Adverse events related to medications in adult intensive therapy: an integrative review

Fernanda Caurio Clatt, Ruy de Almeida Barcellos, Angela Carissimi Susin

Abstract


Objective: Identifying national productions in the literature regarding medication errors in Intensive Care Units. Method: It is an integrative review conducted through access to SCIELO and VHL databases using the keywords “Medication errors”, “Adverse event”, “Nursingand “Adult ICU”. Results: Eight articles highlighting the issue were found. Conclusion: The importance of strengthening strategies to minimize drug-related adverse events. Thus, the relevance of research that highlights the nature of these adverse events is highlighted. Therefore, it is essential to work with strategies to better manage the medication system.


Keywords


Medication errors; Nursing; Adverse event; Adult ICU.

References


Alves KMC. (2017). O conhecimento do enfermeiro acerca dos cuidados com medicamentos potencialmente perigosos. Revista de Enfermagem UFPE online, 11(8):3186-9.

Arboit ÉL et al. (2020). Cultura de segurança do paciente na perspectiva multiprofissional. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, Itabira, v. 9, n. 5, p. e125953088.

Azevedo Filho FM et al. (2015). Prevalência de incidentes relacionados à medicação em Unidade de Terapia Intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, 28(4):331-6.

Barcellos RA & Chatkin JM. (2020). Impacto de uma lista de verificação multiprofissional nos tempos de ventilação mecânica invasiva e de permanência em UTI. J Bras Pneumol. 20180261.

Barcellos RA et al. (2016). Efetividade do gerenciamento de riscos clínicos na terapia intensiva. Cogitare Enfermagem, 21:9-1.

Beccaria LM. (2009). Eventos adversos na assistência de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 21(3):276-282.

Bohomol E. (2014). Erros de medicação: estudo descritivo das classes dos medicamentos e medicamentos de alta vigilância. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 18(2):311-316.

Bohomol E & Ramos LH. (2007). Erro de medicação: importância da notificação no gerenciamento da segurança do paciente. Revista Brasileira de Enfermagem, 60(1):32-6.

Borges MC et al. (2016). Erros de medicação e grau de dano ao paciente em hospital escola. Cogitare Enfermagem, 21(4):1-9.

Brasil MS. (2010). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Estratégias para segurança do paciente em hospitais e clínicas. Brasília, DF.

Canineu R et al. (2006). Iatrogenia em Medicina Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 18(1):95-98.

Cortes ALB & Silvino ZR. (2019). Fatores associados a interações medicamentosas potenciais em um Centro de Terapia Intensiva: estudo transversal. Escola Anna Nery, 23(3):9-1.

Duarte SCM et al. (2015). Eventos adversos e segurança na assistência de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(1):144-54.

Maia LFS & Bastian JC. (2013). Iatrogenias: ações do enfermeiro na prevenção de ocorrências iatrogênicas em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Recien, 3(7):27-35.

Mendes JR et al. (2018). Tipos e frequência de erros no preparo e na administração de medicamentos endovenosos. Einstein, 16(3):1-6.

Oliveira AC, Garcia PC & Nogueira LS. (2016). Carga de trabalho de enfermagem e ocorrência de eventos adversos na terapia intensiva: revisão sistemática. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(4):683-694.

Pedreira LC, Brandão AS & Reis AM. (2013). Evento adverso no idoso em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(3):429-36.

Pereira AS, Shitsuka DM, Parreira, FJ & Shitsuka, R (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Reis MAS et al. (2018). Medicamentos potencialmente perigosos: identificação de riscos e barreiras de prevenção de erros em terapia intensiva. Texto & Contexto Enfermagem, 27(2):1-9.

Ribeiro GSR et al. (2018). Análise do aprazamento de enfermagem em uma UTI: foco na segurança do paciente. Revista Online de Pesquisa, 10(2):510-5.

Silva APA. (2016). Educação permanente: Uma estratégia para redução dos incidentes no preparo e administração dos medicamentos intravenosos na terapia intensiva. 98 p. Dissertação (Mestrado em Ensino na Saúde) – Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Souza VS et al. (2008). Erros de enfermagem no processo de medicação: análise de mídia eletrônica televisiva. Escola Anna Nery, 22(2):1-7.

Tavares FM. (2007). Reflexões acerca da Iatrogenia e Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 31(2):180-5.

Teixeira CC. (2018). Fatores relacionados à ocorrência de eventos adversos em pacientes idosos internados. Revista Baiana de Enfermagem, 32:1-9.

Toffoletto MC & Padilha KG. (2006). Consequências de medicação em Unidades de Terapia Intensiva e semi-intensiva. Revistada Escola de Enfermagem da USP, 40(2):247-52.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4402

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com