A inserção de conteúdos sobre identidade de gênero na escola: Uma visão a partir de noções sobre conhecimento/saberes

Jaqueline Rosário Santana, Vanessa Érica da Silva Santos

Resumo


A inserção de conteúdos sobre identidade de gênero nas escolas entrou nas agendas de diferentes grupos sociais nos últimos anos, com posições de ataque a tais iniciativas classificando-as como ideológicas. O objetivo deste artigo é situar uma percepção da prática acadêmico/científica a qual se pode recorrer para lidar com a discussão sobre a natureza ideológica da noção de identidade de gênero. Mostra-se, dessa maneira, uma base sobre o que pode ser chamado de ideológico e aborda-se o que se tem proposto em relação à questão da identidade de gênero em torno de conteúdos educacionais. Conclui-se por não defender uma posição, porém, indicando a legitimidade de tais defesas, desde que o embate não se trave a partir da argumentação de “conteúdo ideológico”.


Palavras-chave


Educação; Currículo; Debate Social.

Texto completo:

PDF

Referências


Alarcão, I. (2011). Professores reflexivos em uma escola reflexiva (8th ed.). São Paulo: Cortez.

Araújo, M. de F. (2005). Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia Clínica, 17(2). Retrieved from http://www.redalyc.org/html/2910/291022005004/

Bobbio, N., Matteucci, N., & Pasquino, G. (2014). Diccionario de Política. Igarss 2014 (11th ed.). Brasília: Editora UnB. https://doi.org/10.1007/s13398-014-0173-7.2

Bourdieu, P. (1999). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Cancian, N. (2017). Ministério tira “identidade de gênero” e “orientação sexual” da base curricular. Folha de São Paulo. Retrieved from http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/04/1873366-ministerio-tira-identidade-de-genero-e-orientacao-sexual-da-base-curricular.shtml

Conselho Nacional de Educação. (2010). Parecer CNE/CEB no 7/2010. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Retrieved from http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5367-pceb007-10&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192

Costa, S. (2006). Desprovincializando a sociologia: a contribuição pós-colonial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21(60), 117–134. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbcsoc/v21n60/29764.pdf

Demo, P. (1991). Pesquisa: Princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez.

Dias, A. F., & Oliveira, D. A. de. (2015). As abordagens de corpo, gênero e sexualidade no projeto político pedagógico em um colégio estadual de Aracaju, SE. HOLOS, 3(0), 259. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3084

Guareschi, P. A. (2003). Pressupostos Metafísicos e Epistemológicos na Pesquisa. Psicologia: Reflexão E Crítica, 16(2), 245–255. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n2/a04v16n2

Konder, L. (2002). A questão da ideologia. São Paulo: Cia das Letras.

Larrosa, K. (2003). O ensaio e a escrita acadêmica. Educação & Realidade, 28(2), 101–115. Retrieved from http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/25643/14981.

Louro, G. (1998). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes.

Martins, R. R., & Castro, R. M. M. de. (2016). Diversidade sexual e de gênero no contexto escolar: conceitos, políticas públicas e função da escola. Revista Profissão Docente, 16(34). Retrieved from http://revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/view/1047

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio teórico. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 15(2). Retrieved from http://www.redalyc.org/html/840/84018474010/

Morin, E. (2005). Ciência com consciência (8th ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2014). Os setes saberes necessários à educação do futuro. (Cortez, Ed.) (2nd ed.). São Paulo.

Reis, D. A. dos, Silva, L. F., & Figueiredo, N. (2015). As Complexidades Inerentes ao tema “ Mudanças Climáticas ”: Desafios e Perspectivas para o Ensino de Física. Revista Ensaio, 17(3), 535–554. https://doi.org/10.1590/1983-21172015170301

Santos, B. de S. (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, (63), 237–280. https://doi.org/10.4000/rccs.1285

Santos, M. W., Abdouch, R., & Vieira, V. (2017, September). Pode o direito ser racional sem buscar causalidade? Jota. Retrieved from https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/pode-o-direito-ser-racional-sem-buscar-causalidade-07092017

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71–99. Retrieved from http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721

Silva, T. T. da. (1999). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Stoller, R. (1993). Masculinidade e feminilidade (apresentações de gênero). Porto Alegre: Artmed.

Tardif, M. (2010). Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v7i9.451

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional