Environmental education in the amazon: context and practice of teachers in the municipality of Colares, in the State of Pará, Brazil

Solange de Nazaré Ferreira Sousa, Fabrício Khoury Rebello, Liliana Pereira Cordeiro, Cíntia Maria Cardoso, Marcos Antônio Souza dos Santos

Abstract


Environmental education has a fundamental role to correct society’s aggression towards nature and the school, in this context, it is considered the key element to train the citizen who can change this course. In this research, the level of awareness of elementar school teachers in the municipality of Colares, in the state of Pará, is analyzed regarding the theoretical and practical repertoire in relation to environmental issues. The research was developed from primary data, collected from 78 public elementary school teachers in the municipality, which represents 75.72% of the number of teachers working at this level of education. Teachers are between 38 and 67 years old, 97.43% have higher education, and 92.31% are public servants. For teachers, the environment is in second place on a scale of values that must be worked on in the formation of citizens. However, it was found that there is a lack of training for teachers in the environmental area, which ends up interfering in the execution of activities and projects related to the theme. In the perception of teachers, within the school space, there is still a low appropriation of knowledge and practices aimed at environmental issues, since there are few green spaces and action projects for environmental education. The low adoption of educational practices inside and outside the school environment is worrying, demonstrating the need for na effective policy at the municipal level with the school as a link between environmental education and the community in general.


Keywords


Sustainable development; Interdisciplinarity; Environment; Sustainability; Transversality.

References


Albuquerque, MBB, Fares, JA, Silva, MG & Carvalho, NC. (2016). Saberes da experiência, saberes escolares: diálogos interculturais. Belém: EDUEPA, 2016.

Angel, GI. (2000). Pesquisa-Ação. Educar, Curitiba, 16, 181-91.

Barros, TN & Gomes, E. (2008). O perfil dos professores leitores das séries iniciais e a prática de leitura em sala de aula. Revista CEFAC, São Paulo, 10(3), 332-42.

Bonotto, DMB & Semprebone, A. (2010). A Educação Ambiental e Educação de Valores em livros didáticos de ciências naturais. Ciências & Educação. 16(1), 131-48.

Brasil. (2013). Relatório de Gestão 2009-2013. Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica (DEB). Brasília (DF): CAPES/DEB. Recuperado de: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/2562014-relatrorio-DEB-2013-web. pdf.

Brasil.(1999). Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Recuperado de: http://www.mma.gov.br/port/Conama/ legiabre.cfm?codlegi=321.

Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente e saúde. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro091.pdf.

CAPES. (2017). Plano Nacional de Formação de Professores de Educação Básica (PARFOR). Recuperado de: http://www.capes.gov.br/educacao-basica/parfor.

Carvalho, ICM. (2004). Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez.

Carvalho, ICM. (2008). Educação Ambiental no Brasil. Salto para o Futuro. Ano XVIII boletim 01. Recuperado de: forumeja.org.br/sites/ forumeja.org.br/files/Educa%C3%A7%C3%A3o%20Ambiental%20no%20Brasil%20(texto%20basico).pdf.

Fernandes, RS, Dias, DGMC, Serafim, GS & Albuquerque, A. (2008). Avaliação da percepção ambiental da sociedade frente ao conhecimento da legislação ambiental básica. Direito, Estado e Sociedade, (33): 149.

Franco, MA. (2005). Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa. São Paulo, 31(3), 483-502.

Guimarães, M. (1995). A dimensão ambiental na educação. Campinas (SP): Papirus. (Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico).

IBGE. (2017). Cidades. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado de http://cidades.ibge.gov.br.

IBGE. (2020a). Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2019. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado em 28 de abril de 2020, de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br /agencia-detalhe-de-midia.html?view=mediaibge&catid=2103&id=3098.

IBGE. (2020b). PIB dos municípios – base de dados 2010-2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado em 28 de abril de 2020, de https://www.ibge.gov.br /estatisticas/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html? = &t=publicacoes.

INEP. (2016). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica de Colares. Instituto Nacional de estudos e pesquisa Educacionais Anísio Teixeira. Recuperado de: ideb.inep.gov.br/resultados/cid9461820.

Jacobi, P. (2003). Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, 118, 189-205.

Leff, E. (2012). Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes.

Machado, C. (2008). Educação Ambiental Consciente. Rio de Janeiro: Wak.

Marpica, NS & Logarezzi, AJM. (2010). Um panorama das pesquisas sobre o livro didático e educação ambiental. Ciência & educação, 16(1), 115-130.

Medina, NM & Santos, EC. (2011). Educação ambiental: uma metodologia participativa de formação. Petrópolis (RJ): Vozes.

Oliveira, ES, Santos, MAS, Rebello, FK, Martins, CM, Bezerra, AS, Lopes, MLB & Costa, F S. (2020). Fatores determinantes do desenvolvimento rural nos municípios do estado do Pará, Amazônia Brasileira. Brazilian Journal of Development, 6(1): 23186-207. Recuperado em 04 de maio de 2020, de http://www.brazilianjournals.com/index.php /BRJD/article/view/9516/8010.

Pelicioni, MCF. (1998). Educação ambiental, qualidade de vida e sustentabilidade. Saúde e sociedade. 7(2), 19-31.

Rebello, FK & Homma, AKO. (2017). História da colonização do Nordeste Paraense: uma reflexão para o futuro da Amazônia. Belém: EDUFRA, 2017.156 p.

Reigota, M. (1994). O que é educação ambiental? São Paulo: Brasilense. (Col. Primeiros Passos).

Sauvé, L. (2005). Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e pesquisa. São Paulo, 31(2), 317-22.

SEMED. (2016). Estatística: quadro geral de docente e discente. Secretaria Municipal de Educação de Colares (SEMED). Colares: SEMED.

Silva, C. Desenvolvimento Sustentável: um modelo analítico integrado e adaptativo. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

Tavares, FBR, Sousa, FCF & Santos, VES. (2018). A educação ambiental com perspectiva transdisciplinar no contexto da legislação brasileira. Research, Society and Development, 7(12): 1-22, Recuperado em: 17 maio 2020 de: https://rsd.unifei.edu.br/index.php/rsd/article/view/478/349.

Tristão, M. (2002). As dimensões e os desafios da educação ambiental na sociedade do conhecimento. In: Rusheinsky, A. (Org.). Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed.

Vianna, IOA. (2000). Planejamento participativo na escola: um desafio ao educador. São Paulo: EPU.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4173

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com