A brief historic course of the brazilian education and the contemporary educational thinking: implications for the chemistry teaching

Matheus Lopes Ferreira, Adílio Jorge Marques

Abstract


Understanding education as something dynamic and constantly changing implies the need to consider the historic path that it went through in order to arrive at the current state.  Regarding the Chemistry teaching, it is possible to consider that all deployments also involve it, changing the perspectives of the discipline. Thereby, the current outlook of the discipline is the result of previous deployments, also impacting future projections. The research presented here is justified by analyzing the Brazilian educational profile, in order to lead to the understanding of what is currently perceived in the teaching of Chemistry. Therefore, this research aims to briefly analyze the historical path of the Brazilian historical thinking, as well as the contemporary, in order to identify the implications in Chemistry. Initially, we will analyze the historical outlook of the Brazilian education and, later, we will analyze the current teaching and the prospects for the discipline. In order to achieve the proposed objective, the adopted methodology was bibliographic research, by the perception of authors upon books, scientific articles and other published materials that may enrich the study. As a result, the contemporary teaching was perceived as fundamental in the construction of the critic citizen, and Chemistry as an extremely important discipline for the deployment of everyday life, which must be filled with appropriate didactic resources, so that it is increasingly more adequate to the transformations of the society.


Keywords


Brazilian educational thought; History of the education; Chemistry teaching.

References


Azevedo, F. et. al. (2010). Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959). Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Barão, G.C. (2001). Ensino de química em ambientes virtuais. Química nova. 3(jul). Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1702-8.pdf Acesso em 15 mar. 2020.

Brasil. (1961). Lei 4024/1961, trata das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ Acesso em 22 fev. 2020.

_____. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNS). Introdução. Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Chassot, A.I. (1996). Uma história da educação química brasileira: sobre seu início discutível apenas a partir dos conquistadores. Epistéme, Porto Alegre, 1(2): 129-146.

Cordeiro, D & Costa, E.A. (2006). Jovens pobres e a educação profissional no contexto histórico brasileiro. Revista Trabalho Necessário, 4(4).

Cunha, M.V. (1996). Dewey e Piaget no Brasil dos anos trinta. Caderno de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, São Paulo, 97(1): 5-12.

Duarte, J; Barros, A. (2006). Métodos e técnicas de pesquisa. 2. Ed – São Paulo: Atlas.

Duarte, N. (2001). Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados.

Ferreira, M. L; Marques, A. J. (2019). A importância do incentivo à pesquisa para o ensino de química. Revista Educação Pública, 19(7): 1-6.

Freire, P. (1967). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Gadotti, M. (1999). História das ideias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática.

Gatti, B. A. (2014). A formação inicial de professores para educação básica: as licenciaturas. Revista Usp. São Paulo, 100: 33-46.

Gonçalves, N. G. (2012). Fundamentos históricos e filosóficos da educação brasileira [livro eletrônico]. Curitiba: InterSaberes.

Inep. (1944). “Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova”. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de estudos pedagógicos. Rio de Janeiro, 1(1), (jul).

Kelmer Mathias, C. L. (2011). O ensino de História no Brasil: contextualização e abordagem historiográfica. História Unisinos, 15(1): 40-49.

Maar, J. H. (2008). História da Química. Rio de Janeiro: Conceito Editorial.

Macedo, E; Lopes, A. C. (2002). A estabilidade do currículo disciplinar: o caso das ciências. In: Lopes, A. C; Macedo, E. (Org.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A.

Marques. A. J; Filgueiras, C. A. L. (2010). A química atmosférica no Brasil de 1790 a 1853. Revista Química Nova, 33(7): 1612-1619.

Nascimento, A. K. M; Piuzana, T. de M; Silva, N. S. da. (2016). O ensino de química contribuindo para um futuro sustentável. XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (XVIII ENEQ), Florianópolis, SC, Brasil – 25 a 28 de julho de 2016. Disponível em: http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R0991-1.pdf Acesso em: 15 fev. 2020.

Nóvoa, A. (2009). Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Revista Educación, 350.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 30 março 2020.

Ribeiro, A. R; Ribeiro, B. A; Leão Júnior, C. M. (2012). Capacitação continuada: o jogo como recurso pedagógico importante no processo ensino aprendizagem. In: Congresso Internacional de Educação no Brasil. Porto Seguro: Anais do CIDEB.

Santos, J. D. A. dos; Melo, A. K. D; Lucimi, M. (2012). Uma breve reflexão retrospectiva da educação Brasileira (1960‐2000): Implicações Contemporâneas. IX Seminário Nacional de estudos e pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario9/PDFs/7.23.pdf Acesso em: 30 março 2020

Santos, Sílvia dos et. al. (2013). História da educação. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Saviani, D. (2011). História das ideias pedagógicas no Brasil. 3.ed. Campinas, SP: Autores Associados.

Schnetzler, R. P. (2004). A pesquisa no ensino de química e a importância da química nova na escola. Revista Química Nova, 20.

Soares, M.H.F.B. (2004). O lúdico em química: jogos e atividades aplicadas ao ensino de química. São Carlos. 203 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/6215?show=full. Acesso em 20 fev. 2020.

Thomas, J. R.; Nelson, J. K.; Silverman, S. J. (2007). Métodos de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3333

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com