Pharmacoeconomic analysis of antimicrobials at the intensive care unit in a tertiary hospital

Patrícia Nunes dos Santos, Gedaias de Andrade Silva, Thaís da Silva Coêlho, Raniele Araújo de Oliveira, Manoel Pinheiro Lúcio Neto

Abstract


Antimicrobials are used to inhibit or fight the growth of certain microorganisms and, therefore, they are widely used in the intensive care unit. Pharmacoeconomics is used to improve the use of financial resources, taking the cost-effectiveness of treatment into account. The objective of this work was to analyze the consumption of antimicrobials, identifying the most expensive and most used, in addition to verifying the therapeutic class of greatest consumption. This is a retrospective study with a quantitative approach, carried out from January 2019 to May 2019 in a tertiary hospital. The data were obtained from the forms of use of restricted medications and the database of the hospital. These were recorded in a Microsoft Office Excel 2016® spreadsheet and the expense with antimicrobials was calculated by multiplying the number of units dispensed by the unit price in reais. The analysis of descriptive statistics occurred through the calculation of frequency and percentage. In the period analyzed, 10,286 units of antimicrobials were consumed, corresponding to a total cost of R$ 269,265.94 reais. The most expensive drugs were, respectively, piperacillin + tazobactam, meropenem and linezolid; the most consumed were meropenem, piperacillin + tazobactam and vancomycin, respectively. The classes with the highest consumption were, respectively, carbapenems, penicillin and glycopeptides. From the results, it was verified that the consumption of antimicrobials in the intensive care unit generates a high financial impact on the hospital, in addition to the fact that the most consumed antimicrobials that generated the highest costs were those of broad-spectrum.


Keywords


Antimicrobials; Pharmacoeconomics; Intensive Care Unit.

References


Almeida, D.S., Silva, J. D. & Souza, A. D. (2015). Análise da Gestão de Estoque de uma microempresa de autopeças de Campo Mourão-PR: uso da classificação ABC dos materiais. Revista Foco, 8 (1).

Areda, C.A., Bonizio, R.C. & Freitas, O.D. (2011). Farmacoeconomia: uma ferramenta indispensável para a racionalização dos custos em saúde. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas , 47 (2), 231-240.

Bassoli, H. M., Pierre, F. C., & de Oliveira, P. A. (2015, September). Aplicação da curva ABC como ferramenta para a gestão de estoques de uma indústria madeireira de botucatu/SP. In IV JORNACITEC.

Barros, L. L. D. S., Maia, C. D. S. F., & Monteiro, M. C. (2016). Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. Cadernos Saúde Coletiva.

Cabral, L. G., de Meneses, J. P., de Carvalho Pinto, P. F., & Furtado, G. H. C. (2018). Racionalização de antimicrobianos em ambiente hospitalar. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, 16(1), 59-63.

Carneiro, M., Ferraz, T., Bueno, M.,Koch ,B.E., Foresti, C., Lena, V.F., Machado, J.A., Rauber, J.M.,Krummenaauer, E.C. & Lazaroto, D.M.(2011). O uso de antimicrobianos em um hospital de ensino: uma breve avaliação. Rev Ass Med Bras, 57(4),421-424.

Collazo, H.M., & Sosa, L.I .(2011). La farmacoeconomía:¿ debe ser de interés para evaluar la eficiencia en la toma de desiciones?. Revista Colombiana de Ciencias Químico Farmacéuticas.

Costa, I. C.; Hinrichsen, S. M. L.; Alves, J. L,; Juca, M. B.; Silva, B. A.; & Albuquerqe, S. M. C. Prevalência e custos de processos infecciosos em Unidade de Terapia Intensiva.(2003) Rev. de Administração em Saúde, (5) 20.

Dias, M., Monteiro, M.S., & Menezes, M.F. Antibióticos e resistência bacteriana, velhas questões, novos desafios. (2010) Clínica farmacológica, cadernos de otorrinolaringologia.

Dias, M. B. S., Corradi, M. F. D., & Mattar Junior, J. (2015). Protocolo de antibioticoprofilaxia no paciente cirúrgico. CCIH-Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Sírio-Libanês.

Favarin, S.S; & Camponogara, S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário. (2012).Revista de Enfermagem da UFSM, 2 ( 2) ,320-329.

Fernandes, I. D. Q., De Sousa, H. F., De Brito, M. A. M., Tavares, S. N., De Matos, V.C., & De Souza, M.D.O.B. (2012). Impacto farmacoeconômico da racionalização do uso de antimicrobianos em unidades de terapia intensiva. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, 3(4).

Guilhon-Simplicio, F., RALPH, A. C. L., CARVALHO, A. L. D. C., DE VASCONCELLOS, M. C., & CHAGAS, S. D. O. (2014). Aspectos farmacoeconômicos e implicações clínicas do uso de antimicrobianos em uma unidade de saúde pediátrica. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, 5(2).

Kadosaki, L.L., Sousa, S.F., & Borges, J.C. M (2012). Análise do uso e da resistência bacteriana aos antimicrobianos em nível hospitalar. Rev Bras Farm,93(2),128-135.

Katayose, P. S. & Ribeiro, E. (2008). Aquisição de medicamentos e materiais. In Farmácia clínica e atenção farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Martins, P. Epidemiologia das Infecções Hospitalares Em Centro de Terapia Intensiva de Adulto. 96 f. (Mestrado), Universidade Federal De Minas Gerais, Faculdade de Medicina, Minas Gerais, 2006.

Manual Farmacêutico-Hospital Albert Einstein- (2016). Disponivel em: https://aplicacoes.einstein.br/manualfarmaceutico/Paginas/Termos.aspx?filtro=Profilaxia+Antimicrobiana&itemID=136

Nogueira, P. S. F.; Moura, E. R. F.; Costa, M. M. F.; Monteiro, W. M. S.; & Brondi, L. Perfil da infecção hospitalar em um Hospital Universitário.(2009). Rev. Enferm. UERJ( Rio de Janeiro), 17 (1) ,96-101.

Oliveira, A. C. D., Kovner, C. T., & Silva, R. S. D. (2010). Infecção hospitalar em unidade de tratamento intensivo de um hospital universitário brasileiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(2), 233-239.

Packeiser, P. B. (2014). Farmacoeconomia: uma ferramenta para a gestão dos gastos com medicamentos em hospitais públicos.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em:https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 27 março 2020.

Pontes, A. E. L. (2014). Gestão de estoques: utilização das ferramentas curva ABC e classificação XYZ em uma farmácia hospitalar.

Rodrigues, P. R. A.(2010).Gestão estratégica de Armazenagem. São Paulo: Aduaneiras.

Santos, E. F. D., & Lauria-Pires, L. (2010). Padrões de utilização de antibacterianos em unidades de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 22(2), 144-152.

Sforsin, A. C. P., Souza, F. D., Sousa, M. D., Torreao, N. K. A. M., Galembeck, P. F., & Ferreira, R. (2012). Gestão de compras em farmácia hospitalar. Pharmacia Brasileira, 16(85), 1-30.

Silva, C.D.R., & Junior, M.S. (2015). Estratégias para uso adequado de antibioticoterapia em unidade de terapia intensiva. Einstein (São Paulo),13(3), 448-453.

Silva, M. A. P. D. (2011). Aplicação do método Curva ABC de Pareto e sua contribuição para gestão das farmácias hospitalares.

Vago, F. R. M., Veloso, C., do Couto, J. M., Lara, J. E., Fagundes, A. F. A., & de Oliveira Sampaio, D. (2013). A importância do gerenciamento de estoque por meio da ferramenta curva ABC. Revista Sociais e Humanas, 26(3), 638-655.

Vega, E. M., Fontana, D., Iturrieta, M., Segovia, L., Rodríguez, G., & Agüero, S. (2015). Consumo de antimicrobianos en la Unidad de Terapia Intensiva del Hospital Dr. Guillermo Rawson-San Juan, Argentina. Revista chilena de infectología, 32(3), 259-265.

Zuliani, L. L. & Jericó, M. C. (2012). Estudo comparativo do consumo e gasto com medicamentos em Unidades Pediátricas de Terapia Intensiva e Semi-intensiva. Revista Paulista de Pediatria, 30(1), 107-15.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3179

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com