Virtual learning environments as mediation in the accompanying of the curriculum stage in the distance mode

Priscila Bernardo Martins, Juliano Schimiguel, Edda Curi, Carlos Adriano Martins

Abstract


This paper aims to present conceptual characteristics of virtual learning environments and their contributions to the mediation and monitoring of the Supervised Curricular Internship within the distance modality. In order to do so, through a bibliographic review, it was verified that virtual learning environments are considered important locus in the EAD mediation, so that it harmonizes the interaction between the subjects involved in the process and in the interactivity with the available resources, adding flexibility Of time, autonomy, breaking geographical limitations. As a consequence, the use of virtual environments in the monitoring of Supervised Internship is an open field of possibilities and can bring several benefits for students and tutors and to mediate this relationship. Such potentialities are not generated without the counterpart of challenges to be overcome to be realized, especially the adequate preparation of tutors for the correct and effective use of the available applications.


Keywords


Quality; professional training; virtual learning environments; mediation.

References


ALONSO, K. M. Novas tecnologias e formação de professores: um intento de compreensão. In: PRETI, O. (org). Educação à Distância – construindo significados. Brasília: Plano, 2000.

ALMEIDA, M. E. B. de. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educ. Pesqui. [on line]. 2003, v. 29, n. 2, pp. 327-340.

ALVES, L. R. G. Um olhar pedagógico das interfaces do Moodle. In: ALVES, L.; BARROS, D.; OKADA, A. (Org.) Moodle: estratégias pedagógicas e estudos de caso. 2009.

ARAÚJO JUNIOR, C. F.; MARQUESI, S. C. Atividades em ambientes virtuais de aprendizagem: parâmetro de qualidade. In: LITTO, M. F.; FORMIGA, M. (Org.). Educação a Distância: O estado da Arte. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

Brasil. ______. Lei n. 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 jul. 2008. [2008a]. Disponível em: . Acesso em: 26 Junho. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais para elaboração de material didático para EaD no ensino profissional e tecnológico. 2007. Disponível em Acesso em: 26 de Maio 2016.

BRASIL. Conselho Nacional da Educação Resolução CNE/CP Nº 1, de 15 de Maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em 05 de Junho de 2016.

CARVALHO, J. G. Modelo de comunidade de inquirição: a presença social mediada pela prática da tutoria em uma disciplina on-line. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul, 2014. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2014.

DUMARESQ, A.P.S.D. A Importância de Um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Para a Formação dos Alunos Oficiais da Academia de Polícia Militar Cel. Milton Freire de Andrade. 2011. 42f. Monografia (Educação à Distância) - Universidade Federal Do Paraná.

NASCIMENTO, J. C. P. Formação inicial de pedagogos para ensinar matemática: constatações, reflexões e desafios do estágio curricular. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul, 2014. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2014.

KULCSAR, R. O estágio supervisionado como atividade integradora. In: PICONEZ, S. C. B. (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. São Paulo: Papirus, 1991. p. 63-74. (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico)

MORAES, M. C. (Org). Educação a distância: fundamentos e práticas. Campinas, SP: Unicamp/Nied, 2002.

PEREIRA, A. C.; SCHMITT, V.; DIAS, M. R. A. Ambientes virtuais de aprendizagem. In: PEREIRA, A. T. C. (orgs). AVA - ambientes virtuais de aprendizagem em diferentes contextos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda., 2007.

PIMENTA, S. G.; O Estágio na Formação do Professor: Unidade Teórica e Prática? 4ª Edição. Ed. Cortez. São Paulo, 2001.

SANTOS, E. O. Articulação de saberes na EAD on-line. In: SILVA, M. (Org.). Educação Online. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2006.

SCHLEMMER, E. Metodologias para educação a distância no contexto da formação de comunidades virtuais de aprendizagem. In: BARBOSA, R. M. (org). Ambientes virtuais de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2005.

TARCIA, R. M. L.; COSTA, S. M. C. Contexto da educação a distância. In: CARLINDA, A. L.; TARCIA, R. M. L. 20% a Distância e agora?: orientações práticas para o uso da tecnologia de educação a distância no ensino presencial. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2010. p 3-14.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v3i2.25

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com