Knowledge and practices of intensive care nurses in the control of nosocomial infection

Rosemeri Pereira Bordignon, Laísa Xavier Schuh, Luiza Cremonese, Caroline Clemente Merenhque, Patrícia Thomaz Fagundes, Camila Barreto

Abstract


The present study aimed to describe the knowledge of nurses who work in an Adult Intensive Care Unit about the control of nosocomial infection. Descriptive field research with a qualitative approach. Seven nurses were interviewed, using the semi-structured interview technique, the data analysis was based on Minayo's operative proposal. All ethical considerations were respected in accordance with Resolution No. 466/2012 (Brasil, 2012), with the approval of the ULBRA Ethics Committee contained in Opinion No. 3.239.370.  The results found were: nurses recognize the importance of hospital infection control, as well as the risk factors for hospitalized patients, in the context of the Adult Intensive Care Unit. Regarding the development of skills and practices to reduce infection rates, the active role of the Hospital Infection Service within the unit is highlighted, in addition to preventive measures and care, such as the correct washing of hands, the use of protective equipment individual care and care with contact isolation. However, it is difficult to guarantee the engagement of all health professionals who work in the unit to raise awareness of the adoption of such practices. The adoption of measures aimed at controlling nosocomial infection is prioritized in nurses' daily practices. Continuing education elucidates several aspects of infection control that are not restricted to the hospital environment. Thus, preventive actions start even before hospitalization and can prevent unnecessary hospitalizations.


Keywords


Nosocomial Infection; Intensive Care Units; Nursing.

References


Arrais ELM, Oliveira MLC, Sousa IDB. (2017). Prevention of urinary infection: quality indicators of nursing assistance in elderly. Journal of Nursing UFPE on line, 11(8):3151-7, ago. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/110221/22136

Basso ME, Pulcinelli RSR, Aquino ARC, Santos KF. (2016). Prevalência de infecções bacterianas em pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva (UTI). Rev Bras Anal Clin, 48(4):383-8. http://doi.org/10.21877/2448-3877.201600307

Brasil. (1998). Ministério da Saúde. Portaria nº 2.616, de 12 de maio de 1998. Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção, pelos hospitais do país, de Programa de Controle de Infecções Hospitalares. Brasília: Diário Oficial da União (DOU); 13 de maio 1998. Seção 1, nº 89, p. 133-5.

Brasil. (2002). Ministério da Saúde. Portaria nº 312, de maio de 2002. Estabelece a padronização da nomenclatura no censo hospitalar nos hospitais integrantes do SUS. Brasília: Diário Oficial da União (DOU); 02 de maio 2002. Seção 1, p. 62.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Brasília: Diário Oficial da União (DOU); 25 de fevereiro 2010. Seção 1, nº 37, p. 48.

Brasil. (2012). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União (DOU); 13 de junho 2013. Seção 1, nº 12, p. 59.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde nº 17: Avaliação dos indicadores nacionais das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) e Resistência microbiana do ano de 2017 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; dezembro.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Nota técnica nº 01/2018. Orientações gerais para higiene das mãos em serviços de saúde. Brasília, 01 de agosto de 2018.

Instituto Latino Americano de Sepse (ISLA). (2016). Conselho Federal de Medicina. Sepse: um problema de saúde pública. Brasília (DF): Conselho Federal de Medicina.

Minayo MCS. (2013). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13. ed., São Paulo: Hucitec.

Oliveira AC, Damasceno QS. (2015). Surfaces of the hospital environment as possible deposits of resistant bacteria: a review. Rev Soc Bras Clin Med, 13(2):119-23. Available from: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/en_38.pdf

Oliveira AC, Oliveira de Paula A, Rocha RF. (2015). Custos com antimicrobianos no tratamento de pacientes com infecção. Av Enferm, 33(3):352-361. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aven/v33n3/v33n3a03.pdf

Prates DB, Vieira MFM, Leite TS, Couro BRGM, Silva EU. (2014). Impacto de programa multidisciplinar para redução das densidades de incidência de infecção associada à assistência na UTI de hospital terciário em Belo Horizonte. Rev Med Minas Gerais, 24(Supl 6): S66-S71. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/1639

Rocha IV, Ferraz PM, Farias TGS, Oliveira SR. (2015). Resistance of bacteria isolated from equipment in an intensive care unit. Acta Paul Enferm, 28(5): 433-439. http://doi.org/10.1590/1982-0194201500073

Santos AG, Monteiro CFS, Nunes BMVT, Benicio CDAV, Nogueira LT. (2017). O cuidado em enfermagem analisado segundo a essência do cuidado de Martin Heidegger. Rev cuba Enferm, 33(3). Disponível em: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/rt/printerFriendly/1529/295

Sousa MAS, Nascimento GC, Bim FL, Oliveira LB, Oliveira ADS. (2017). Infecções hospitalares relacionadas a procedimentos invasivos em unidades de terapia intensiva: revisão integrativa. Rev Pre Infecç e Saúde, 3(3):49-58. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/nupcis/article/view/4251/pdf

Valim MD, Pinto PA, Marziale MHP. (2017). Questionnaire on standard precaution knowledge: Validation study for brazilian nurses use. Texto Contexto Enferm, 26(3):e1190016. http://doi.org/10.1590/0104-07072017001190016

Victoria CG. Knauth DR, Hassen MN. (2000). Pesquisa qualitativa em saúde: uma introdução ao tema. Porto Alegre: Tomo Editorial.

Wachholtz MA, Costa AEK, Pissaia LF. (2019). Conhecimento dos enfermeiros de uma unidade de terapia intensiva sobre infecções relacionadas à assistência em saúde. Res Soc Dev, 8(10):e378101397. http://doi.org/10.33448/rsd-v8i10.1397




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4094

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com