Educação e Espaço Público em Hannah Arendt: uma trama conceitual político-filosófica face a LEI Nº 13.415, que retirou a obrigatoriedade da disciplina de Filosofia

Roberto Ribeiro Silva

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo analisar a reflexão político-filosófica de Hannah Arendt que num tom de crítica ao modelo solipsista de fundamentação surgido na modernidade e para afirmar seu pensamento, confronta-o buscando no fundamento na coletividade da tradição política clássica sua inspiração. Arendt traz à tona o conceito de Espaço Público como essencial ao estabelecimento de uma verdadeira experiência política. Alicerçado metodologicamente na análise bibliográfica de obras como A Condição Humana, este trabalho traz elementos fundamentais à reflexão sobre a educação frente aos desafios atuais no campo educacional. O ser para se afirmar no espaço político é auxiliado pela palavra e pela ação como processo educativo e ao mesmo tempo forjando o debate público que constitui o próprio fundamento da vida política dos ‘sujeitos educados’, nesse sentido, a atual reforma educacional nega à escola esse espaço ao retirar a obrigatoriedade de disciplinas como a Filosofia. O presente estudo intenta ampliar a discursão acerca da Filosofia na escola, sem seu auxilio a educação das gerações futuras, dos ‘novos’ que chegam ao mundo pela natalidade são comprometidos em seu acesso ao mundo comum. Na perspectiva do pensamento arendtiano, lançando um olhar às suas origens na tradição clássica e perpassando pelas demais formas de sua abordagem com ênfase na educação no ensaio intitulado ‘A crise na educação’ Arendt estabelece o foco desta sua crítica. Concluímos que a reflexão arendtiana nos possibilita perceber elementos que irão nos auxiliar no estabelecimento de uma análise dos reais objetivos obscurantistas da atual reforma que continua a triste história de intermitência no Ensino de Filosofia na educação brasileira.  


Palavras-chave


Educação; Política; Reforma Educacional; Filosofia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Vanessa Sievers de. Educação em Hannah Arendt: Entre o mundo deserto e amor ao mundo. São Paulo: Cortez, 2011.

ABREU, Maria Aparecida. Hannah Arendt e os limites do Novo. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2004.

ARENDT, Hannah. O que é Política? [editoria, Ursula Ludz]; trad. Reinaldo Guarany - 6ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

________. A Condição Humana. Trad. Roberto Raposo, revisão técnica: Adriano Correia. – 11ed. - Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

________. Entre o Passado e o Futuro. Trad. Mauro. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2011.

________. Da Revolução. São Paulo: Ed. Ática & Ed. Universidade de Brasília, 1998.

ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Ed Nova Cultural, 1999.

LAFER, Celso. Hannah Arendt: Pensamento e Persuasão e Poder. 2ª ed., ver. e ampl. – São Paulo: Paz e Terra, 2003.

LUNA, Sergio Vasconcelos de. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: Ed. Educ, 2002.

NIQUITO, Thais Waideman e SACHSIDA, Adolfo. Efeitos da inserção das disciplinas e filosofia e sociologia no ensino médio sobre o desempenho escolar. 2018. Disponível em: <> Acesso em 10 de Maio de 2018.

ROBIENET, Jean-François. O Tempo do Pensamento. Trad. Benôni Lemos. São Paulo: Paulus, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v7i9.395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional