Environmental management and responsibility in the practices of a family agriculture cooperative: the perception of cooperative members

Lucas Andrade de Morais, Elisabete Stradiotto Siqueira, Rosa Adeyse Silva

Abstract


Considering that the environmental crisis has pressured organizations to change their way of acting to remain competitive in the market, and corporate social responsibility appears as a means for organizations to adapt to the "new" market of consumers concerned with environmental issues, and knowing that the cooperative is an organization with particularities, but that it operates in the market, and should be guided by activities aimed at sustainable development, the objective is to analyze the perception of cooperative members about the management and environmental responsibility in the practices of a family farming cooperative. For that, we opted for the descriptive approach, once we interviewed seven cooperative members, by means of a script composed by 12 (twelve) questions, in a five-point scale between agreeing or totally disagreeing, elaborated from the Ethos Indicators of Corporate Social Responsibility and two principles of cooperativism (fifth and seventh). Thus, it is observed that there was an unfavorable perception of the cooperative members in relation to the cooperative's environmental management, which allows the conclusion that the absence of a formal and clear environmental policy and Environmental Education program in the organization could positively influence the development of environmental actions in the cooperative.


Keywords


Environmental; Cooperative; Family farming.

References


Alcantara, F. H. C. (2014). O Cooperativismo segundo o Direito e a Sociologia do Trabalho. Organizações & Sociedade. Salvador, v. 21, n. 68, p. 937-956.

Almeida, F. (2007). Os desafios da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Agência Nacional de Águas – ANA (2017). Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil 2017: relatório pleno. Brasília: ANA.

Barbieri, J. C. (1997). Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21. Petrópolis: Vozes.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Costa, L. S. (2007). Cooperativismo: uma reflexão teórica. Ciências Sociais em Perspectiva. v. 11, n. 6. p. 55-64.

Dias, R. (2011). Gestão Ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Elkington, J. (1999). Cannibals with forks: the Triple Bottom Line of 21st Century Business. Oxford: Capstone Publishing.

Ethos. (2007). Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial 2007. São Paulo: Instituto Ethos.

Ethos. (2004). O compromisso das empresas com as metas o milênio. São Paulo: Instituto Ethos.

Fonseca, L., Fonseca, L. H. S., Pereira, D. B., & Santos, A. H. (2017). A educação ambiental nas cooperativas de agricultura familiar: Estudo de caso em uma cooperativa no brejo paraibano. In: Anais do VI Simpósio Internacional de Gestão de Projetos Inovação e Sustentabilidade - SINGEP. São Paulo, SP, Brasil.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Massachusetts: Pitman.

Garzón, C. U. (1993). Historia del movimiento cooperativo. Bogotá (Cundinamarca, Colombia): Coopdesarrollo.

Gasson, R., & Errington, A. (1993). The farm family business. Wallingford: Cab International.

Giesta, L. C., & Silva, T. N. (2016). A educação ambiental e capital social em cooperativas de produção orgânica. In: Anais do XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção – ENEGEP. Fortaleza, CE, Brasil.

Giesta, L. C., & Silva, T. N. (2005). A educação ambiental através da produção orgânica em empresas cooperativas. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. ISSN 1517-1256, V. 14.

Giesta, L. C. (2009). Educação ambiental e sistema de gestão ambiental em empresas. 2009. Tese (Doutorado em gestão de tecnologia e da produção) - Universidade Federal de Rio Grande do Sul. Porto Alegre, UFRGS.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

ICA. (1995).. Cooperative Identity. International Co-operative Alliance. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2020.

IBGE. (2010). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro. Disponível em:. Acesso em: 10 fev. 2020.

IPEA. (2010). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Perspectivas do desenvolvimento brasileiro. Brasília: Ipea.

Instituto Ecológica. (2007). Cartilha de Associativismo e Cooperativismo. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2020.

Ethos. (2010). Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. Responsabilidade social das empresas – Percepção do consumidor brasileiro. Disponível em: . Acesso em 25 fev. 2020.

Jabbour, A. B. L. S., & Jabbour, C. J. C. (2013). Gestão ambiental nas organizações: fundamentos e tendências. São Paulo: Atlas.

Jabbour, C. J. C., Teixera, A. A., & Jabbour, A. B. L. S. (2013). Treinamento ambiental em organizações com certificação ISO 14001: estudo de múltiplos casos e identificação de coevolução com a gestão ambiental. Produção, v. 23, n. 1, p. 80-94.

MMA. (2015) Ministério do Meio Ambiente. Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar. Organizadores. Brasília: MMA.

Morais, L. A., & Siqueira, E. S. (2017). Meio ambiente e desenvolvimento sustentável: concepções de conselheiros ambientais do município de Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil. Educação Ambiental em Ação. Ano XVI, Número 60.

OCB. (2018). Organização das Cooperativas Brasileiras. Anuário brasileiro do cooperativismo. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

OCB-GO. (2016). Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goiás. União e transformação: 60 anos de história do cooperativismo em Goiás. Goiânia: OCB/SESCOOP-GO.

Pinho, D. B. (1966). A doutrina cooperativa nos regimes capitalista e socialista. 2. ed. São Paulo: Pioneira.

Quintas, J. S. Educação ambiental e mobilização social. Brasília: IBAMA, 2000.

Rios, G. S. L. (1981). O que é cooperativismo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Rocha, M. S. (2014). Educação Ambiental e Agroecologia na Agricultura Familiar: uma contribuição para o Desenvolvimento Sustentável no Território de Irecê-Ba. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado da Bahia, Salvador.

Santos, A. C. L. (1998). Cooperativismo: entre os princípios teóricos e o desenvolvimento viável, um estudo de caso. 1998. 90 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Schwartz, M. S., & Caroll, A. B. (2003). Corporate social responsibility: a three-domain approach. Business Ethics Quarterly, v. 13, n. 4.

Stradiotto-Siqueira, E. (2005). Responsabilidade social: o empreendedorismo e o social. Organizações em contexto, Ano 1, n. 2.

Sobral, F., & Peci, A. (2008). Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Tachizawa, T. (2015). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. 8. ed. São Paulo: Atlas.

Tachizawa, T., & Andrade, R. O. B. (2012). Gestão Socioambiental: estratégias na nova era da sustentabilidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Tesch, W. (2000). Dicionário básico de cooperativismo. Brasília: Secoop.

Vergara, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

WWAP. (2018). United Nations World Water Assessment Programme. Relatório mundial das Nações Unidas sobre desenvolvimento dos recursos hídricos 2018: soluções baseadas na natureza para a gestão da água. Paris, UNESCO.

Zarpelon, M. I. (2006). Gestão e responsabilidade social: NBR 16.001/AS 8.000: implantação e prática. Rio de Janeiro: Qualitymark.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3552

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com