The use of memes as a pedagogical resource in the chemistry teaching: a view of the teachers of the discipline

Alda Ernestina dos Santos, Luiz Felipe Santoro Dantas, Thiago Rodrigues de Sá Alves, Eduardo dos Santos de Oliveira Braga

Abstract


This article is the first production of the project entitled “Meme with Science” which aims to study and conduct research on the use of memes as a pedagogical resource in Science. The project's first academic production attempt was the realization of the state of knowledge about memes in the teaching of Chemistry. However, it was made impossible by the scarcity of publications on the topic in articles, dissertations and theses. Thus, in this first study, we aim to map the use of memes as a pedagogical resource by Chemistry teachers. For this purpose, based on a survey that involved the participation of 400 Chemistry teachers from all over Brazil, a questionnaire was elaborated containing eighteen semi-structured questions regarding the personal, academic and professional questions of the participating teachers (block 1) and specific, addressing the study theme (block 2). The results obtained reveal that the majority (67%) of the teachers surveyed have already used memes as a pedagogical resource in the teaching of Chemistry, which are used in different situations, from the content developed in the classroom to extra-class activities. Considering the incipience of research with this theme, we believe that this study is of great relevance, since it highlights the pedagogical use of memes as a common practice among Chemistry teachers, and universally accepted by students.


Keywords


Memes; Chemistry teaching; Teaching practice; Pedagogical resources.

References


Almeida, SS. (2020). Memes como estratégias pedagógicas na EaD para professores. Revista de Informática Educativa, 1 (2), 1-10. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: https://www.cp2.g12.br/ojs/index.php/parceriasdigitais/article/view/2319/1563.

Aristimuño, F. (2014). O meme como expressão popular no ensino de arte alguns pensamentos e conceitos base do projeto EVMS. Revista Digital Art&, 12 (15), 8 p. Recuperado em 26 de abril de 2020 de: http://www.revista.art.br/site-numero-15/12.pdf.

Blackmore, S. (2000). The power of memes. Scientific American, 283 (1), 64-73.

Borba. MB., Silva, RS & Gadanidis, G. (2014). Fases das tecnologias digitais em educação matemática: sala de aula e internet em movimento. Belo Horizonte: Autêntica.

Borba, MC, Almeida, HRF & Gracias, T. A. S. (2018). Pesquisa em ensino e sala de aula: diferentes vozes em uma investigação. Belo Horizonte: Autêntica.

Brasil. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação.

Calixto, DO. (2017). Memes na internet: entrelaçamentos entre educomunicação, cibercultura e a ‘zoeira’ de estudantes nas redes sociais. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cavalcanti, DPR & Lepre, RM. (2019). Utilizando memes como recurso pedagógico nas aulas de história. In: Ferreira, G. R. Educação e Tecnologias: Experiências, Desafios e Perspectivas. 1.ed. Ponta Grossa: Atena. p. 69-75.

Chaer, G, Diniz, RRP, Ribeiro, EA. (2011). A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência, 7 (7), 251-266. Recuperado em 19 de abril de 2020 de: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/maio2013/sociologia_artigos/pesqusia_social.pdf.

Coutinho, CP. (2014). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Almedina.

Faerstein, E, Lopes, CS, Valente, K, Solé Plá, MA, Ferreira, MB. (1999). Pré-teste de um questionário multidimensional autopreenchível: a experiência do estudo Pró-Saúde UERJ. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 9 (2), 117-130. doi: 10.1590/S0103-73311999000200007.

Farias, L. G. (2018). Memes como ferramenta pedagógica: a irreverência e a criticidade das redes sociais na sala de aula. (Monografia de Especialização). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Felcher, CDO, Folmer, V. (2018). A criação de memes pelos estudantes: uma possibilidade para aprender matemática. Revista Tecnologias na Educação, 10 (25), 11 p. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2018/07/Art2-vol.25-Junho-2018.pdf.

Freire, P. (2014). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Fiorentini, D. (2003). Formação de professores de Matemática. Campinas: Mercado de Letras.

Gil, AC. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, C. J. S. L., Lima, A. M. P., Lima, E. N. P. (2015). Os memes e a mediação no ensino de leitura. In Anais, VI Colóquio Nacional de Hipertexto. IFCE: Fortaleza.

Gonçalves, PGF. (2016). Memes e Educação Matemática: um olhar para as redes sociais digitais. In Anais, XII Encontro Nacional de Educação Matemática. Pontifícia Universidade Católica: São Paulo. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/5825_2391_ID.pdf.

Martins, CG, Ferreira, MLR. (2011). O survey como tipo de pesquisa aplicado na descrição do conhecimento do processo de gerenciamento de riscos em projetos no segmento da construção. In Anais, V Congresso Internacional de excelência em gestão. FIRJAN: Niterói. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T11_0362_1839.pdf.

Massaruto, FA, Vale, LF, Alaimo, MM. (2017). Educomunicação: O meme enquanto gênero textual a ser utilizado na sala de aula. Revista Pandora Brasil, 83 (1), 8 p.

Minayo, MCS. (2009). O desafio da pesquisa social. In: Minayo, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes. p. 9-30.

Moran, JM. (2000) Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. Informática na Educação: teoria & prática, 3 (1), 137-144. doi: 10.22456/1982-1654.6474.

Morosini, MC, Fernandes, CMB. (2014). Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação Por Escrito, 5 (2), 154-164. Recuperado em 23 de abril de 2020 de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/porescrito/article/view/18875/12399.

Nascimento, LF, Cavalcante, MMD. (2018). Abordagem quantitativa na pesquisa em educação: investigações no cotidiano escolar. Revista Tempos e Espaços em Educação, 11 (25), 249-260. doi: 10.20952/revtee.v11i25.7075.

Pavanelli-Zubler, EP, Ayres, SRB, Souza, RM. (2017). Memes nas redes sociais: práticas a partir das culturas de referência dos estudantes. Revista Redin, 6 (1). 9 p. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: https://seer.faccat.br/index.php/redin/article/view/603.

Perrenoud, P. (2002). A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed.

Silva, MZVD. (2016). O letramento multimodal crítico no ensino fundamental: investigando a relação entre a abordagem do livro didático de língua inglesa e a prática docente. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

Silva, JPB. (2017). Memes em perspectiva dialógica: uma análise bakhtiniana. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Taubaté, Taubaté, SP.

Silva, C. M. B., Santos, E. O. (2020). Formação continuada do professor do ensino médio integrado: concepções e importância. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, 1 (18). 15 p. doi: 10.15628/rbept.2020.9281.

Souza, SE. (2007). O uso de recursos didáticos no ensino escolar. Arquivos do Mudi, 11 (supl. 2), 110-114. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: http://www.dma.ufv.br/downloads/MAT%20103/2015-II/slides/Rec%20Didaticos-II.pdf.

Souza, JG, Lima, IC, Oliveira, HP. (2018). O uso de memes como ferramenta de ensino aprendizagem: uma proposta metodológica. Conexão FAMETRO 2018: criatividade e inovação. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: https://doity.com.br/anais/conexaofametro2018/trabalho/68920.

Spies, KL, Cambraia, AC. (2018). TPACK no uso das Redes Sociais numa escola pública. Revista Trajetória Multicursos, 9(1), 3-17. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: http://sys.facos.edu.br/ojs/index.php/trajetoria/article/view/269.

Tumelero, N. (2019). Pesquisa de levantamento: material completo, procedimentos e exemplos. Mettzer. Recuperado em 19 de abril de 2020 de: https://blog.mettzer.com/pesquisa-de-levantamento.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Tunin, ASM, Bairral, MA, Henrique, MP. (2018). Políticas de difusão das tecnologias da informação e comunicação na educação: Reflexões a partir de um resgate histórico. Revista Ensaios e Pesquisas em Educação e Cultura, 1(4), 59-71. Recuperado em 25 de abril de 2020 de: http://costalima.ufrrj.br/index.php/REPECULT/issue/view/104/Teste




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4020

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com