Distance Education in the digital age: typologies, variations, uses and possibilities of e-learning

Sinara Socorro Duarte Rocha, Cassandra Ribeiro Joye, Marília Maia Moreira

Abstract


Given the number of terms related to distance education, there is a need to explain these concepts. The purpose of this article is to explain the derivations of the Learnings models in Digital Distance Education (EaDD) as well as to distinguish the different functions that these models are outlining in the digital age. These derivations are known as: E-learning, B-learning, M-learning, U-learning and other variations including: MOOC, Microlearning, P-Learning, I-Learning and T-Learning. As a result, an overview of the derivations from the E-learning model and the growth and democratization of digital technologies and mobile devices was obtained. In conclusion, we reiterate the need to expand and deepen basic and applied research on learning models, derived from pedagogical models that adopt active methodologies and / or digital technologies in teaching practice, according to the specificities of the course, the pedagogical and technological resources available.


Keywords


Distance education; E-learning; B-learning; M-learning; U-learning.

References


Andrade, M. V. M. & Silveira, I. F. (2016). Panorama da aplicação de massive open online course (mooc) no ensino superior: desafios e possibilidades. Ead em Foco, v. 6, n. 3, dez. Recuperado de: https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/392

Caram, N. R (2012). T-learning: limites e possibilidades em televisão digital interativa. 2012. 100 f. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação.

Carvalho, M. L (2013). Aceitação e intenção de uso do mobile learning: modelagem e teste empírico com alunos do ensino superior.Rio de Janeiro. 129 p. Dissertação (Mestrado em Administração) –Pontífica Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Cook, D. (2007). Web-based learning: pros, cons and controversies. Clinical Medicine, vol. 7 n. 1 January/February 2007. Recuperado em 07 de janeiro de 2019 de: http://euract.woncaeurope.org/sites/euractdev/files/documents/resources/education-training-materials/web-basedlearning-prosconsandcontroversiesdavidacook-2007.pdf.

Gauthan, A.S (2018) Microlearning advantages and disadvantagnes. 2018. Recuperado em 10 de março de 2019 de: https://playxlpro.com/microlearning-advantages-disadvantages/.

Omer, A. H (2015). Is bite sized learning the future of e-learning? 21 setembro de 2015. Recuperado de: https://elearningindustry.com/bite-sized-learning-future-of-elearning.

Pontefract, D. (2017). Flat army: creating a connected and engaged organization. Canada: Elevate.

Driscoll, M (2002). Blended learning: let’s get beyond the hype. 2002. IBM Global Services. Recuperado em 10 de dezembro de 2018 de: http://www-07.ibm.com/services/pdf/blended_learning.pdf.

El Seoud, S.A.; Taj-Eddin, I.A.; Seddiek, N.; El-Khouly, M.M. & Nosseir, A (2014). E-learning and students' motivation: a research study on the effect of e-learning on higher education. IJETL International Journal of Emerging Technologies in Learning, 2014 v.9, p.20-26.

Filatro, A.& Cavalcanti, C. C (2018). Metodologias inovativas na educação presencial, a distância e corporativa. Saraiva.

GIL, A.C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, M. J (2008). Na senda da inovação tecnológica na Educação a Distância. Revista Portuguesa de Pedagogia, ano 42-2, p. 181-202.

Huang, Y. M.; Chiu, P. S.; Liu, T. C. & Chent, T. S. (2011) The design and implementation of a meaningful learning-based evaluation method for ubiquitous learning. Computers e Education, v. 57, n. 4, p. 2291-2302.

Jácome Junior, L. (2012). Uma extensão do moodle para recomendação ubíqua de objetos de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação, v.10 n.3. Recuperado de: acesso em 10.10.2019.

Lemos, A (2010). Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 5. ed. Porto Alegre: Sulina.

Martins, W. S. ; Allevato, N. S. G. ; Dias, K. M.; Schimiguel, J. & Pires, C. M. C. (2018). M-learning como modalidade de ensino: a utilização do aplicativo estatística fácil no ensino médio. Ensino de Matemática e Debate. v. 5, p. 1-17.

Moran, J. (2017). Educação híbrida: Um conceito-chave para a educação, hoje. Bacich, L.; Tanzi Neto, A.; Trevisan, F. de M. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso.

Moura, A. M. C. (2011). Apropriação do telemóvel como ferramenta de mediação em mobile learning : estudos de caso em contexto educativo. Tese de Doutorado em Tecnologia Educativa. Universidade do Minho. Lisboa: 2011.

Noia, R.; Dias, E.J.; Horta, T. S.; Schimiguel, J. & Araujo Jr., C. F. (2019). Kahoot: um recurso pedagógico para gamificar a aula de língua portuguesa. Research, Society and Development, v. 8, p. 4184545.

Paschoal, L (2016). Agente inteligente sensível ao contexto do usuário integrado em um ambiente virtual para aprendizagem ubíqua. Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências da Computação. Universidade Cruz Alta. Recuperado em 19.10.2019 de: https://www.researchgate.net/publication/321319242_Agente_Inteligente_Sensivel_ao_Contexto_do_Usuario_Integrado_em_um_Ambiente_Virtual_para_Aprendizagem_Ubiqua

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Recuperado em 02 de abril de 2020 de: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Richard, T. C (2016). Aplicação de gamificação e microlearning:um aprimoramento na plataforma de gestão de aprendizagem da imaginarium. Trabalho de conclusão de curso de Administração da Universidade Federal de Santa Catarina.

Santaella, L (2013) .Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp, v. 9, p. 19-28.

Saccol, A.; Schelemmer, E.; Barbosa, J. M-learning e u-learning: novas perspectivas de aprendizagem móvel e ubiqua. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

Silva, M. (2019). Educação a distância (EaD) e educação online (EOL) nas reuniões do GT 16 da ANPEd (2000-2010). Revista Teias, [S.l.], v. 13, n. 30, p. 24 pgs., dez. 2012. Recuperado em 28 de março de 2020 de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24273

Tori, R. (2009). Cursos híbridos ou blended learning. In: Litto, F. & Formiga, M. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Educacional do Brasil.

Veloso, B. & Silva, R.A. S. (2020) A concepção de um curso musical virtual sob o olhar de um designer instrucional. Research, Society and Development, v. 9, n.1, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1533.

UNESCO (2014). Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel. Recuperado em 24 de junho de 2019 de: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/diretrizes_de_politicas_da_unesco_para_a_aprendizagem_movel_pdf_only/#.V5EXJPnIa3g.

Schemller, E (2010). Formação de professores na modalidade online: experiências e reflexões sobre a criação de Espaços de Convivência Digitais Virtuais ECODIs. Em Aberto, v. 23, p. 99-122.

Valente, J. A (2009). Aprendizagem por computador sem ligação à rede. In: Litto, F.M. & Formiga, M. Educação a distância: o estado da Arte. São Paulo: Pearson Hall.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3390

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com