Toxic plants in the school environment: with the word, teachers of early childhood education in Aldeias Altas, Maranhão, Brazil

Mayara Karine de Oliveira Martins, Breno de Oliveira Ferreira, Filipe Bezerra Costa, Georgianna Silva dos Santos, Jociel Ferreira Costa

Abstract


The school is an ideal space to implement and strengthen preventive attitudes in cases of accidents involving toxic plants with children. However, that same space has offered different types of risks. With this, we seek to analyze the conceptions of teachers of early childhood education about toxic plants present in the school environment. To this end, an exploratory and descriptive research, with a qualitative approach, was carried out with twenty teachers of early childhood education in the municipality of Aldeias Altas, located in the eastern region of the state of Maranhão, Brazil. The analysis took place from two categories. The first “Recognizing a toxic plant”, describes how the participants perceive toxic plants in the school environment, and the second, “Strategies and care in accidents with toxic plants”, outlines which elements are triggered (or not), in cases of accidents with children. Finally, the teachers recognized some gaps in this process, mainly in training, but it is worth noting that the education system involves structural, cultural, social and economic issues that are directly related to the ethos of teaching work.


Keywords


Toxic plants; Teaching conceptions; School context; Teaching.

References


Baltar, SLSMA. et al. (2017). Aspectos botânicos e clínicos das intoxicações por plantas das Famílias Araceae, Euphorbiaceae e Solanaceae no Estado de Pernambuco. Revista Fitos, 11(2):2119-249.

Bardin, L (2009). Análise de Conteúdo. 5ed. Lisboa: Edições 70.

Barroso, EB, Silva, EO & Holanda, RF (2020). Ocorrência de plantas tóxicas em escolas do município de Timbiras/MA, Brasil. Natural Resources, 10(1): 27-39.

Bochner, R & Lemos, ERS (2017). Plantas Tóxicas em Espaços Escolares Infantis: Do Risco à Informação. Journal Health NPEPS, 2(Supl.1):102-112.

Bochner, R, Fiszon, JT & Assis, MA (2013). Plantas Tóxicas ao alcance de Crianças: Transformando risco em informação. 1. ed. Rio de Janeiro: RioBooks. P.64.

Braga, K, Giese, S & Parry, S. (2017). Levantamento de Plantas Tóxicas em Escolas Urbanas de Ensino Fundamental do Município de Altamira-Pará. Biota Amazônia, 7(2):53-58.

Brasil (2020). Ministério da Saúde. Sistema de Nacional de Informações Tóxico-farmacológicas. Dados de intoxicação: dados agentes tóxicos: tabulação de dados: a partir de 2010: intoxicação, óbitos [Internet]. Acesso em: 10 março 2020. Disponível em: https://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-de-agentes-toxicos.

Cunha, AMO & Krasilchik, MA (2000). Formação Continuada de Professores de Ciências: percepções a partir de uma experiência. In: Educação não é privilégio: anais. Caxambu. ANPED.

Faria, ML & Wichr, P (2014). Creche, Criança e Saúde. Revista Mineira de Enfermagem, 18(1): 142-146.

Ferreira, BO, Albuquerque, ARS & Costa, JF (2019). Meu pé de ipê: Construindo um projeto psicoeducativo no IFMA. Práticas em Psicologia Escolar: Do Ensino Técnico ao Superior. 1ed.Teresina - PI: EDUFPI, (9): 96-107.

Lorenzi, H (2010). Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. 6. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Maciel, JM. de MP, Brito, RC, Júnior, ER. de S & Pinto, NB. (2018). Análise retrospectiva das intoxicações por plantas no brasil no período de 2000-2015, Revinter,11(3). https://doi.org/10.22280/revintervol11ed3.377.

Marcussi, S, Fernandes, RS & Suart, RC (2011). Animais e plantas: reconhecendo e evitando os perigos. 1. ed. Larvas – MG: UFLA. p. 98.

Martins, TGS. et al (2006). Levantamento preliminar de plantas tóxicas em canteiros de unidades básicas de saúde do município de São José dos Campos. In: VI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba São José dos Campos.

Neves, JP & Festozo, MB (2011). Problematizando a formação de professores educadores ambientais. In: Encontro de pesquisa em Educação Ambiental: A pesquisa em Educação Ambiental e a Pós-Graduação no Brasil, 6, 04-07.

Novóa, A (2011). Nada substitui um bom professor: Proposta para uma revolução no campo da formação de professores. Conferência intitulada “Tendências actuais na formação de professores: O modelo universitário e outras possibilidades de formação”. Águas de Lindóia/SP.

Pereira, AS et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Acesso em: 15 maio 2020. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pereira, EGC & Fontoura, H (2014). National Curriculum Guidelines for Teacher Training in Science: reflections on the approach to Environmental Education. In: II International Congresso of Science Education, Foz de Iguaçu, PR, UNILA.

Reis, VMS (2010). Dermatoses provocadas por plantas (fitodermatoses). Anais Brasileiros de Dermatologia, 85 (4): 479-489.

Rodrigues, DSR et al (2009). Apostila de Toxicologia Básica. Bahia-Salvador. p.70.

Santos, EM et al. (2019). Perfil dos casos de intoxicação por plantas em humanos no estado de Alagoas, Diversitas Journal, 4(1): 292-305.

Silva, LR et al. (2014). Plantas Tóxicas: Conhecimento de populares para prevenção de acidentes. Revinter, 7 (2): 17-36.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4451

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com