Active and Playful Methodologies: possibilities of reading practices in classrooms

Kellen de Lima Silva, Juliana Cristina da Costa Fernandes

Abstract


Reading is a basic principle for transformative education, but awakening in students a taste for the act of reading has been one of the great challenges of the educational system. In view of its importance for student education, it is up to the school to promote practices that are able to encourage reading through strategies that aim to "reframe" this practice. In this sense, this article intends to propose a reflection on the importance of active methodologies and the use of playfulness, in educational practices applied in the classroom, aiming to encourage, above all, reading. It is a qualitative research, with a case study about an educational practice with thirty students of the 2nd grade of high school, in a state school of the public network, in Morrinhos-GO. Applied practice proposed reading and rereading Machado's tales, allowing students to better understand the texts read, in addition to valuing students' creativity, considering their knowledge of the world and social interaction in the teaching-learning process. Thus, it was possible to conclude that investing in active methodologies and in the use of playfulness in the classroom, can contribute to the redefinition of reading, allowing a meaningful learning for the formation of new readers.


Keywords


Reading practice; Playful activity; Social interaction; Meaningful learning.

References


Ausubel, D. P. (1982). A Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Editora Moraes.

Abreu, J. R. P. (2009). Contexto Atual do Ensino Médico: Metodologias Tradicionais e Ativas-Necessidades Pedagógicas dos Professores e da estrutura das escolas. 2011.105f. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Almeida, A. (2009). Ludicidade como instrumento pedagógico. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2020

Brasil. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (Parte II). Brasília: Ministério da Educação.

Berbel, N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v.32, n.1, p.25-40, jan./jun.

Calvino, I. (1999). (Tradução Nilson Moulin). Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras.

Chizzotti, A. (1995). Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 2.ed. São Paulo: Cortez.

Dias, M.C.M. (2000). Metáfora e pensamento: considerações sobre o jogo na aquisição do conhecimento e implicações para educação pré-escolar. In: Kishimoto, T. M. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez.

Diesel,A; Baldez, A. L. S; Martins, S.N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica . Revista Thema, vol.14, n°01, 2017, p.268-288.

Foucambert, J. (1994). A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa.4. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, M. A. F; Nascimento, J.R.L; França, I.A. (2014). Reuso de objetos de aprendizagem de matemática possibilidades e limites. Revista Cippus-Unilasalle.v3 n.1. Maio.

Huizinga, J. (2004). Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo Perspectiva.

Kishimoto, T. M. (2000). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez.

Lajolo, M. (2000). Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 6 ed. São Paulo: Ática.

Lajolo, M. (1996). A formação do leitor no Brasil. São Paulo: Ática.

Lakatos, E. M; Marconi M. de A. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Lerner, D. (2000). Ler e escrever na escola: O real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed.

Morán, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II, PG: Foca FotoPROEX/UEPG.

Moreira, M. A. (2006). A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Silva, T. M. D.; Vargas, P. L. (2014). O lúdico e a aprendizagem da pessoa com deficiência visual. Revista Pós-Graduação: Desafios Contemporâneos, v.1, n. 1, jun.

Souza, C. S.; Iglesias, A. G; Pazin-Filho. (2014). Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais-aspectos gerais. Medicina, v.47,n.3p.284-292.

Souza, L. F. (2008). Um palco para o conto de fadas: uma experiência teatral com crianças na educação infantil. Porto Alegre: Mediação.

Teixeira, I. (1988). Apresentação de Machado de Assis. 2 ed. São Paulo: M. Fontes.

Vygotsky, L. S. A. (1998). Formação social da mente. São Paulo: M. Fontes.

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Tradução Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: ArtMet.

Zilberman, R. (1986). Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. 7. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.3694

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com