Social representations about family care received by women crack users during hospitalization

Jeferson Ventura, Giovana Calcagno Gomes, Juliane Scarton, Laura Fontoura Perim, Leandro Corrêa, Maria Helena Gehlen

Abstract


To know the social representations of nurses who work in Maternity and Obstetric Center about family care received by women who are crack users during hospitalization in the sectors. Research with a qualitative approach. Its theoretical framework was the Theory of Social Representations. Participated 14 nurses who worked in the maternity and obstetric center of a hospital in southern Brazil. Data were collected in the second half of 2018, through semi-structured interviews and organized by the Collective Subject Discourse technique. The social representations are that most of these women face family problems, weakened ties, and do not have a consolidated family structure. They arrive at the service unaccompanied and are alone in the hospital. Some are accompanied by their mother or sister who are responsible for taking care of their child in the hospital and after discharge. Some are brought to the hospital or accompanied by friends, companions, pimps, clients and / or people who do not have blood ties. Many family members, too, are involved with drugs. The care for pregnant women who are crack users at the Maternity and Obstetric Center is complex, requiring training of the nursing team to address their need for assistance. She has not been able to exercise her right to a companion at the hospital, being necessary already during the prenatal period or when she is admitted to the hospital to capture a family member to be her support at this very important moment. It is believed that feeling supported can serve as a stimulus for this woman to reduce / avoid the use of crack and exercise motherhood in a more committed way.


Keywords


Women; Pregnancy; Crack cocaine; Family; Nursing.

References


Bassan, L., et al. (2016). Impacto do uso do crack nas relações familiares: revisão narrativa. Disciplinarum Scientia| Saúde, v. 17, n. 1, p. 11-21.

Brasil. (2012). CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução 466, de 11 e 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos, Brasilia-DF.

Brusamarello, T., et al..(2008). Consumo de drogas: concepções de familiares de estudantes em idade escolar. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas. v. 4, n., 1.

Camargo, P.O. et al.. (2018). O enfrentamento do estigma vivido por mulheres/mães usuárias de crack. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, v. 14, n. 4, p. 196-202.

Chagas, M. S., Abrahão, A. L. (2018). Desobediência Civil na produção singular de cuidado em rede: outros olhares para a mãe usuária de drogas. Saúde em Redes, v. 4, n. 1suplem, p. 61-73.

Conceição, M. I. G., et al..(2016). Usuários de Crack que Buscam Tratamento em Brasília. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 32 n. esp, p. 1-8.

Corradi-Webster, C. M. (2016). O discurso proibicionista e as práticas no campo de álcool e outras drogas. SMAD-Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, v. 12, n. 1, p. 1-2.

Gomes, R. R et al.. (2015). Motivações e expectativas na busca de tratamento para o uso abusivo e dependência de crack, álcool e outras drogas. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 26, n. 3, p. 326-335.

Kuyava, A. C.; Lacerda, S. (2013). O cotidiano de gestantes usuárias de crack. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Porto Alegre.

Lefevre, F.; Lefevre, A. M. C. (2012). Pesquisa de Representação Social. Um enfoque qualiquantitativo. Brasília (DF): Liberlivro.

Maia. J. A., Pereira, L. A., Menezes, F. A. (2015). Consequências do uso de drogas durante a gravidez. Rev Enferm Contemporânea. V. 4, n. 2, p. 121-8.

Minayo, M.C.S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec.

Olivio, M.C.; Graczyk, R. C. (2011). Mulheres usuárias de crack e maternidade: breves considerações. In: Anais II Simpósio Gênero e Políticas Públicas. GT3-Gênero e Família. Universidade Estadual de Londrina, 18 e 19 de agosto. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/Maria%20Cecilia.pdf

Paula, M.L.; Jorge, M.S.B.; Vasconcelos, M.G.F. (2019). Desafios no cuidado familiar aos adolescentes usuários de crack. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 29, p. e290114.

Reis, T. F.; Loureiro, J. R. (2015). O uso do crack durante a gestação e suas repercussões biopsicossociais e espirituais. Revista Eletrônica Saúde Mental Alcool Drogas. v. 11, n. 2, p. 105-11.

Rodrigues, A. P. et al.. (2018). Como o crack e outras drogas podem influenciar no desenvolvimento de crianças que foram expostas durante o período gestacional. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 13, n. 1, p. 1-13.

Rocha, E. N. T., Rocha, R. R. (2019). Drogas na gravidez e consequências em recém-nascidos. Journal of Specialist, v. 1, n. 2.

Sanctis, R.B. (2018). Crack, casa e família: uma etnografia sobre cuidados, (des) afetos e emoções.. 1 recurso online (144 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.

Silva, P. A. (2018). A Intersetorialidade e o Cuidado Psicossocial: Reflexões a partir de intervenções junto à mãe usuária de crack e com trajetória de rua. Revista Serviço Social em Perspectiva, v. 2, n. 1, p. 185-203.

Singulane, B.A.R.; Silva, N.B.; Sartes, L.M.A. (2016). Histórico e fatores associados à criminalidade e violência entre dependentes de crack. Psico-USF, v. 21, n. 2, p. 395-407.

Siqueira, D. F et al.. Perception of family about the iniciation of the use of crack for adolescent. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 14, n. 1, p. 948-954, 2015.

Souza, M. L. M. (2017). Rodas de conversas em saúde: uma estratégia de metodologia participativa no acompanhamento pré-natal de gestantes usuárias de um serviço de saúde. 28 f. Monografia (Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2762

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com