Decoloniality in making science in a science club

Raimunda Ediane da Silva Cabral, Luciana Evangelista da Silva, João Manoel da Silva Malheiro

Abstract


This text discusses decoloniality in a science club based on the analysis of the questionnaire applied to the monitors, was verified how they classify the science that is made in this place, the use of materials and the agreement on the use of these materials in experiments scientific research carried out in this educational place. The qualitative approach methodology aims to analyze the content obtained in the questionnaire with monitors and diagnose whether decoloniality is present in doing science through the Investigative Teaching Sequence - ITS. The text presents a discussion about the concepts of decoloniality in educational practices and in making science, doing science through investigative teaching in the science club. The results indicate that the scientific initiation activities carried out in the club differ from doing science, based on the Eurocentric model. And so, it is concluded that the study proved that there is decoloniality present in ITS in the science club.

 


Keywords


Decoloniality; Investigative Teaching; Science Club.

References


Almeida, W. N. C. (2017). A Argumentação e a Experimentação Investigativa no Ensino de Matemática: O Problema das Formas em um Clube de Ciências. Dissertação de mestrado em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas - Universidade Federal do Pará, Belém.

Andrade, A. F. D. (2018). Surdocegueira, cartografia e decolonialidade. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(3), 595-610. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci _arttext&pid=S141498932018000300595&lng=pt&nrm=iso. acessos em 06 ago. 2020.

Baldi, N. C. (2017). Para pensar o aprenderensinsar dança a partir de uma perspectiva decolonial. Revista Interinstitucional Artes de Educar, 3(3), 293-315.

Barbosa, D. F. S., da Rocha, C. J. T., & Malheiro, J. M. S. (2019). As perguntas do professor monitor na experimentação investigativa em um Clube de Ciências: Classificações e organização. Research, Society and Development, 8(4), 12.

Bourdieu, P. (2013). A Escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. IN: nogueira, M. A; catani, A (orgs.). Escritos de Educação, 4, 41-64.

Caraça, J. (2004). Um discurso sobre as ciências passadas e presentes. Santos B.S, (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 183-189.

Carvalho, A. D. (2013). O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 1-20.

Carvalho, A. M. P. (2009). AMP et al. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione.

Coelho, A. E. F. & Malheiro, J. M. S. (2019). Sequência de ensino investigativo em um clube de ciências: o problema da água que não derrama. Experiências em Ensino de Ciências, 14(1).

Pozo, J. I., & Crespo, M. Á. G. (2009). A aprendizagem eo ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Artmed.

Freire, P. (2013). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 46ª edição–Rio de Janeiro. Paz e Terra.

Gago, J. M. (2004). O exercício prático da cultura científica. SANTOS, B. de S. Conhecimento prudente para uma vida descente: “Um discurso sobre as ciências” revisitado, 2, 601-611.

Gohn, M. D. G. (1999). Terceira via, terceiro setor e ONGs: espaços de um novo associativismo. Gohn, M. D. G.. Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez, 65-90.

Gomes, C. D. M. (2018). Gênero como categoria de análise decolonial. Civitas-Revista de Ciências Sociais, 18(1), 65-82. Disponível em . acessos em 21 ago. 2019.

Gramsci, A. (1999). Introdução ao estudo da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce. Cadernos do cárcere. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lévi-Strauss, C. (1989). O pensamento selvagem; tradução. Tânia Pellegrini,-Campinas, SP: Papirus.

Maldonado-Torres, N. (2016). Transdisciplinaridade e decolonialidade. Sociedade e estado, 31(1), 75-97. Disponível em . acessos em 21 ago. 2019.

Malheiro, J. M. S.(2016). Atividades experimentais no ensino de ciências: limites e possibilidades. Actio: Docência em Ciência, 1 (1), 107-126, jul./dez. Acesso em 06 março, 2020, https://periodicos.utfpr.edu.br/actio/article/view/4796/3150.

Marandino, M. (2017). Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal?. Ciência & Educação (Bauru), 23(4), 811-816.

Marx, K., Schneider, N., & Brant, W. C. (2010). Sobre a questão judaica. Boitempo Editorial.

Mignolo, W. (2008). Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF–Dossiê: Literatura, língua e identidade, 34, 287-324.

Mignolo, W. (2003). Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado, 2.

Muradas, D., & Pereira, F. S. M. (2018). Decolonialidade do saber e direito do trabalho brasileiro: sujeições interseccionais contemporâneas. Revista Direito e Práxis, 9(4), 2117-2142. Disponível em . acessos em 21 ago. 2019.

Oliveira, L. F. D., & Candau, V. M. F. (2010). Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, 26(1), 15-40.

Ortegal, L. (2018). Relações raciais no Brasil: colonialidade, dependência e diáspora. Serviço Social & Sociedade, (133), 413-431. Disponível em . acessos em 21 ago. 2019.

Rocha, C. J. T., & Autor3 (2018). Interações dialógicas na experimentação investigativa em um clube de ciências: proposição de instrumento de análise metacognitivo. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, 14(29), 193-207.

Rocha, C. J. T., Altarugio, M. H., & Malheiro, J. M. S. (2018). Indicadores de ensino investigativo para a prática de ensino em escolas públicas do Pará. Research, Society and Development, 7(8), 6.

Ruivo, M. D. C. (2004). A ciência tal qual se faz ou tal qual se diz. Conhecimento prudente para uma vida decente, 2, 585-599.

Santos Filho, J. C. D. (1997). Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. Pesquisa educacional: quantidade-qualidade, 3, 13-59.

Santos, B. D. S. (2004). Introdução. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 17-56.

Santos, V. M. D. (2018). Notas desobedientes: decolonialidade e a contribuição para a crítica feminista à ciência. Psicologia & Sociedade, 30. Disponível em . acessos em 21 ago. 2019

Schlesener, A. H., Masson, G., & Subtil, M. J. D. (2016). Marxismo (s) e educação. Editora UEPG.

Severino, A. J. (2017). Metodologia do trabalho científico. Cortez editora.

Silva, T. H. C., Sousa, R. P. B. D., Novaes, F. F., Neto, G., & da Cruz, J. (2019). Entre o desenvolvimento ea decolonialidade: Santarém, os portos e os conflitos. Interações (Campo Grande), 20(1), 125-140. Disponível em . acessos em 21 ago. 2019




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4053

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com