The Pirst Contact Access attribute in Primary Health Care in the interior of Rio Grande do Sul: a multilevel study

Kauana Flores da Silva, Teresinha Heck Weiller, Jessye Melgarejo do Amaral Giordani, Vanessa Rodrigues Pucci

Abstract


The study aims to analyze the prevalence and factors associated with the presence of the First Contact Access attribute in Primary Health Care services in the municipalities belonging to the 4th Regional Health Coordination. This is a multilevel observational cross-sectional study on two levels: individual (health professionals) and contextual (municipalities), carried out with health professionals at a higher level, in the Primary Health Care services of the municipalities belonging to the 4th Regional Health Coordination Individual data were collected using a socio-economic questionnaire and the Primary Care Assessment Tool-Brasil version professionals. Contextual data on official websites of the Brazilian Federal Government. There were no individual variables with statistical significance in the presence of the First Contact Access attribute. Among the contextual ones, only the population size was shown to be statistically significant for the presence of the attribute, with municipalities with up to five thousand inhabitants having the highest prevalence of this attribute in Primary Health Care. The results found show that the factor associated with the presence of First Contact Access in Primary Health Care that showed statistical significance for its prevalence was the small population size of the cities surveyed. This shows that municipalities with a smaller population have better access to this level of care. This study contributes to the knowledge about the theme, since it makes it possible to identify the context that most influences the prevalence of First Contact Access, contributing to direct the aspect to be explored in new studies. In order to recognize that there are still barriers of access to be overcome in order to guarantee the effectiveness of Primary Health Care.


Keywords


Primary Health Care; Access to Health Services; Quality, Access and Evaluation of Health Care; Multilevel Analysis; Nursing.

References


Alfradique, M. E., Bonolo, P. F., Dourado, I., Costa, M. F. L., Macinko, J., Mendonça, C. S. ... Turci, M. A. (2009). Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP – Brasil). Cadernos de Saúde Pública, 25(6), 1337-1349. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csp/v25n6/16.pdf

Barbosa, S. P. (2013). Acesso na Atenção Primária à Saúde em municípios de uma Região de Saúde de Minas Gerais (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2013.

Barbosa, S. P., Elizeu, T. S., Penna, C. M. M. (2013). Ótica dos profissionais de saúde sobre o acesso à atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(8), 2347-2357. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n8/19.pdf

Barros, A. J. D., Hirakata, V. N. (2003). Alternatives for logistic regression in cross-sectional studies: an empirical comparison of models that directly estimate the

prevalence ratio. BMC Medical Research Methodology, 3, 21. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC521200/pdf/1471-2288-3-21.pdf

Bastos, L. S., Oliveira, R. V. C., Velasque, L. S. (2015). Obtaining adjusted prevalence ratios from logistic regression models in cross-sectional studies. Cadernos de Saúde Pública, 31(3), 487-495. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csp/v31n3/0102-311X-csp-31-03-00487.pdf

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2011). Atenção Primária e Promoção da Saúde. Brasília: CONASS,197 p. (Coleção Para Entender a Gestão do SUS 2011, 3). Recuperado de http://www.conass.org.br/bibliotecav3/pdfs/colecao2011/livro_3.pdf

_______. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. (2010). Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_301210.pdf

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2010a). Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool pcatool – Brasil, 80 p.: il. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_instrumento_avaliacao.pdf

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2012). Política Nacional de Atenção Básica, 110 p.: il. (Série E. Legislação em Saúde). Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

_______. Região e Redes. Caminho da universalização da Saúde no Brasil. (2016). Banco de Indicadores. Recuperado de http://indicadores.resbr.net.br/view/

Calvo, M. C. M., Lacerda, J. T., Colussi, C. F., Schneider, I. J. C., Rocha, T. A. H. (2016). Estratificação de municípios brasileiros para avaliação de desempenho em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25(4), 767-776. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n4/2237-9622-ress-25-04-00767.pdf

Castro, R. C. L. Knauth, D. R., Harzheim, E., Hauser, L., Duncan, B. B. (2012). Avaliação da qualidade da atenção primária pelos profissionais de saúde: comparação entre diferentes tipos de serviços. Cadernos de Saúde Pública, 28(9), 1772-1784. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000900015

Costa, S. M., Prado, M. C. M., Andrade, T. N., Araújo, E. P. P., Junior, W. S. S., Filho, Z. C. G. ... Rodrigues, C. A. Q. (2013). Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 8(27), 90-96. Recuperado de https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)530

Donabedian, A. (1978). The Quality of Medical Care. Science, 200(4344).

Faria, F. P., Jannuzzi, P. M., Silva, S. J. (2008). Eficiência dos gastos municipais em saúde e educação: uma investigação através da análise envoltória no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, 42(1), 155-177. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-76122008000100008

Fontana, K. C., Lacerda, J. T., Machado, P. M. O. O processo de trabalho na Atenção Básica à saúde: avaliação da gestão. (2016). Saúde Debate, 40(110), 64-80. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0103-1104201611005

Fuchs, S. C., Victora, C. G., Fachel, J. (1996). Modelo hierarquizado: uma proposta de modelagem aplicada à investigação de fatores de risco para diarreia grave. Revista de Saúde Pública, 30(2), 168-178. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-89101996000200009

Harzheim, E., Starfield, B., Rajmil, L., Dardet, C. A., Stein, A. T. (2006). Consistência interna e confiabilidade da versão em português do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária (PCATool-Brasil) para serviços de saúde infantil. Cadernos de Saúde Pública, 22(8), 1649-1659. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000800013

Harzheim, E., Pinto, L. P., Hauser, L., Soranz, D. (2016). Avaliação dos usuários crianças e adultos quanto ao grau de orientação para Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1399-1408. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.26672015

Hauser, L., Castro, R. C. L., Vigo, A., Trindade, T. G., Gonçalves, M. R., Stein, A. T. ... Harzheim, E. (2013). Tradução, adaptação, validade e medidas de fidedignidade do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde (PCATool) no Brasil: versão profissionais de saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 8(29), 244-55. Recuperado de https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)821

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades e Estados. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home

Índice de Desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (IDSUS). (2011). Tabela com os municípios. Recuperado de http://idsus.saude.gov.br/

Kessler, M. (2016). Avaliação da longitudinalidade na Atenção Primária à Saúde da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Lacerda, J. T., Calvo, M. C. M., Berretta, I. Q., Ortiga, A. M. B. (2012). Avaliação da gestão para o planejamento em saúde em municípios catarinenses. Ciência & Saúde Coletiva, 17(4), 851-859. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000400008

Marin, M. J. S., Moracvick, M. Y. A. D., Marchioli, M. (2014). Acesso aos serviços de saúde: comparação da visão de profissionais e usuários da atenção básica. Revista de enfermagem UERJ, 22(5), 629-636. Recuperado de http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2014.4238

Martins, J. S., Abreu, S. C. C., Quevedo, M. P., Bourget, M. M. M. (2016). Estudo comparativo entre Unidades de Saúde com e sem Estratégia Saúde da Família por meio do PCATool. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 11(38), 1-13. Recuperado de https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1252

Martins, M. C., Fonseca, F. F., Miranda, L. P., Mendes, P. H. C. (2016). Avaliação da Atenção Primária à Saúde na perspectiva dos usuários diante da mudança do modelo assistencial. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 14(2), 1164-1174.

Mendes, E. V. (2011). As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 549 p.: il. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_de_atencao_saude.pdf

Mendes, E. V. (2016). O Acesso à Atenção Primária à Saúde. Trabalho realizado para o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS).

Mendes, M. (2006). Ineficiência do gasto público no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Boletim de Desenvolvimento Fiscal, Brasil, (3), 20-31.

Mendonça, C. S., Diercks, M. S., Kopittke, L. (2016). O fortalecimento da Atenção Primária à Saúde nos municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre, Brasil, após a inserção no Programa Mais Médicos: uma comparação intermunicipal. Ciência & Saúde Coletiva, 21(9), 2871-2878. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16622016

Nascimento, L., Paula, C. C., Magnago, T. S. B. S., Padoin, S. M. M., Harzheim, E., Silva, C. B. (2016). Qualidade da Atenção Primária à Saúde de crianças e adolescentes vivendo com HIV. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 24, e2720. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1518-8345.0609.2720

Oliveira, M. P. R. (2014). Formação e qualificação dos profissionais de saúde: fatores associados à qualidade dos serviços de Atenção Primária à Saúde (Dissertação de Mestrado Profissional). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Oliveira, M. A. C., Pereira, I. C. (2013). Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(esp.), 158-164. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde. Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (2011). Inovando o papel da Atenção Primária nas redes de Atenção à Saúde: resultados do laboratório de inovação em quatro capitais brasileiras, 137 p.: il. (NAVEGADORSUS, 3).

