Experimentation, questioning and the use of digital resources in the application of a didactic sequence for the teaching of solutions in high school

Ângelo Gomes de Melo, Mirley Luciene dos Santos, Cleide Sandra Tavares Araújo

Abstract


The present research, of qualitative nature, aimed at the elaboration, application and evaluation of a Didactic Sequence (SD) using the theme "Artificial juices". The aim was to assist Chemistry teachers in their theoretical and practical classes, emphasizing the importance of Experimentation in Teaching Chemistry during High School by bringing chemical concepts closer to the students' reality. The discussions about the content of Solutions were carried out through texts and alternative materials in the realization of chemical experiments. A classroom was opened on the Google Classroom platform to provide materials for study, dialogue with students and post the activities developed. The elaboration and application of the SD was based on the textbook adopted at the School, on books and articles selected in the Google Scholar search tool involving Investigative Teaching and Problematization. The Didactic Sequence was applied to a second-year high school class at a state public school in the state of Minas Gerais. Some technological resources and the investigative approach were used. The SD was didactically organized in the Three Pedagogical Moments proposed by Delizoicov et al. (2018). The application of SD lasted five classes of 50 minutes and involved 32 students. The results obtained showed that this approach stimulates student involvement, generates learning, favors the appropriation of scientific language, facilitates the perception of the relationships between chemical knowledge and manages to involve Science and its Technologies with Society and the students' Environment, including the practical aspects related to the contemporary world.


Keywords


Following teaching; Investigative teaching; Chemical experimentation; Technological resources; Teaching.

References


Azevedo MCPS. (2004). Ensino por Investigação: Problematizando as Atividades em Sala de Aula. In: Carvalho, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, (pp. 19-33).

Bedin E. (2019) Filme, Experiência e Tecnologia no Ensino de Ciências Química: uma sequência didática. Revista de Educação, Ciências e Matemática, Duque de Caxias, 9(1), jan./abr.

Berbel NAN (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, 32(1), 25-40, jan./abr.

Berbel NAN (1998). A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 2, 139-154, fev.

Bianchini TB (2011). O ensino por investigação abrindo espaços para a argumentação de estudantes e professores do ensino médio. 2011. 144f. Dissertação (Mestrado em Área de Concentração em Ensino de Ciências) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

Borges TS & Alencar G (2014). Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista, Salvador, 3(4), 119-143, jul./ago.

Brasil. Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio – BNCC (2017a, 20 de dezembro). Portaria n° 1.570 de 2017, publicada no Diário Oficial da União de 21/12/2017, s. 1, p. 146. Ministério da Educação – MEC. Secretaria da Educação Básica. Brasília, DF, 2017. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf

Brasil. Reforma do Ensino Médio – REM (2017b, 16 de fevereiro). Lei n° 13.415 de 2017. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, seção 1, p. 1, 17 de fevereiro de 2017. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativa. In: Carvalho, A. M. P.. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. (pp. 1-20).

Carvalho, A. M. P. (2011). Ensino e aprendizagem de ciências: referenciais teóricos e dados empíricos das sequências de ensino investigativo (SEI). In: Longhini, M. D. (Org). O uno e o diverso na educação. Uberlândia: EDUFU, 2011. (pp. 253-266).

Chassot, A. Alfabetização Científica: questões e para desafios para a educação. Ijuí: UNIJUÍ, 2016.

Costa, E. de O. & Santos, J. C. O. (2015). Uma Proposta para o Ensino de Química Através da Abordagem CTSA: Uma Sequência Didática para a Temática Água. 5º Encontro Regional de Química & 4º Encontro Nacional de Química. 2015, Mossoró – RN. Proceedings..., São Paulo: Blucher, 3(1), nov. (pp. 85-91).

Delizoicov, D.; Angotti, J. A.; & Pernambuco, M. M. (2018). Ensino de ciências fundamentos e métodos.5. ed. São Paulo: Cortez.

Dewey, J. (1978). Vida e educação. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos.

Diesel, A., Baldez, A. L. S. & Martins, S. N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, 14(1), 268-288.

Ferreira, M. V. da S. & Silva, J. M. da. (2017). Atividades experimentais no ensino de química: a utilização do laboratório de química durante o estágio de monitoria. In: ENCONTRO DE DEBATES SOBRE O ENSINO DE QUÍMICA (EDEQ), 37., 2017, Pelotas, RS. Anais..., Rio Grande: FURG, s. 7.

Ferreira, W. M., Pitanga, A. F., Rocha, L. B. da, Santos, B. L. S. R. & Santos, L. D. dos. (2018). Corantes: Uma abordagem com enfoque Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) usando processos oxidativos avançados. Química Nova na Escola, São Paulo, 40(4), 249-257, nov.

Freire, P. (2015). Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. 51.ed. Rio de Janeiro: Paz e terra.

Hengemühle, A. (2014). Formação de professores: da função de ensinar ao resgate da educação. 3. ed. Petrópolis: Vozes.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em perspectiva, 14(1), 85-93, jan./mar. http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n1/9805.pdf

Lopes, J. M. D. S. (2014). Vivenciando experiências no ensino médio utilizando eletroquímica como tema motivador. 2014. 57f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação de Licenciatura em Química). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Morán, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In: Souza, C. A. de e Morales, O. E. T. (Orgs.). Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens [volume II], Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, (pp. 15-33).

Morán, J. M. (1995). O vídeo na sala de aula. Revista Comunicação e Educação, São Paulo, (2), 27-35, jan./abr.

Oliveira, B. R. M. (2014). Verdades e mitos sobre o chocolate: a evolução conceitual de licenciandos em química durante uma atividade cooperativa JIGSAW. 2014, 41f. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira.

Prates, A. E., Finelli, L. A. C. & Miranda, S. E. O. (2016). Visão estudante acerca da metodologia ativa “Problem Based Learning” – PBL, Humanidades, v. 5, n. 2, jun.

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 17, n. spe, p. 49-67.

Secretaria de Estado da Educação do Paraná – SEED-PR (2008). Diretrizes Curriculares da Educação Básica: para a rede pública estadual de ensino. Ciências. Curitiba: SEED/DEF/DEM. http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_cien.pdf

Silveira, A. S. da, Nogara, P. A. F. & Santos, T. R. dos. (2017). Explorando Reações de Oxirredução em Compostos Orgânicos e em Sistemas Biológicos. In: Encontro de Debates sobre o Ensino de Química (EDEQ), 37., 2017, Pelotas-RS. Anais..., Rio Grande: FURG, s. 8. https://edeq.furg.br/images/arquivos/trabalhoscompletos/s08/ficha-285.pdf

Souza, C. da S., Iglesias, A. G. & Pazin-Filho, A. (2014). Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais–aspectos gerais. Medicina (Ribeirão Preto. Online), 47(3), 284-292.

Taha, M. S., Lopes, C. S. C., Soares, E. L. & Folmer, V. (2016). Experimentação como ferramenta pedagógica para o Ensino de Ciências. Experiências em Ensino de Ciências, Uruguaiana, 11(1), 138-154.

Vaz, W. F. & Soares, M.H.F.B. (2011). A visão de ciências das comunidades da rede social Orkut relacionadas com o ensino de química. In. Encontro nacional de pesquisa em educação em ciências – ENPEC, 8.; 2011, Campinas, SP. Anais..., São Paulo: ABRAPEC. http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R0551-2.pdf

Zabala, A. (1998). A Prática Educativa. Como ensinar. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4479

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com