Difficulties encountered by hearing impaired students, teachers and interpreters of the Brazilian Sign Language in teaching-learning human anatomy in higher education courses

Nilza Nascimento Guimarães, Beatriz Souza Lima, Aline Camilo Teixeira, Bertín Zárate Sanchez, Carolina Rodrigues Mendonça

Abstract


The number of hearing impaired students that enter higher education courses has been continuously growing throughout Brazil. The present work surveyed the difficulties faced by deaf students in healthcare undergraduate courses, their teachers and the interpreters of the Brazilian Sign Language (LIBRAS) in the teaching-learning process of human anatomy. Data collection was carried out through interviews. The results showed that deaf students have great difficulty in learning anatomy in healthcare undergraduate courses. In all aspects, students, teachers and interpreters agreed that the greatest difficulty in the teaching-learning process of anatomy occurred due to the lack of specific signs for the anatomical terminology. The absence of these signs causes delays in the translation of the lesson and possible misinterpretation of the terms, due to distortions in dactilology, modifying the correct terminology, leading to conceptual errors and learning deficit.


Keywords


Learning; Morphology; Hearing impairment; Higher education.

References


Albres, N. D. A. (2015). Intérprete Educacional: políticas e práticas em sala de aula inclusiva. São Paulo: Harmonia, 144.

Alzate, J. I. C. (2018). A avaliação da aprendizagem no contexto da justiça educativa para população com deficiência na educação superior. Rev. bras. educ. espec, 89-102. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v24n1/1413-6538-rbee-24-01-0089.pdf.

Araújo, J.A. (2020) Inclusão e equidade nas oportunidades de ensino: o estudante surdo no contexto da educação inclusiva. Educação, Artes e Inclusão, v 19, nº2, p.218-237. Disponível em: file:///C:/Users/CAROL/Downloads/14229-60272-1-PB%20(1).pdf

Bisol, C. A., Valentini, C. B., Simioni, J. L., & Zanchin, J. (2010). Estudantes surdos no ensino superior: reflexões sobre a inclusão. Cadernos de Pesquisa, 40(139), 147-172. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v40n139/v40n139a08.

BRASIL. Ministério da Educação / Censo da Educação Superior 2018 (2019). Divulgação dos principais resultados. Alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento ou altas habilidades/superdotação na educação superior. Brasília. Set. 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/apresentacao_censo_superior2018.pdf.

Braz, P. R. P. (2009). Método didático aplicado ao ensino da anatomia humana. v. 3, n. 4, p. 303-310. Disponível em: https://repositorio.pgsskroton.com.br/bitstream/123456789/1342/1/Artigo%2020.pdf.

Calazans, N. C. (2013). O ensino e o aprendizado práticos da anatomia humana: uma revisão de literatura. Monografia (Conclusão de Curso) Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Medicina da Bahia, Salvador. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/13970/1/Nat%C3%A1lia%20Contreiras%20Calazans.pdf.

Cezar, K. P. L. (2014). Uma proposta linguística para o ensino da escrita formal para surdos brasileiros e portugueses. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras – Unesp/Araraquara. Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/linguistica_lingua_portuguesa/3077.pdf

Corradi, J. A. (2012). A importância no aprendizado do aluno surdo sobre a mediação do instrutor/surdo. Revista Diálogos & Saberes, 8(1).

Correia, P.H., & Neves, B. C. (2019). A escuta visual: a Educação de Surdos e a utilização de recurso visual imagético na prática pedagógica. Revista Educação Especial, 32, 10-1. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/27435/pdf.

Dalla Dea, V. H. S., & Rocha, C. de S. (2017). Política de acessibilidade na Universidade Federal de Goiás: construção do documento. Revista Polyphonía, 28(1), 45-63. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sv/article/view/43447/21726.

Fattini, C. A., & Dangelo, J. G. (2002). Anatomia humana básica. In Anatomia Humana Básica (pp. 184-184).

Fernandes, J. M., & Reis, I. F. (2019). O papel da formação continuada no trabalho dos professores de química com alunos surdos. Revista Educação Especial, 32, 7-1. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/27300.

Foster, S., Long, G., & Snell, K. (1999). Inclusive instruction and learning for deaf students in postsecondary education. Journal of deaf studies and deaf education, 4(3), 225-235.

Lacerda, C. B. F. (2010). Tradutores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais: formação e atuação nos espaços educacionais inclusivos. Cadernos de Educação, (36). Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/viewFile/1604/1487.

Lacerda, C. D. (2002). O intérprete educacional de língua de sinais no ensino fundamental: refletindo sobre limites e possibilidades. Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, 120-128.

Marconcin, L.I.R.P., Antunes, L.A., Ferreira, L.C., Festa, P.S.V., Scholochuski, V.C. (2013). O olhar do surdo: traduzindo as barreiras no ensino superior. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia das Faculdades. Disponível em: http://www.opet.com.br/faculdade/revista-pedagogia/pdf/n5/ARTIGO-PRISCILA.pdf

Martins, V. R. D. O. (2006). Implicações e conquistas da atuação do intérprete de língua de sinais no ensino superior. ETD-Educação Temática Digital, 7(2), 158-167. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/800.

Moore, K. L., Dalley, A. F., & Agur, A. M. (2014). Anatomia Orientada Para a Clínica-7ª Edição. Rio de Janeiro.

Nogueira, L. D. F. Z., & Nogueira, E. J. (2014). Inclusão de deficientes no ensino superior: o trabalho docente frente ao processo de inclusão. Quaestio-Revista de Estudos em Educação, 16(2), 433-449. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/2090.

Oliveira, W. M. M. (2018). Tensões na atuação do Intérprete Educacional: função técnica ou pedagógica? Revista diálogos e perspectivas em educação especial, 5(1), 27-40.

Pereira, O. R. (2013). Alunos surdos, Intérpretes de LIBRAS e professores: Atores em contato na universidade. Cadernos de Educação, 12(24), 73-96. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/cadernosdeeducacao/article/view/4914/4119.

Poker, R. B., Valentim, F. O. D. & Garla, I. A. (2018). Inclusão no ensino superior: a percepção de docentes de uma instituição pública do interior do estado de São Paulo. Psicologia Escolar e Educacional, 22(spe), 127-134. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v22nspe/2175-3539-pee-22-spe-127.pdf.

Quadros, R. M. (2004). O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília: MEC; SEESP, 2004. 94 p.: il. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorlibras.pdf. Acesso em 05de março de 2020.

Rocha, A. D. L. C. (2012). O intérprete de LIBRAS do ensino superior como recurso de inclusão aos estudantes surdos. Será? In congresso nacional de pesquisas em tradução e interpretação de LIBRAS e língua portuguesa (Vol. 3, pp. 2316-2198). Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/anais/tils2012_traducao_questao_rocha.pdf.

Rosa, E. F., & Luchi, M. (2010). Semiótica imagética: a importância da imagem na aprendizagem. Anais do IX Encontro do CELSUL. Disponível em: https://docplayer.com.br/22009249-Semiotica-imagetica-a-importancia-da-imagem-na-aprendizagem.html.

Silva, A. H., & Fossá, M. I. T. (2015). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 16(1). Disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/view/2113/1403.

Silva, J. L. P., & de Moradillo, E. F. (2002). Avaliação, ensino e aprendizagem de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 4(1), 1-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v4n1/1983-2117-epec-4-01-00028.pdf.

Silva, R., Guarinello, A., & Martins, S. (2016). O intérprete de Libras no contexto do ensino superior. Revista Teias, 17(46), 177-190.doi:https://doi.org/10.12957/teias.2016.25283.

Silva, V. C.; Oliveira, K.S.; Carneiro, F.S.V.; Amorim, C.M.F.G. (2020). O papel do professor na educação inclusiva de alunos surdos no Ensino Médio. Research, Society and Development, v. 9, n.1, e90911480.

Sousa, M. C., & Pires, J. G. P. (2013). Etimologia Anatômica como Auxílio à Aprendizagem em Medicina. Etymology in Human Anatomy as a Tool for Medicine Learning. Mirabilia Medicinæ, (1). Disponível em: https://www.revistamirabilia.com/sites/default/files/medicinae/pdfs/med2013-02-05.pdf.

Tuxi, P. (2016). A atuação do intérprete educacional no ensino fundamental. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/190809/TUXI%20Patricia%202009%20%28disserta%c3%a7%c3%a3o%29%20UnB.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 05de março de 2020.

Zwick, L. B. A. (2010). Para (re) pensar a diferença: adaptações necessárias para a inclusão de alunos surdos. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/2265/Zwick_Lidiane_Barreto_Alves.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 02 de março de 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3478

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com