Epidemiological profile of cases of exogenous intoxication in the year 2017 in Pernambuco, Brazil

Marcos Lorran Paranhos Leão, Flavio Manoel Rodrigues da Silva Júnior

Abstract


Every year, thousands of people worldwide die from exogenous poisonings and it is estimated that these cases have a reasonable impact on the number of emergency services. In Brazil, different studies have directed the high mortality rates due to intoxication in the Northeast, and the state of Pernambuco has been a leader in the number of reports of exogenous intoxications. Thus, the study aimed to investigate the epidemiological and clinical profile of intoxication cases reported of the State of Pernambuco in the year 2017 and compare them to national data. An ecological study was conducted based on the extraction of data available in the SINAN for cases of exogenous intoxication in Brazil and in the state of Pernambuco, in the year 2017. The majority of cases reported in the state of Pernambuco were women (54%), adults aged 20-59 (51%), and brown color (89%). The main toxic agent was the drugs and the main circumstance was the suicide attempt. The profile of the cases in the state was similar to the national data, except for the skin color and the criterion of confirmation of intoxication, but the intoxication rate per thousand inhabitants was 60% higher than the Brazilian rate.


Keywords


Poisoning; Toxic Substances; Emergencies.

References


Almeida, C. F. D., Araújo, E. D. S., Soares, Y. D. C., Diniz, R. L. D. C., Fook, S. M. L., & Vieira, K. V. M. (2008). Perfil epidemiológico das intoxicações alimentares notificadas no Centro de Atendimento Toxicológico de Campina Grande, Paraíba. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(1): 139-146.

Almeida, T. C. A., Couto, C. C., & Chequer, F. M. D. (2016). Perfil Das Intoxicações Agudas Ocorridas Em Uma Cidade Do Centro-Oeste De Minas Gerais. Revista Eletrônica de Farmácia, 13(3), 151-164.

Amorim, M. L. P., Mello, M. J. G. D., & Siqueira, M. T. D. (2017). Intoxicações em crianças e adolescentes notificados em um centro de toxicologia no nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 17(4), 765-772.

Batista, L. A., de Sousa, M. D. R., Rocha, R. J., & Lacerda, E. M. D. C. B. (2018). Perfil epidemiológico dos casos de intoxicação notificados no Estado do Maranhão. Revista de Investigação Biomédica, 9(2), 129-137.

Bochner, R. (2007). Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas SINITOX e as intoxicações humanas por agrotóxicos no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 12, 73-89.

Coelho, A. P., Escobar, C. J. R., Dantas, E. G., da Cruz, E. R., Naia, G. L., Madrid, G. A. C., Hoffmann-Santos H.D., Elias, R.M. & Dombroski, T. C. D. (2018). Perfil epidemiológico das intoxicações por plantas tóxicas no estado do Mato Grosso entre os anos de 2008 a 2017. Caderno de Publicações Univag, (09).

de Oliveira, J. D. F. M., Wagner, G. A., Romano-Lieber, N. S., & Antunes, J. L. F. (2018). Caracterização das internações por intoxicação medicamentosa, São Paulo, 2004 a 2006. Archives of Health Investigation, 7(6).

Gonçalves Silva, H. C., & da Costa, J. B. (2018). Intoxicação exógena: casos no estado de Santa Catarina no período de 2011 a 2015. Arquivos Catarinenses de Medicina, 47(3), 02-15.

IGBE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2017. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2017/estimativa_dou.shtm Acesso em 20 de abril de 2020.

Lima, M. A., Bezerra, E. P., Andrade, L. M., Caetano, J. A., & Miranda, M. D. C. (2008). Perfil epidemiológico das vítimas atendidas na emergência com intoxicação por agrotóxicos. Ciência, Cuidado e Saúde, 7(3), 288-294.

Lourenço, J., Alencar Furtado, B. M., & Bonfim, C. (2008). Intoxicações exógenas em crianças atendidas em uma unidade de emergência pediátrica. Acta Paulista de Enfermagem, 21(2).

Maciel, J. M. D. M. P., de Brito, R. C., de Sousa Júnior, E. R., & Pinto, N. B. (2018). Análise retrospectiva das intoxicações por plantas no brasil no período de 2000-2015. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, 11(3).

Mendes LA, Pereira BB. (2017) Intoxicações por medicamentos no Brasil registradas pelo SINITOX entre 2007 e 2011. J. Health Biol. Sci., 5 (2), 165-170.

Oliveira, R. D. R., & Menezes, J. B. (2003). Intoxicações exógenas em clínica médica. Medicina (Ribeirão Preto. Online), 36(2/4), 472-479.

Oliveira, F. F. S., & Suchara, E. A. (2014). Perfil epidemiológico das intoxicações exógenas em crianças e adolescentes em município do Mato Grosso. Revista Paulista de Pediatria, 32(4), 299-305.

Oliveira, E. N., Félix, T. A., Mendonça, C. B., Ferreira, G. B., Freire, M. A., Lima, P. S. F., Teodosio, B.T, Linhares, J.M. & Souza, D. R. (2015). Tentativa de suicídio por intoxicação exógena: contexto de notificações compulsórias. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, (3), 2497-2511.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 Abril 2020.

Prüss-Ustün, A., Vickers, C., Haefliger, P., & Bertollini, R. (2011). Knowns and unknowns on burden of disease due to chemicals: a systematic review. Environmental health, 10(1), 9.

Santos, S. A., Legay, L. F., Lovisi, G. M., Santos, J. F. D. C., & Lima, L. A. (2013). Suicídios e tentativas de suicídios por intoxicação exógena no Rio de Janeiro: análise dos dados dos sistemas oficiais de informação em saúde, 2006-2008. Revista Brasileira de Epidemiologia, 16, 376-387.

Santos, S. A., Legay, L. F., Aguiar, F. P., Lovisi, G. M., Abelha, L., & Oliveira, S. P. D. (2014). Tentativas e suicídios por intoxicação exógena no Rio de Janeiro, Brasil: análise das informações através do linkage probabilístico. Cadernos de Saúde Pública, 30, 1057-1066.

Santos, G. A. S., & Boing, A. C. (2018). Mortalidade e internações hospitalares por intoxicações e reações adversas a medicamentos no Brasil: análise de 2000 a 2014. Cadernos de Saúde Pública, 34, e00100917.

Silva, C. C. S., de Souza, K. S., & Marques, M. D. F. L. (2011). Intoxicações exógenas: perfil dos casos que necessitaram de assistência intensiva em 2007. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 15(1), 65-68.

Vieira, L. P., de Santana, V. T. P., & Suchara, E. A. (2015). Caracterização de tentativas de suicídios por substâncias exógenas. Cadernos Saúde Coletiva, 23(2).

Werneck, G. L., & Hasselmann, M. H. (2009). Intoxicações exógenas em crianças menores de seis anos atendidas em hospitais da região metropolitana do Rio de Janeiro. Rev Assoc Med Bras, 55(3), 302-7.

World Health Organization (WHO), Poisoning Prevention and Management. International Programme on Chemical Safety. (2015). Disponível em: https://www.who.int/ipcs/poisons/en/ Acesso em 20 de Abril de 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3618

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com