Self-Assessment as a Diagnostic Assessment Tool for Teaching Mathematics in PROEJA Classes

Claudio Mendes Dias

Abstract


This work is the result of a Master's research in Mathematical Education conducted with forty students from PROEJA, distributed in three campuses of a Federal School in the city of Rio de Janeiro. The research was conducted with students who were newcomers to the institution and aimed to develop and apply a self-assessment model that would guide teachers in the planning of classes and pedagogical and curricular activities to be worked on during subsequent semesters. In addition to providing students with the opportunity to reflect on their schooling, the importance of cooperative work and attitudinal and conceptual issues in mathematics classes. The article presents in its scope details on the methodological paths, based on action research, and on the questions used. The results showed that, for this group, the instrument can be used to guide the teaching work, besides being important for a reflection of the subjects facing the attitudes and mathematical concepts.


Keywords


Self Assessment; PROEJA; Mathematics Teaching.

References


Bloom, B.; Hastings, T. E Madaus, G. (1983). Manual De Avaliação Formativa E Somativa Do Aprendizado Escolar. São Paulo: Pioneira.

Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução Aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: Mec/Sef.

Demo, P. (2001). A Nova Ldb: Ranços E Avanços. Campinas: Papirus.

Francisco, J.G.G.; Moraes, D. A. F. (2013). A Autoavaliação Como Ferramenta De Avaliação Formativa No Processo De Ensino E Aprendizagem. In: Congresso Nacional De Educação, 11., 2013, Curitiba, Anais [...] Curitiba: Universitária Champagnat, P. 14968-14983.

Haydt, R. C. C. (2008). Avaliação Do Processo Ensino-Aprendizagem. 6. Ed. São Paulo: Ática.

Luckesi, C. C. (2000). O Que É Mesmo O Ato De Avaliar A Aprendizagem? Pátio, Porto Alegre, Ano 3, N. 12,P. 6-11, Fer./Abr.

Mamona. S. S. C. (2017). Formação Inicial De Professores: Reflexões Sobre O Ensino E Os Conteúdos Matemáticos Na Educação De Jovens E Adultos. Boletim Gepem, Rio De Janeiro, N. 71, P. 68-78, Jul./Dez.

Regnier, J-C. (2002). A Auto-Avaliação Na Prática Pedagógica. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, V.3, N.6, P.53-68.

Santos, C. R. Et Al (Org.). (2005). Avaliação Educacional: Um Olhar Reflexivo Sobre Sua Prática. São Paulo: Avercamp.

Silva, K. A.; Bartholomeu, M. A. N.; Claus, M. M. K. (2007). Auto-Avaliação: Uma Alternativa Contemporânea Do Processo Avaliativo. Rev. Brasileira De Lingüística Aplicada, Belo Horizonte, V.7, N.1, P.89-115.

Soares, S; Sátyro, N. (2019) O Impacto Da Infraestrutura Escolar Na Taxa De Distorção Idade-Série Das Escolas Brasileiras De Ensino. Disponível Em: Http://37reuniao.Anped.Org.Br/Wp-Content/Uploads/2015/02/Trabalho-Gt13-3571.Pdf. Acesso Em: 14 Mai.

Thiollent, M.(1985). Metodologia Da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez.

Villas Boas, B. M. F. (2014). Avaliação Para Aprendizagem Na Formação De Professores. Cadernos De Educação, Brasília, N. 26, P. 57-77, Jan./Jun.

Zabala, A. (1998). A Prática Educativa: Como Ensinar. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.3055

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com