Utilização do lodo de esgoto na agricultura: uma análise cienciométrica

Juliana Caroni Silva Guimarães, Juni Cordeiro, Diego Carlos Ferreira Rosa Vitorino

Resumo


O lodo de esgoto é rico em matéria orgânica e nutrientes que podem favorecer as propriedades físico-químicas dos solos e o desenvolvimento de culturas. Entretanto, a concentração de microrganismos patogênicos, elementos-traço e poluentes orgânicos persistentes são fatores limitantes para a aplicação deste material no solo. Este trabalho objetivou verificar a evolução da publicação de artigos sobre o uso agrícola do lodo de esgoto, entre os anos de 1980 a 2017. Para isso, foi realizada uma pesquisa de artigos científicos indexados no banco de dados Web of Science relacionados ao tema, sendo encontrados 1.166 artigos. Os resultados obtidos mostram que houve um aumento gradativo do número de publicações entre as décadas. Dentre os países que mais publicaram sobre o tema destacam-se os Estados Unidos, Espanha e Brasil. Verificou-se nos artigos que tratavam da presença de poluentes que 35,5% apresentaram informações sobre os elementos-traço; 13,7% acerca dos patógenos; 15% sobre os poluentes orgânicos; enquanto 27% abordavam os nutrientes, com destaque para o fósforo, nitrogênio e potássio. Com relação às culturas, as mais mencionadas foram os cereais, destacando-se o milho. A partir dos dados analisados foi possível observar o aumento no percentual de publicações ao longo dos anos sobre o tema, o que sugere uma preocupação cada vez maior com a destinação do lodo, contudo, a presença de poluentes ainda representa um desafio para seu uso agrícola, devendo, por isso, ser submetido a tratamentos para reduzir sua carga poluidora e ser utilizado cautelosamente de acordo com o estabelecido pela legislação.


Palavras-chave


Lodo de Águas Residuárias; Lodo de Efluentes; Uso agrícola.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBOUD, A. C. S. Introdução à agronomia. Rio de Janeiro, Interciência, 2013.

ANDREOLI, C. V. Biossólidos: alternativas de uso de resíduos do saneamento. Rio de Janeiro: Abes, 2006. 417p.

ANDREOLI, C. V; PEGORINI, E. S. Reciclagem agrícola de biossólidos: Impactos e regulamentação. In: XXIX Congresso Brasileiro de Ciência do Solo. Anais... Ribeirão Preto, 2003.

ANDREOLI, C. V; VON SPERLING, M; FERNANDES, F. Lodo de esgoto: tratamento e disposição final. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. 444 p.

APPOLINÁRIO, F. Metodologia da Ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

AZEVEDO, J. S; FRESQUI, M; TRSIC, M. Curso de química para engenharia: volume III: água. Barueri, SP: Manole, 2014.

BARNETO, A. G; CARMONA, J. A; ALFONSO, J. E. M; BLANCO, J. D. Kinetic models based in biomass components for the combustion and pyrolysis of sewage sludge and its compost. Journal of Analytical and Applied Pyrolysis. v. 86, p. 108-114.

BARROS, J. F. C; CALADO, J. G. A. Cultura do Milho. Évora: Universidade de Évora, 2005.

BETTIOL, W; CAMARGO, O. A. Lodo de esgoto: impactos ambientais na agricultura. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2006. 349p.

BIDONE, F. R. A. Uso da vermicompostagem no tratamento de percolado/lixiviado de aterro sanitário. In: PROSAB. Metodologias e técnicas de minimização, reciclagem e reutilização de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro, ABES, 1999.

BOTELHO, J. M; CRUZ, V. A. G. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

BRADY, N.C; WEIL, R.R. Elementos da natureza e propriedades dos solos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013. 704p.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A; DA SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CHAGAS, W. F. Estudo de patógenos e metais em lodo digerido bruto e higienizado para fins agrícolas, das estações de tratamento de esgotos da Ilha do Governador e da Penha no estado do Rio de Janeiro. FIOCRUZ/ ENSP, M.Sc., Engenharia Sanitária e Saúde Pública. Rio de Janeiro, 1999 XIII, 89 p.

CHAPULA, C. A. M. O papel da infometria e da ciênciometria e sua perspectiva nacional e internacional, Brasília, Ciência da Informação, v. 27, n.2, p. 134-140, maio/ago 1998. Disponível em: . Acesso em: 15 março 2018.

CORREA, S. M. B. B. Probabilidade e estatística. 2. ed. Belo Horizonte: Universidade Católica de Minas Gerais, Minas Gerais, PUC - Minas Virtual, 2003. 116p.

COSCIONE, A. R; NOGUEIRA, T. A. R; PIRES, A. M. M. Uso agrícola de lodo de esgoto: Avaliação após a Resolução n° 375 do CONAMA. Botucatu: FEPAF, 2010. 407p.

