720180003800016

IBGE. (2014). Síntese de Indicadores Sociais. Divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Machado JSA & Penna CMM. (2016). Reprodução feminina e saúde sob os olhares de mulheres sem filhos. Revista Mineira de Enfermagem, 20:e972. doi: 10.5935/1415-2762.20160042

Mazzo CMF & Almeida JMT. (2020). O significado de ser pai na atualidade: um estudo na abordagem gestáltica. Revista da Abordagem Gestáltica, 26(1), 26-37. doi: 10.18065/RAG.2020v26n1.3

Minayo MCS. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec/ABRASCO.

Montenegro CAB & Rezende Filho J. (2014). Operação cesariana. Rezende Obstetrícia Fundamental. 13a ed. p. 673. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Pereira AS et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pereira TRC et al. (2018). Avaliação da função sexual feminina no puerpério remoto: um estudo transversal. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 18(2), 295-300. doi: https://doi.org/10.1590/1806-93042018000200003

Quitete JB & Monteiro JAMB (2018). A participação do pai no parto domiciliar planejado: um ato significativo para a mulher. Revista Enfermagem UERJ, 26:e18682. doi: https://doi.org/10.12957/reuerj.2018.18682

Ribeiro JP et al. (2015). Participação do pai na gestação, parto e puerpério: refletindo as interfaces da assistência de enfermagem. Revista espaço para a saúde, 16(3), 73-82. doi: 10.22421/1517-7130.2015v16n3p73

Santos DSS et al. (2018). Importância da participação paterna no pré-natal para compreensão do parto e puerpério: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Funcional, 5(2). Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/download/432/415/

Siqueira LKR et al. Pós-parto e sexualidade: perspectivas e ajustes maternos. (2019) Revista de. Enfermagem da UFSM, 9, 1-18. doi: 10.5902/2179769233495

Souza SRRK & Gualda DMR. (2016). A experiência da mulher e de seu acompanhante no parto em uma maternidade pública. Texto contexto - Enfermagem, 25(1), 1-9. doi: 10.1590/0104-0707201600004080014

Vieira LM et al. (2014). Paternidade no Brasil: revisão sistemática de artigos empíricos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(2), 36-52. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v66n2/04.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4510

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com