Public imunization sistem versus private immunization sistem: comparisons and attribution of nursing

Betina Pereira Horbe, Tanise Pereira Santini, Nathália Adames, Léris Salete Bonfanti Haeffner, Alexandre Antonio Naujorks, Dirce Stein Backes

Abstract


The objective was to compare the immunization process of the public system with that of the private system, as well as to detail the attributions of the nurse in both immunization processes. Methodology: Retrospective comparative research, carried out through the analysis of the vaccination scheme of the public system and the private system, highlighting the nursing team attributions in both systems. Results: The organization of the information collected allowed the formation of a comparative framework between the public and private immunization systems, as well as the design of two categories, which are: 1) Nurses' responsibilities in the public health system; 2) Nurses’ assignments in the private healthcare system. Conclusion: The public health system has a broader coverage and more systematic and active research than the private health system. The private immunization system offers higher-quality care, with immunobiological agents not available in the SUS. In relation to the nursing team assignments, the public immunization network enables the nurse to proactively act and interact with the local and regional community. Meanwhile, the attributions of the nursing team in the private system are restricted to the actions more punctual and limited to users who seek the service at that time.


Keywords


Immunization process; Public system; Private system.

References


Backes, DS, Backes, MS, Erdmann, AL & Buscher, A. (2012). O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, 17(1): 223-230. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2012.v17n1/223-230/pt

Backes, DS; Ilha, S & Colome, JS. (2019). Evidências empreendedoras na Enfermagem: Ensino, Pesquisa e Extensão. 1. ed. Santa Maria: Universidade Franciscana - UFN. 1: 368.

Backes, DS

Backes, DS, Souza, MHT, Marchiori, MTC, Colomé, JS, Backes, MTS & Filho, WDL. (2014). O Sistema Único de Saúde idealizado versus o realizado: contribuições da Enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, 22(6): 1026-1033. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010411692014000601026&lng=en&nrm=iso

Barata, RB, Ribeiro, MCSA, Moraes, JC & Flannery B. (2012). Socioeconomic inequalities and vaccination coverage: results of an immunisation coverage survey in 27 Brazilian capitals, 2007-2008. Journal Epidemiology Community Health, 66(10): 934-941. https://jech.bmj.com/content/66/10/934

Brasil. (1988). Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. https://conselho.saude.gov.br/web_sus20anos/20anossus/legislacao/constituicaofederal.pdf

Brasil. (2003). Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações. PNI 30 anos. Brasília, Fundação Nacional de Saúde.

Calendário de Vacinação Sbim Crianças. Sociedade Brasileira de Imunizações, São Paulo [s.d.]. https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-crianca.pdf

Domingues, CMAS & Teixeira, AMS. (2013). Coberturas vacinais e doenças imunopreveníveis no Brasil no período 1982-2012: avanços e desafios do Programa Nacional de Imunizações. Revista Epidemiologia e Serviços da Saúde, 22(1): 09-11. http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v22n1/v22n1a02.pdf

Domingues, CMAS, Woycicki, JR, Rezende, KS & Henriques, CMP. (2015). Programa Nacional de Imunização: a política de introdução de novas vacinas. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 6(4): 3250-3274. http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/22110

Figueiredo, GLA, Pina, JC, Tonete, VLP, Lima, RAG & Mello, DF. (2011). Experiências de famílias na imunização de crianças brasileiras menores de dois anos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(3): 01-08. http://www.redalyc.org/pdf/2814/281421956020.pdf

França, ISX, Simplício, DN, Alves, FP & Brito, VRS. (2009). Cobertura vacinal e mortalidade infantil em Campina Grande, PB, Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(2): 258-264. http://www.redalyc.org/pdf/2670/267019600014.pdf

Guimarães, TMR, Alves, JGB & Tavares, MMF. (2009) Impacto das ações de imunização pelo Programa Saúde da Família na mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda, Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(4): 868-876. https://www.scielosp.org/pdf/csp/2009.v25n4/868-876/pt

Hochman, G. (2011). Vacinação, varíola e uma cultura da imunização no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 16(2): 375-386. http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n2/v16n2a02

Malta, DC, Cecílio, LCO, Marhy, EE, Jorge, AO & Costa, MA. (2004). Perspectivas da regulação na saúde suplementar diante dos modelos assistenciais. Ciência & Saúde Coletiva, 9(2): 433-444. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2004.v9n2/433-444/pt

Medeiros, CRG, Junqueira, AGW, Schwingel, G, Carreno, I, Jungles, LAP & Saldanha, OMFL. (2010). A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1): 1521-1531. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2010.v15suppl1/1521-1531/pt

Olinto, MTA & Galvão, LW. (1999). Características reprodutivas de mulheres de 15 a 45 anos: estudos comparativos e planejamento de ações. Revista de Saúde Pública, 33(1): 64-72. https://www.scielosp.org/pdf/rsp/1999.v33n1/64-72/pt

Oliveira, MS, Siqueira, SMC, Camargo, CL, Quirino, MD & Souza, ZCSN. (2014). Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre a notificação de eventos adversos pós-vacinais. Ciência, Cuidado e Saúde, 13(2): 364-371. http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/21606/pdf_180

Santos, FP, Malta, DC & Merhy, EE. (2008). A regulação na saúde suplementar: uma análise dos principais resultados alcançados. Ciência & Saúde Coletiva, 13(5): 1463-1475. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2008.v13n5/1463-1475/pt

Santos, LB, Barreto, CCM, Silva, FLS & Silva, KCO. (2011). Percepção das mães quanto à importância da imunização infantil. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 12(3): 621-626. http://www.redalyc.org/pdf/3240/324027976024.pdf

Santos, ZMSA, Albuquerque, VLM & Sampaio, FHS. (2005). Vacinação – o que o usuário sabe? Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 18(1): 24-30. https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/viewFile/863/2081

Sato, APS. (2015). Programa Nacional de Imunização: Sistema Informatizado como opção a novos desafios. Revista de Saúde Pública, 49(39): 01-05. http://www.periodicos.usp.br/rsp/article/view/101899/100367

Silva, CP, Dias, MAS & Rodrigues, AB. (2009). Práxis educativa em saúde dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1): 1453-1462. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2009.v14suppl1/1453-1462/pt

Silva, LD, Toson, M, Ferreira, CLL, Marchirori, MRCT, Dal Ben, LW & Backes, DS. (2019). Caracterização das empresas de enfermagem registradas no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. In: Dirce Stein Backes, Silomar Ilha, Juliana Silveira Colomé. (Org.). Evidências Empreendedoras na Enfermagem: Ensino, Pesquisa e Extensão. 1ed. Santa Maria: Universidade Franciscana - UFN, 1(1): 178-187.

Silva, LJ. (1996). Vacinação, segurança de imunobiológicos e direitos do cidadão. Revista Saúde Pública, 30(4): 297-298. https://www.scielosp.org/pdf/rsp/1996.v30n4/297-298/pt

Sousa, CJ, Vigo, ZL & Palmeira, CS. (2012). Compreensão dos pais acerca da importância da vacinação infantil. Revista Enfermagem Contemporânea, 1(1): 44-58. https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/39/39

Silveira, ASA, Silva, BMF, Peres, EC & Meneghin, P. (2007). Controle de vacinação de crianças matriculadas em escolas municipais da cidade de São Paulo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 41(2): 299-305. http://www.redalyc.org/pdf/3610/361033290018.pdf

Stockwell, MS & Fiks, AG. (2013). Utilizing health information technology to improve vaccine communication and coverage. Human Vaccines & Immunotherapeutic., 9(8): 1802-1811. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3906285/

Temporão, JG. (2003). O Programa Nacional de Imunizações (PNI): origens e desenvolvimento. História, Ciências, Saúde Manguinhos, 10(2): 601-617. http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v10s2/a08v10s2.pdf

¬Temporão, JG. (2003). O mercado privado de vacinas no Brasil: a mercantilização no espaço da prevenção. Caderno de Saúde Pública, 19(5): 1323-1339. http://www.scielo.br/pdf/csp/v19n5/17805.pdf

Vieira, VCL, Fernandes, CA, Demitto, MO, Bercini, LO, Scochi, MJ & Marcon, SS. (2012). Puericultura na atenção primária à saúde: atuação do enfermeiro. Cogitare Enfermagem, 17(1): 119-125. http://www.redalyc.org/pdf/4836/483648962017.pdf

Waldman, EA. (2008). Mesa-redonda: Desigualdades sociais e cobertura vacinal: uso de inquéritos domiciliares. Revista Brasileira de Epidemiologia. 11(1): 129-132. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415790X2008000500013

Waldman, EA, Luhm, KR, Monteiro, SAMG & Freitas, FRM. (2011). Vigilância de eventos adversos pós-vacinação e segurança de programas de imunização. Revista de Saúde Pública, 45(1): 173-84. https://www.scielosp.org/pdf/rsp/2011.v45n1/173-184/pt

World Health Organization (WHO). (2009).Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)/World Bank. State of the world’s vaccines and immunization. 3rd ed. Geneva: WHO.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3355

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com