DIAZ, L. F; SAVAGE, G. M; EGGERTH, L. L; GOLUEKE, C. G. Composting and Recycling Municipal Solid Waste. Florida, EUA: Lewis Publishers, 1993.

ERICKSON, B. E., 2002, Analyzing the ignored environmental contaminants. Environmental Science & Technology, 36: 140A-145A.

FELIX; F. F; NAVICKIENE, S; DÓREA, H. S. Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) como Indicadores da Qualidade dos Solos. Revista da Fapese, v.3, n. 2, p. 39-62, jul./dez. 2007. Disponível em: < http://www.fapese.org.br/revista_fapese/v3n2/artigo4.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2018.

GOMES, S. B. V; NASCIMENTO, C. W. A; BIONDI, C. M; ACCIOLY, A. M. A. Distribuição de metais pesados em plantas de milho cultivadas em Argissolo tratado com lodo de esgoto. Ciência Rural, Santa Maria, v.36, n.6, p.1689-1695, nov-dez, 2006.Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ranking do Saneamento 2017. Instituto Trata Brasil. São Paulo: Go Associados, 2017. Disponível em: .Acesso em: 13 abr. 2018.

JARDIM, A; YOSHIDA, C; MACHADO FILHO, J. V. Política nacional, gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012.

JORDÃO, E. P; PESSÔA, C. A. Tratamento de esgotos domésticos. 5. ed. Rio de Janeiro: Synergia Editora, 2009. 940p.

KAUARK, F; MANHÃES, F. C; MEDEIROS, C. H. Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Vita Litterarum, 2010. 88p.

KHAI, N. M. Effects of using wastewater and biosolids as nutrient sources on accumulation and behaviour of trace metals in Vietnamese soils. 2007. 71p. Tese (Doutorado) - Universidade Sueca de Ciências Agrícolas. 2007. Uppsala: 2007.

LARA, A. L; FERREIRA, A. C; ANDREOLI, C. V; PEGORINI, E. S; INLENFELD, R. G. K. Uso e manejo do lodo na agricultura. Curitiba: SANEPAR/ PROSAB, 1999. 98p.

LIMA, L. M. Q. Lixo: tratamento e biorremediação. 3. ed. São Paulo: Hemus, 2004. 265p.

LONGO, A. D. Minhoca, de fertilizadora do solo a fonte alimentar. São Paulo: Ícone, 1987.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda 21. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2018.

MOREIRA. F. M. S; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e bioquímica do solo. 2 ed. atualizada e ampliada. Lavras: Editora UFLA, 2006. 729.

MOTA, S. Introdução à engenharia ambiental. 4. ed. Rio de Janeiro: ABES, 2006.

NASCIMENTO, C. W. A; BARROS, D. A. S; MELO, E. E. C; OLIVEIRA, A. B. Alterações químicas em solos e crescimento de milho e feijoeiro após aplicação de lodo de esgoto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28:385-392, 2004. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2018.

PEREIRA NETO, J. T. Manual de compostagem: processo de baixo custo. ed. rev. e aum. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2007. 81p.

NOGUEIRA, T. A; OLIVEIRA, L. R; MELO, W. J; FONSECA, I. M; MELO, M. P; MELO, V. P; MARQUES, M. O. Cádmio, cromo, chumbo e zinco em plantas de milho e em latossolo após nove aplicações anuais de lodo de esgoto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.32, n.5, p.2195-2207, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2018.

NUVOLARI, A. Esgoto sanitário: coleta, transporte, tratamento e reuso agrícola. São Paulo: Editora Blucher, 2009.

PEROVANO, D. G. Manual de metodologia da pesquisa científica [livro eletrônico]. Curitiba: InterSaberes, 2016.

PHILIPPI JR, A. Saneamento, saúde e ambiente: fundamentos para um desenvolvimento sustentável. Barueri, SP: Manole, 2005.

PRODANOV, C. C; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, Feevale, 2013.

RODRIGUES, J. S.; CORDEIRO, J.; CALAZANS, G. M.; CORDEIRO, J. L.; GUIMARÃES, J. C. S. Presença de fármacos e hormônios na água: uma análise cienciométrica. Research, Society and Development, v. 7, n. 6, p. 01-22.

SAITO, M. L. O uso do lodo de esgoto na agricultura: precauções com os contaminantes orgânicos. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2007. 35p.

SISSINO, C. L. S; OLVEIRA-FILHO, E. C. Princípios de toxicologia ambiental: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: Interciência, 2013. 216p.

TSUTIYA, M. T; COMPARINI, J. B.; SOBRINHO, P. A; HESPANHOL, I; MELO, J. MARQUES, M. O. Biossólidos na agricultura. 2. ed. São Paulo: ABES, 2002. 468p.

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento, Brasília, Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p. 152-162, maio/ago 2002. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2018.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais, 2005. 452p.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v7i9.391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional