Astronomy teaching and meaningful learning: a look at integrated technical teaching

Cleonir Coelho Simões, Marcos Rincon Voelzke

Abstract


This research consists of a case study that aimed to investigate the occurrence of Significant Learning in a group formed by 40 Integrated Technical Teaching students of the Federal Institute Minas Gerais, São João Evangelista, who participated of a basic Astronomy concepts course. The David Ausubel's Theory of Meaningfull Learning was the theoretical framework adopted to this research and the questionnaire was the main instrument of data collection, applied as pre and post-test. The obtained data were submitted to qualitative and quantitative analyses and the obtained results have confirmed the occurrence of Significant Learning through the application of the Student's T-test. This type of course can constitute a viable alternative for the Astronomy teaching in this institution and that the reference material is adequate, but it requires from the teacher a pre-analysis to make the necessary adjustments to achieve the proposed objectives.


Keywords


Integrated Technical Teaching; Significant Learning; Astronomy Teaching; Case Study.

References


Albrecht, E.& Voelzke, M.R.(2016). Ensino de Astronomia no Ensino Médio, uma proposta. Trabalho apresentado no IV Simpósio Nacional de Educação em Astronomia, (p. 18). Goiânia, Brasil.

André, M. E. D. A. D. (2005). Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liberlivros, 2005. p. 7-70.

Ausubel, D. P.; Novak, J.D.; Hanesian, H (1980). Psicologia Educacional. Tradução de Eva Nick et al. (2a ed.). Rio de Janeiro: Ed. Interamericana. (Trabalho original publicado em 1968)

Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. Tradução de Lígia Teopisto. (1aed.). Lisboa: Paralelo Editora. (Trabalho original publicado em 2000)

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Tradução de L. A. Reto & A. Pinheiro. (1a ed.). São Paulo: Edições 70. (Trabalho original publicado em 1977)

Barros, L. G. (2017). Um estudo sobre a formação de monitores em espaços de divulgação da Astronomia. Dissertação de mestrado. Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista. Bauru, Brasil.

Bento, M. C. M.; Cavalcante, R. S. (2013) Tecnologias Móveis em Educação: o uso do celular na sala de aula. Educação, cultura e comunicação, v. 4, n. 7.

Brasil. P. (1997a). Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF.

Brasil. P. (1997b). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF.

Brasil. P. (1998).Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. S. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino médio. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. S. (2002).PCN+ Ensino Médio: Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, SEMTEC.

Brasil. M. (2017). Base Nacional Comum Curricular Versão Final. Secretaria da Educação Básica. Brasília: MEC/SEED. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2018.

Caniato, R. (2005). Astronomia e Educação. Revista Universo Digital, 80-91.

Cellard, A. (2008) A análise documental. In Poupart, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. (v. 295, p. 2010-2013). Petrópolis: Vozes.

Da Silva Ribeiro, O. B., Da Silveira Chaves, P., Junior, J. A. L., Júnior, H. G. C., Penido, P. A. G., & De Souza Nogueira, E. A. (2017, setembro). O observatório astronômico como espaço não formal de educação: apoio ao ensino de ciências. In Anais da I Semana de Iniciação Científica e Tecnológica. Itaúna, Brasil: UIT

Dal-Farra, R. A., & Lopes, P. T. C. (2013). Métodos mistos de pesquisa em educação: pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, 24(3), 67-80.

De Lima Barbosa, J. I., & Voelzke, M. R. (2016). Questionário-diagnóstico sobre conceitos básicos de Astronomia por alunos do Ensino Médio Integrado. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 7(2), 25-38.

De Santanta, W. K. F.; Cabral, A. A.; Da Nóbrega, M. B.. (2019). Novas Tecnologias de Informação e Comunicação e o caso específico do Blog: contribuição para o sistema educacional escolar. Esferas, n. 13.

Dias, C. A. C., & Santa Rita, J. R. (2008). Inserção da astronomia como disciplina curricular do ensino médio. Revista Latino-americana de educação em astronomia, (6), 55-65.

Elias, D. C. N., Amaral, L. H., & De Araújo, M. S. T. (2007). Criação de um espaço de aprendizagem significativa no planetário do parque Ibirapuera. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 7(1).

Elias, D. C. N., Araújo, M. S. T., Amaral, L. H. (2011). