Body approach with tuberculosis: the client's imagination in the care of occupational therapy

Omar Luis Rocha da Silva, Claudia Donelate, Sílvia Teresa Carvalho de Araújo, Nébia Maria Almeida de Figueiredo, Angela Maria Bittencourt Fernandes da Silva

Abstract


Objective: analyze how pulmonary tuberculosis patients figure the taking care of their bodies after the diagnosis of the disease. Method: the method used in this investigation was socio-poetic-qualitative. The context chosen was the tuberculosis clinic of a university hospital located in the city of Rio de Janeiro, where they are treated. The strategy for data production involves collective meetings with patients, and decisions were made and approved in the research group's workshops, where collective discussions and the imaginary about body and care. Results: 35 images and 71 spaces were produced. This body changed expression and space, making a counterpoint with the healthy body. It stands out as main areas of order Surrealist socio-poetic study: Well – Labyrinth – Tunnel – Hospital. Conclusion: the tuberculosis patients suffered several assemblages and indicate themes for the care of occupational therapy brings strange combinations in the group's thoughts, causing multiplication of views about the meaning of the sick body.


Keywords


Pulmonary tuberculosis; Occupational therapy; Qualitative research.

References


Bardin L. (2011). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bertolli Filho, C. (2001). A história social da tuberculose e do tuberculoso; 1900-1950, Rio de Janeiro, Fiocruz.

Bertolli Filho, C. (1998). História da Saúde Pública no Brasil. Rio de Janeiro, Ática.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília.

Chevalier J & Gheerbrant A. (2009) Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro, José Olympio.

Combinato, D.S.; Queiroz, M.S.(2006). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia, 11 (02), 209-216.

Deleuze G & Guattari F. (1995). Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34.

Foucault, M. (1979). O Nascimento do Hospital. In: Foucault, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Graal.

Galvão, J. (2003). O segmento de Saúde para o desenvolvimento regional no município de Blumenau – SC: a participação do Hospital Santa Isabel. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional). Blumenau: Universidade Regional de Blumenau.

Gauthier, J. (2005) Trilhando a vertente da montanha sociopoética. In: Santos, I. e cols. Prática de pesquisa em ciências humanas e sociais. Rio de Janeiro: Atheneu.

Gonçalves H. (2002). Peste Branca: um estudo antropológico sobre a tuberculose. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Goncalves, H. (2000). A tuberculose ao longo dos tempos. Hist. cienc. Saúde – Manguinhos 7(2).

Jung, C. (2020). O Caminho da Individuação - Uma Introdução Concisa. São Paulo, Cultrix.

Jung, C. (2016). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro, Harper Collins.

Kastrup V. (2007). O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia e Sociedade.19(1).

Kritski, AL, Conde, M C & Souza, G M. (2005). Tuberculose: do ambulatório a enfermaria. São Paulo: Atheneu.

Kübler-Ross E. (2003). O túnel e a luz: reflexões essenciais sobre a vida e a morte. Campinas, Versus.

Leopardi et al. (1999) Reestruturação produtiva e o setor saúde: trabalhadores de enfermagem em saúde coletiva. Tese (Doutorado) Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lino, K.M.S., Gonçalves, M.F. & Feitosa, S.L. (2008). Administração hospitalar por competência: o administrador como gestor hospitalar. Acesso em: 13 mar. 2020, em http://www.administradores.com.br.

Minayo MCS. (2012). Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência e Saúde Coletiva. 17(3).

Nascimento, DR (1991). Tuberculose de questão pública a questão de Estado: a Liga Brasileira Contra a Tuberculose. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Oliveira, E. C. N (1998). O psicólogo na UTI: reflexões sobre a saúde, vida e morte nossa de cada dia. Psicol. cienc. prof., 22 (2), 30-41.

Oliveira, V.C. (2002). Convergências e divergências teóricas no modelo praxeológico de comunicação. Revista Temas – Ensaios de Comunicação. 1(1),118-123.

Organização Mundial de Saúde. (1957). Conceitua e contextualiza hospital. Genebra: World Health Organization.

Passos E, Kastrup V & Escóssia L. (2009). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre, Sulina; 2009.

Ross, E. (2005). Sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes.

Ruthes, R.M. & Cunha, I.C.K.O. (2007). Os desafios da administração hospitalar na atualidade. Ras, 9 (36), 93-102.

Santana, F. (2009). Perspectivas Histórico-Culturais da Morte, in: Santos, F.S.; Incontri, D (orgs). A Arte de Morrer – Visões Plurais. Bragança Paulista, Comenius, 2009.

Santos, I., Gauthier, J., Figueiredo, N.M.A. & Petit, S. (2005). Prática de Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais – Abordagem Sociopoética. Rio de Janeiro: Atheneu.

Santos, I, Santana, R.F. & Caldas, C. P. (2003). Conversando com Idosos- O cuidar/ pesquisar dialógico e sociopoético. Revista Enfermagem UERJ. 11 (3), 308-16.

Sontag, S. (2007). A doença como metáfora/AIDS e suas metáforas. São Paulo, Companhia das letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3176

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com