Epidemiology of smoking in the Medical course in Lages - Santa Catarina

Guilherme Felipe Staudt, Louísse Tainá Tormem, Patricia Alves de Souza, Marli Adelina de Souza

Abstract


Objective: the objective was to trace the epidemiological profile of medical students at the Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) in Lages / SC. Method: study of data obtained through a questionnaire applied to 94 students from August 2013 to December 2013. Results: the average age of the participants was 23.06 years, with a minimum of 19 years and a maximum of 39 years. 19.1% were smokers, of these 8.5% were daily smokers and 10.6% were occasional smokers. The average age of smoking initiation was 17.88 years. 22.3% started smoking at 18 years of age. The highest incentive to start using cigarettes was the influence of friends in 61.1%. 72.2% of academic smokers smoked up to 10 cigarettes a day, and 61.1% said they were interested in quitting. 38.9% described pleasure and 33.3% described reducing anxiety as a sensation of smoking exposure. Conclusion: the high prevalence of smokers among medical students shows the need to reinforce prevention and smoking cessation programs aimed at this population.


Keywords


Dependency; Epidemiology; Medicine student; Smoking.

References


Andrade, A. P. A. et al. (2006). Prevalência e características do tabagismo em jovens da Universidade de Brasília. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília,v. 32 (1): 23-28, Feb.

Botelho, C.; Silva, A.M.P & Melo, C.D. (2011). Tabagismo em universitários de ciências da saúde: prevalência e conhecimento. Jornal Brasileiro de Pneumogia, Brasília,v. 37(3): 360-366, June.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Fundação Oswando Cruz – Fiocruz. Pesquisa Nacional de Saúde: Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro, Ministério da Saúde, 180p.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Política Nacional de Controle do Tabaco Relatório de Gestão e Progresso 2011-2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_controle_tabaco_relatorio_gestao.pdf. Acesso em 31 março 2020.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 160p.: il.

Brasil. (2007). Ministério da Saúde. Tabagismo: Dados e números. Disponível em: http://www.inca.gov.br/releases/press_release_view_arq.asp?ID=1493. Acesso em 31 março 2020.

Costa, A.D. (2006). Tabagismo em médicos e enfermeiros da cidade do Porto: Motivação para deixar de fumar e grau de dependência tabágica. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, Lisboa, 22(1): 27-38, Jan. ISSN 2182-5173.

Elicker, E. et al. (2015). Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares de Porto Velho-RO, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online], Brasília. 2015, 24(3): 399-410. Disponível em: . Acesso em 31 março 2020.

Ferreira, M.M.S.R.S.; Torgal, M.C.L.F.P.R. (2010). Consumo de tabaco e de álcool na adolescência. Revista Latino-americana de Enfernagem, Ribeirão Preto, 18(2): 122-129, Mar.

Junior, C.T.S et al. (2006). Prevalência de tabagismo entre estudantes de graduação em medicina da Universidade Federal Fluminense. Revista Pulmão RJ, Rio de Janeiro, 15(1): 11-15, Mar.

Luppi, C.H.B. et al. (2008). Perfil tabágico segundo teste de dependência em nicotina. Revista Ciência em Extensão, [S.l.], 4(1): 94, Dez. 2008. ISSN 16794605. Disponível em: . Acesso em: 31 março 2020.

Machado, C.S.; Moura, T.M.; Almeida, R.J. (2015). Estudantes de Medicina e as Drogas: Evidências de um Grave Problema. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, 39(1): 159-167, Mar.

Menezes, A.M.B. et al. (2004). Tabagismo em estudantes de Medicina: tendências temporais e fatores associados. J. bras. pneumol., São Paulo, 30(3):223-228, June.

Moreno, R.S.; Ventura, R.N.; Brêtas, J.R.S. (2010). O uso de álcool e tabaco por adolescentes do município de Embu, São Paulo, Brasil. Rev. esc. enferm. USP [online], 44(4): 969-977. ISSN 0080-6234. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000400016. Acesso em: 31 março 2020.

Oliveira, S.M.C.; Leite, W.S. (2015). Tabagismo e sua relação com a educação médica. Revista Debates em Psiquiatria, Rio de Janeiro, p.6-15, Set/Out.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 30 março 2020.

Pereira, D.K.V. et al. (2012). Prevalência de tabagismo e grau de dependência de nicotina entre estudantes do curso de biologia da UEPG, 2012. Publicações Biológicas. Disponível em: http://www.uepg.br/proex/anais/trabalhos/292.pdf. Acesso em 31 março 2020.

Pereira, D.L.; Moraes, M.; Laat, E.F.; Pilatti, L.A. (2011). Qualidade de vida, consumo de álcool e tabaco: um comparativo entre os acadêmicos do curso de educação física e engenharias, da UNICENTRO, campus de Irati – PR. Revista Científica JOPEF, Paraná, 12(1): 27-40.

Pinto, M.; Bardach, A.; Palacios, A.; Biz, N.A.; Alcaraz, A.; Rodríguez, B.; Augustovski, F.; Pichon-Riviere, A. (2017). Carga de doença atribuível ao uso do tabaco no Brasil e potencial impacto do aumento de preços por meio de impostos. Documento técnico IECS N° 21. Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria, Buenos Aires, Argentina. Maio. Disponível em: . Acesso em 31 março 2020.

Riquinho, D.L.; Hennington, É.A. (2016). Sistema integrado de produção do tabaco: saúde, trabalho e condições de vida de trabalhadores rurais no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, [s.l.], 32(12):1-10, Mar.

Silva, S.T. et al. (2014). Combate ao Tabagismo no Brasil: a importância estratégica das ações governamentais. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2014, 19(2): 539-552. Disponível em: . Acesso em: 31 março 2020.

Stramari, L.M.; Kurtz, M.; Silva, L.C.C. (2009). Prevalência e fatores associados ao tabagismo em estudantes de medicina de uma universidade em Passo Fundo (RS). Jornal Brasileiro de Pneumologia, 35(5): 442-448.

Torres, B. (2005). Pneumologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.

Viegas, C.A.A. (2007). Tabagismo: do diagnóstico à saúde pública. São Paulo: Editora Atheneu.

WHO. Leave the pack behind. (1999). Geneva: WHO. p. 33-9. Disponível em: http:// www.forces-nl.org/WHO/ADVISORY98.PDF. Acesso em: 31 março 2020.

Zettler, E. W. et al. (2005). Prevalência do tabagismo entre estudantes de Medicina e fatores de risco associados. Revista AMRIGS, Porto Alegre, 49(1): 16-19, jan.- mar.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3283

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com