The State of the Art on the use of mobile technologies in Basic Education: mapping of works written from 2016 to 2018

Carla Cristiane Franco de Aquino, Helen Flávia de Lima, Verônica Maria de Araújo Pontes, Marcos Antônio de Oliveira

Abstract


This work addresses the use of mobile technologies in Basic Education. They are increasingly present in children, teenagers and young people's daily lives. The objective is to map some academic works related to this topic. Therefore, State of the Art research was used as methodology; and the data was constituted from research and information taken from the Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), from the Revista Novas Tecnologias na Educação (RENOTE), and from the Annals of the 1st, 2nd and 3rdSimpósio Nacional de Tecnologias Digitais na Educação (SNTDE). On databases, these following descriptors were used: “mobile technologies”, “mobile technology”, “mobile devices”, “mobile device”, “mobile learning” and “mobile education”. Taking into account that mobile technologies include several types of devices, among them, cell phones, tablets and notebooks, some works were identified that deal with this term comprehensively, not only one of the particular devices. After applying a delimited selection in each one database, 19 works were found: 5 dissertations and 14 scientific articles. Some categories were identified in these works, such as: research objectives, methodological approach and pedagogical practices. The researched works used a qualitative methodological approach. Most of the pedagogical practices were focused on Elementary Education.


Keywords


Descriptors; Database; Mobile Learning; Digital Technologies; Educational Apps.

References


Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília: MEC. 2017. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.

Carvalho, A. A. A. (Coord.). (2015). Apps para dispositivos móveis: Manual para professores, formadores e bibliotecários. Lisboa: Ministério da Educação. Recuperado de https://erte.dge.mec.pt/sites/default/files/Recursos/Estudos/apps_dispositivos_moveis2016.pdf

Charlot, B. (2012). A mobilização no exercício da profissão docente. Revista Contemporânea de Educação, 7(13), 10-26. Recuperado de https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1655/1504. DOI:10.20500/rce.v7i13.1655.

Charlot, B. (2006). A pesquisa educacional entre conhecimentos, políticas e práticas: Especificidades e desafios de uma área do saber. Revista Brasileira de Educação, 11(31), 7-18. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782006000100002&script=sci_abstract&tlng=pt. DOI:10.1590/S1413-24782006000100002.

Costa, F. A. (Coord.), Rodriguez, C., Cruz, E., & Fradão, S. (2012). Repensar as TIC na educação: O professor como agente transformador (Coleção Educação em Análise). Portugal: Santillana. Recuperado de file:///C:/Users/Cliente/Downloads/Santillana_RepensarasTICnaeducacao_.pdf.

Franciscato, F. T. (2010). ROAD: Repositório semântico de objetos de Aprendizagem para dispositivos móveis. (Dissertação de Mestrado). Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/5356/FRANCISCATO%2c%20FABIO%20TEIXEIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Kenski, V. M. (2014). Educação e tecnologias: O novo ritmo da informação (8a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Kenski, V. M. (2010). Tecnologias e ensino presencial e à distância (9a ed., Coleção Prática Pedagógica). Campinas, SP: Papirus.

Kurtz, F. D., & Thiel, K. C. N. (2010). TIC e ensino de línguas: O que dizem professores e alunos. In G. J. C. Machado (Org.). Educação e Ciberespaço: Estudos, propostas e desafios (pp. 120-163). Aracaju: Virtus. Recuperado de http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/1798/Educacao%20e%20ciberespaco.pdf?sequence=1.

Moran, J. M., Masseto, M. T., & Behrens, I. A. (2000). Novas tecnologias e mediação pedagógica (10a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Oliveira, M. M. de. (2008). Como fazer pesquisa qualitativa (2a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). (2014). Diretrizes de políticas da UNESCO para a aprendizagem móvel. Paris: Autor.

Pedró, F. (2016). A tecnologia e as transformações da educação: Documento básico (M. A. M. Rossi, Trad.). Recuperado de https://fundacaosantillana.org.br/pdfs/santillana_LAC150216_Portugues.pdf.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional, 6(19), 37-50. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/1891/189116275004.pdf.

Sales, S. R. (2014). Tecnologias Digitais e Juventude ciborgue: Alguns desafios para o currículo do ensino médio. In J. Dayrell, P. Carrano, & C. L. Maia (Orgs.). Juventude e ensino médio: Sujeitos e currículos em diálogo (pp. 229-248). Belo Horizonte: UFMG.

Serra, L. K. G. R., Mesquita, M. N., Costa, M. J. M., & Bottentuit, J. B., Jr. (2018). Tecnologias móveis no processo de ensino-aprendizagem: Uma revisão sistemática de literatura dos estudos de pós-graduação no Brasil. Revista Tecnologias na Educação, 10(27). Recuperado de https://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2018/11/Art15.Vol27-Ed.Tem%C3%A1ticaIX-Nov-2018.pdf.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i5.2690

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com