Hacker culture in the school environment: the dissemination of collaborative and creative learning

Eduardo dos Santos de Oliveira Braga, Kleber Mendes Pereira Dias, Karoline Cristina Arruda Sanches, Douglas da Costa Cardinot, Amanda Ribeiro dos Santos, Márcia Adriana Maroun, Marco Antonio Barbosa Braga

Abstract


This article presents the results of a research whose objective was to make possible the creation of a hacker culture in the classroom through proposals for the implementation of collaborative works, active methodologies and the discussion of collective evaluation approaches without leaving aside the individual one. The qualitative research was developed through a bibliographical revision regarding the hacker culture and also of the reflection about the current learning process. In this sense, some proposals of active methodologies and online support tools were presented, which provide a collaborative and innovative environment. Among the results discussed, we highlight the need for a remodeling of the approaches applied in the classroom, evaluation procedures and the teacher's own role in the support and development of this hacker culture.


Keywords


Cultura hacker escolar; Aprendizagem colaborativa; Avaliação.

References


Alencar, A. F. de et al. (2009). Software livre, cultura hacker e o ecossistema da colaboração. São Paulo: Momento Editorial, p. 232 – 250.

Aranha, M. L. (1996). Filosofia da educação. 2. ed. São Paulo: Moderna.

Araújo, I. S. & Mazur, E. (2013). Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 30, n.2, p. 362-384.

Basso, M. (2018). Como no século 19: nossas salas de aula pararam no tempo. Disponível em: . Acesso em 30 de Junho de 2018.

Bonilla, M. H. S. & Pretto, N. de L. (2015). Política educativa e cultura digital: entre práticas escolares e práticas sociais. Florianópolis: Perspectiva, v. 33, n. 2, p. 499-521.

Brandão, C. R. (1993). O que é educação?. 28.ed. São Paulo: Brasiliense, Coleção Primeiros Passos.

Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF.

Castells, M. (2003). A Galáxia da Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., cap. 2.

Hwa, L. C. et al. (2018). Design Thinking: the guidebook. Disponível em:

.

Acesso em 01 de Julho de 2018.

Kant, I. (1996). Sobre a Pedagogia. Trad. Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Editora Unimep.

Lemos, A. & Cunha, P. (orgs). (2003). Olhares sobre a Cibercultura. Porto Alegre, p. 11-23.

Liew, C. W. & Treagust, D. F. (1995). A predict-observe-explain teaching sequence for learning about students’ understanding of heat and expansion of liquids. Australian Science Teachers’ Journal, v. 41, n. 1, p. 68-71.

Monteiro, V. & Fragoso, R. (2005). Avaliação entre pares. Paper presented at the Actas do VIII Congresso Galaico-Português de Psicopedagogia Braga.

Ogawa, R. & Arruda, R. (2012). A Cultura Hacker, o Movimento Software Livre, as Redes Sociais e o Trabalho Associado. Revista Eventos Pedagógicos v.3, n.2, p. 430 – 442.

Pies, N. A. (2016). Não existe neutralidade na educação. UPF.

Ribeiro, S. A. & Zancanaro, L. (2011). Educação para a liberdade – uma perspectiva kantiana. Revista Centro Universitário São Camilo, p. 93-97.

Rüdiger, F. (2011). Cultura e Cibercultura: princípios para uma reflexão crítica. Revista Logos: O Estatuto da Cibercultura no Brasil, v. 34, n. 1, p. 44–61.

Sales, A. de J. (2018). A escola através dos tempos. Disponível em: . Acesso em 01 de Julho de 2018.

Sasaki, D. G. G. & Jesus, V. L. B. de. (2017). Avaliação de uma metodologia de aprendizagem ativa em óptica geométrica através da investigação das reações dos alunos. Sã o Paulo: Revista Brasileira de Ensino de Física , v. 39, n. 2.

Schlösser, A. et al. (2011) O que é educação, educador? A concepção de educação para professores e diretores de escolas da região do Vale do Itajaí-SC. X Congresso Nacional de Educação.

Silveira, S. A. da, & Vouga, C. J. T. (2005). A mobilização colaborativa e a teoria da propriedade do bem intangível. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silveira, S. A. (2010). Ciberativismo, Cultura Hacker e o Individualismo Colaborativo. São Paulo: Revista USP, n. 86, p. 28-39.

SITE FRONTEIRAS DO PENSAMENTO. (2014). Manuel Castells explica a obsolescência da educação contemporânea. Disponível em: . Acesso em 02 de Julho de 2018.

SITE NOVOS ALUNOS. Por que a escola tradicional não funciona mais?. Disponível em: . Acesso em 02 de Julho de 2018.

Vianna, C. E. S. (2008). Evolução histórica do conceito de educação e os objetivos constitucionais da educação brasileira. Janus, v. 3, n. 4.

Torres, P. L. & Irala, E. A. F. (2014). Aprendizagem colaborativa: teoria e prática. Paraná: Coleção Agrinho, 2014.

Zeferino, J. L. B. (2018). A educação em Kant. Disponível em: . Acesso em 01 de Julho de 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2663

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com