Paula, W. K. A. S., Samico, I. C., Caminha, M. F. C., Filho, M. B., Silva, S. L. (2016). Avaliação da atenção básica à saúde sob a ótica dos usuários: uma revisão sistemática. Revista da Escola de Enfermagem USP, 50(2), 335-345. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000200021

Pimentel, F. C., Albuquerque, P. C., Souza, W. V. (2015). A Estratégia Saúde da Família no estado de Pernambuco: avaliação da estrutura das equipes por porte populacional. Saúde em Debate, 39(104), 88-101. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0103-110420151040138

Pinto, E. S. G., Menezes, R. M. P., Villa, T. C. S. (2010). Situação de trabalho dos profissionais da Estratégia Saúde da Família em Ceará-Mirim. Revista da Escola de Enfermagem USP, 44(3), 657-664. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000300015

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). (2013). Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Atlas dos municípios. Recuperado de http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/download/

Rabe-Hesketh, S., Skrondal, A. (2008). Multilevel and Longitudinal Modeling Using Stata. Second Edition. Texas: Stata Press.

Rio Grande do Sul (RS). Secretaria da Saúde. (2016). Plano Estadual de Saúde:

/2019. Porto Alegre, 218 p.: il. Recuperado de https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201701/05153251-pes-2016-2019-sesrs.pdf

Silva, S. F., Souza, N. M., Barreto, J. O. M. (2014). Fronteiras da autonomia da gestão local de saúde: inovação, criatividade e tomada de decisão informada por evidências. Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), 4427-4438. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.16612013

Silva, S. A., Nogueira, D. A., Paraizo, C. M. S., Fracolli, L. A. (2014). Avaliação da Atenção Primária à Saúde: visão dos profissionais de saúde. Revista da Escola de Enfermagem USP, 48(esp.), 126-32. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48nspe/pt_0080-6234-reeusp-48-esp-126.pdf

Sauter, A. M. W., Perlini, N. M. O. G., Kopf, A. W. (2012). Política de Regionalização da Saúde: das normas operacionais ao Pacto pela Saúde. Revista Mineira de Enfermagem, 16(2), 265-274. Recuperado de http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/528

Silva, S. F. (2011). Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16(6), 2753-2762. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000600014

Starfield, B. (2002). Atenção Primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 726 p. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf

Stein, A. T. (2013). A avaliação dos serviços de saúde deve ser realizada com instrumentos validados. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 22(1), 179-181. Recuperado de http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000100019

Spiegelman, D., Hertzmark, E. (2005). Easy SAS calculations for risk or prevalence ratios and differences. American Journal of Epidemiology, 162(3), 199-200.

Van Stralen, C. J., Belisário, S. A., Van Stralen, T. B. S., Lima, A. M. D., Massote, A. W., Oliveira, C. L. (2008). Percepção dos usuários e profissionais de saúde sobre atenção básica: comparação entre unidades com e sem saúde da família na Região Centro-Oeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública, 24(sup 1), S148-S158. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300019

Viana, A. L. Á., Fausto, M. C. R., Lima, L. D. (2003). Política de saúde e equidade. São Paulo em Perspectiva,17(1), 58-68. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-88392003000100007

Viana, A. L. Á., Bousquat, A., Pereira, A. P. C. M., Uchimura, L. Y. T., Albuquerque, M. V., Mota, P. H. S. ... Ferreira, M. P. (2015). Tipologia das regiões de saúde: condicionantes estruturais para a regionalização no Brasil. Saúde e Sociedade, 24(2), 413-422. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000200002

Vieira, E. W. R., Lima, T. M. N., Gazzinelli, A. (2014). Tempo de espera por consulta médica especializada em um município de pequeno porte de Minas Gerais, Brasil. Revista Mineira de Enfermagem, 19(1), 65-71. Recuperado de http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/986

Weiller, T. H. (2008). O acesso na rede pública de saúde no município de Ijuí/RS: um cenário de controvérsias (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.2865

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com