Validity and reliability of the Adapted Katz Index Scale

Sheila Oliveira Mendes, Aline Sarturi Ponte, Kayla Araújo Ximenes Aguiar Palma, Carlos Gustavo Lopes da Silva, Miriam Cabrera Corvelo Delboni

Abstract


This study aimed to assess whether the "Adapted Katz Scale Index" device can be effective and understood by the elderly population and thus verify its validity and reliability. To answer this first stage, 29 participants were selected, all with ages equal to or over 60 years old, participants of an event aimed at the elderly population and submitted to 1 questionnaire and 3 evaluations: Sociodemographic Questionnaire, Mental State Mini Exam, Katz Index Scale and Adapted Katz Index Scale. This study is a cutout of the institutional survey "Evaluation of daily life activities in elderly with or without cognitive alteration". The survey showed that 29 [100%] of the participants obtained the same score and classification when evaluated by the instrument Katz Index Scale and Adapted Katz Index Scale, which demonstrates its validity and reliability. As for its applicability 93.1% of those surveyed consider the instrument Adapted Katz Index as a facilitator. The instrument presents potential to become a new health evaluation instrument, for that, it becomes relevant the development of subsequent studies and the continuity of the research, carrying out other necessary procedures such as verification of sensitivity and responsiveness, besides the judgment of specialists in the health area and the finalization with the aphasic population.


Keywords


Aging; Self-Help Equipment; Validation Studies.

References


Abaquim, M. L. M., Lima, M. P., Ciasca, S. M. (2012). Avaliação neu¬ropsicológica de sujeitos com lesão cerebral: uma revi¬são bibliográfica. Rev. Psicopedag, 28(89):236-243.

Alcântara, A. O., Camarano, A. A., Giacomin, K. C. (2016). Política nacional do idoso: velhas e novas questões - Rio de Janeiro: Ipea.

Alexandre, N. M. C., Coluci, M. Z. O. (2011). Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc. saúde coletiva, 16(7):3061-3068.

Allegretti, A. L. (2013). Um panorama sobre a Tecnologia Assistiva. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 21(1):1-2.

Almeida, A. V., Mafra, S. C. T., Silva, E. P., Kanso, S. (2015). Feminização da Velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos & Contextos, 14(1):115-131.

Barros, M. B. A., Francisco, P. M. S. B., Zanchetta, L. M., César, C. L. G (2011). Ten-dências das desigualdades sociais e demográficas na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD: 2003- 2008. Ciênc. saúde coletiva, 16(9):3755-68.

Berg, S., Dahl, A., Nilsson, S. (2009). Declive cognitivo. In: Fernández-Ballesteros. Psicogerontologia: Perspectivas Europeas para un mundo que envejece. Ediciones Pirámide, p. 223-242.

Bersch, R. (2017). Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf. Acesso em: 30 jan 2018.

Brucki, S. M. D., Nitrini, R., Caramelli, P., Bertolucci, P. H. F., Okamoto, I. H. (2003). Sugestão para o uso do Mini-Exame do Estado Mental no Brasil. Arq. Neuro-Psiquiatr, 61(3):777-81.

Burns, N., Grove, S. K. The practice of nursing research: conduct, critique & utilization. 3rd ed. Philadelphia: Saunders Company; 1997.

Cabral, S. O. L., Oliveira, C. C. C., Vargas, M. M. A., Neves, C. S., (2010). Condições de ambiente e saúde em idosos residentes nas zonas rural e urbana em um município da região Nordeste. Geriatria & Gerontologia, 4(2):76-84.

Cambier, J., Masson, M., Dehen, H (1988). Neurologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Camarano, A. A. (2004). Os Novos Idosos Brasileiros: Muito Além dos 60?. - Rio de Janeiro: IPEA.

Campolina. A. G., Dini, P. S., Ciconelli, R. M. (2011). Impacto da doença crô¬nica na qualidade de vida de idosos da comunidade em São Paulo (SP, Brasil). Ciênc saúde coletiva, 16(6):2919-25.

Campos, A. C. V., Almeida, M. H. M., Campos, G. V., Bogutchi, T. F. (2016). Prevalência de incapacidade funcional por gênero em idosos brasileiros: uma revisão sistemática com metanálise. Rev Bras Geriatr Gerontol, 19(3):545-59.

Canineu, P. R. (2003). Demências: características clínicas gerais. 3 ed. v. 1. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa GERP.

Rocha, E. F., Brunello, I. B. (2011). Avaliação qualitativa em Terapia Ocupacional: princípios, métodos e técnicas de coleta de dados. In: Cavalcanti, A. A. S., Galvão, C. R. C. Terapia Ocupacional: fundamentação e prática. Rio de janeiro: Guanabara Koogan.

Contandriopoulos, A. P., Champagne, F., Potvin, L., Denis, J.L., Boyle, P. (1999). Saber preparar uma pesquisa. 3ªed. São Paulo: Hucitec, Abrasco.

Cruz, D. T., Leite, I. G., Barbosa, M. B., Leite, I. C. G. (2016). Prevalência de incapacidade funcional e fatores sociodemográficos associados em idosos de Juiz de Fora (MG). Revista Kairós Gerontologia,19(N.o Especial 22, “Envelhecimento e Velhice”), pp. 09-28.

Di Nucci, F. R. C. F. (2008). Relação entre hipertensão arterial sistêmica e desempenho cognitivo em idosos de uma comunidade. Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Campinas.

Duarte, Y. A. O., Andrade, C. L., Lebrao, M. L.(2007). O Índex de Katz na avaliação da funcionalidade dos idosos. Rev. esc. enferm. USP, 41(2):317-325.

Duarte, M. S. S., Fernandes, M. G. M., Rodrigues, R. A. P., Nóbrega, M. M. L. (2013). Prevalência e Fatores Sociodemográficos Associados à Fragilidade em Mulheres Idosas. Rev Bras Enferm, 66(6): 901-6.

Duarte, M. C. S., Fernandes, M. G. M., Rodrigues, R. A. P., Nóbrega, M. M. L. (2016). Fragilidade, morbidade referida e capacidade funcional em mulheres idosas. Rev enferm UERJ, 24(2):1-6.

Farías-Antúnez, S., Lima, N. P., Bierhals, I. O., Gomes A. P., Vieira, L. S., Tomasi E. (2018). Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária: um estudo de base populacional com idosos de Pelotas, Rio Grande do Sul, 2014. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 27(2):1-14

Fava, S. M. C. L., Zago, M. M. F., Nogueira, M. S., Dázio, E. M. R (2013). Experiência da doença e do tratamento para a pessoa com hipertensão arterial sistêmica: um estudo etnográ¬fico. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 21(5):1-7.

Fitzner, K (2007). Reliability and validity. Diabetes Educ, 33(5):775-780

Guerreiro, T., Caldas, C. P. (2001). Memória e demência: (re)conhecimento e cuidado. Rio de Janeiro: UERJ, UnATI.

Henrique, N. N., Costa, P. S., Vileti, J. L., Corrêa, M. C. M., Carvalho, E. C. (2008). Hipertensão arterial e diabetes mellitus: um estudo sobre os pro¬gramas de atenção básica. Rev enferm UERJ. 16(2):168-73.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2013). Atlas do censo demográfico 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/apps/atlas/. Acesso em 12 dez. 2014.

Katz, S., Ford, A. B., Moskowitz, R.W., Jackson, B.A., Jaffe, M.W. (1963). Studies of Illness in the Aged. The Index of ADL: a Standardized Measure of Biological and Psychosocial Function. JAMA. 21(185):914-9.

Leal, G., Martins, I. P. (2005). Avaliação da Afasia pelo Médico de Família. Rev. Port. Clin. Geral, 21(4):359-64.

Leite, B. T., Salvador, D. H. Y., Araújo, C. L. O. (2009). Avaliação cognitiva dos idosos institucionalizados. Revista Kairós – Gerontologia, 12(1):247-256.

Negrão, A. M. G., Barile, M. A. C. (2003). Afasia: uma Interface entre a Fonoaudiologia e a Psicologia. Lato & Sensu, 4(1):3-5.

Oliveira, L. M. (2008) Afasia e o modelo interacional de comunicação. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Lingüística da Universidade Federal Juiz de Fora (UFJF).

Ponte, A. S., Fedosse, E (2016a). Caracterização de sujeitos com lesão cerebral adquirida em idade produtiva. Rev CEFAC, 18(5):1097-108.

Ponte, A. S., Fedosse, E. (2016b). Lesão Encefálica Adquirida: impacto na atividade laboral de sujeitos em idade produtiva e de seus familiares. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10):3171-3182.

Roberts, P., Priest, H., Traynor, M (2006). Reliability and validity in research. Nurs Stand, 20(44):41-45.

Silva, E. F., Paniz, V. M. V., Laste, G., Torres, I. L. S. (2013). Prevalência de morbidades e sintomas em idosos: um estudo comparativo entre zonas rural e urbana. Ciência & Saúde Coletiva, 18(4):1029-1040.

Siluk, A. C. P. (2012). Atendimento educacional especializado: contribuições para a prática pedagógica. 1. ed. – Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Laboratório de Pesquisa e Documentação.

Sousa, N. F. S., Lima, M. G., Cesar, C. L. G., Barros, M. B. A. (2018). Envelhecimento ativo: prevalência e diferenças de gênero e idade em estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública, 2018; 34(11):1-14.

Torres, G. V., Reis, L. A., Reis, L. A., Fernandes, M. H (2009). Qualidade de vida e fatores associados em idosos dependentes em uma cidade do interior do Nordeste. J bras psiquiatr, 58(1):39-44.

Vieira, E. B., Koenig, A. M. (2002). Avaliação cognitiva, In: FREITAS, E. V. et. al. (org.). Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Virtuoso Júnior, J. S., Guerra, R. O. (2011). Incapacidade funcional em mu¬lheres idosas de baixa renda. Ciênc saúde coletiva. 16(5):2541-8.

Yassuda, M. (2002). Memória e Envelhecimento Saudável. In Freitas, E.; et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2630

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356