Forensic chemistry as a contextualizing theme in the teaching of chemistry

Fábio Rocha dos Santos, Carmem Lúcia Costa Amaral

Abstract


This article is an excerpt from a master's research and aims to present the results of the application of a series of activities related to forensic chemistry for the potentially significant learning of chemistry content, because, due to its presence in the media in several series and television news, it is believed that it has a language that dialogues and arouses the interest of students in scientific knowledge. This research started from the question: Does forensic chemistry as a contextualizing theme lead to meaningful learning? The research approach was a qualitative research-action type. Twenty-four high school students in Chemistry from a private school in the state of São Paulo participated in this research. The activities involved the resolution of a “crime”. For their resolution, the students carried out a series of forensic chemistry experiments: DNA extraction, fingerprint development with coal and iodine, breathalyzer test, footprint development and airbag simulation, in addition to watching thematic videos and answering three evaluative activities (Pre-test; Post-test 1; Post-test 2). The results showed that students more easily understood the chemistry content covered in the activities, there was greater involvement, interest and motivation of students in learning chemistry. Thus, it can be concluded that contextualization from forensic chemistry leads to potentially significant learning of chemistry knowledge.


Keywords


Contextualization; Forensic Chemistry; Learning.

References


Ausubel, D.P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos. Lisboa: Platano Edições Técnicas.

Brasil (1999) Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC; Semtec.

Domingues, J. J. et al. (2000). A reforma do Ensino Médio: A nova formulação curricular e a realidade da escola pública. Educação & Sociedade, v.21, n.70, p.63-79.

Guimarães, C. C. (2009). Experimentação no Ensino de Química: Caminhos e Descaminhos rumo à aprendizagem significativa. Química Nova na Escola, 31(3), 198- 202.

Lopes, A. R. C. (2002). Hibridismo de discursos curriculares na disciplina escolar química. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, Poços de Caldas.

Milaré, T. (2008). Ciências na 8ª série: da Química disciplinar à Química do Cidadão. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Moreira, M. A. (2010). Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

Moreira, M. A. (2012). Ensino de Ciências e Matemática: resenhas e reflexões. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos RBEP-INEP, (93), 486-501.

Mortimer, E. F. et al. (2012). Água em Foco: Qualidade de Vida e Cidadania. Belo Horizonte, Minas Gerais.

Mortimer, E. F. & Scott, P. (2002). Atividade discursiva nas salas de aula de ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, 7(3), 283-306.

Nunes, A. S.; Adorni, D.S. (2010). O ensino de química nas escolas da rede pública de ensino fundamental e médio do município de Itapetinga-BA: O olhar dos alunos. In: ENCONTRO DIALÓGICO TRANSDISCIPLINAR - Enditrans, Vitória da Conquista, BA.

Nunes, P. P. (2017). Contextualização e abordagem de conceitos químicos por meio da química forense: Uma sequência didática para o ensino médio no ensino da química. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.

Pozo, J. I & Crespo, M.A.G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciência: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. Ed. Porto Alegre: Artmed.

Raboni, P. C. A. (2002). Atividades práticas de ciências naturais na formação de professores para as séries iniciais. Tese de Doutorado, Universidade de Campinas. Campinas, SP, Brasil.

Scharfenberg, F. & Bogner, F.X. (2010). Instructional Efficiency of Changing Cognitive Load in an Out-of-School Laboratory. International Journal of Science Education, 32(6), 829-844.

Silva, E. L. (2007). Contextualização no ensino de Química: ideias e proposições de um grupo de professores. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silva, E. L. & Marcondes, M. E. R. (2010). Visões de Contextualização de Professores de Química na Elaboração de Seus Próprios Materiais Didáticos. Rev. Ensaio, Belo Horizonte, 12(1),101-118.

Wartha, E. J., Silva, E.L. & Bejarano, N.R.R. (2013). Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Química Nova na Escola, 35(2), 84-91.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2772

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com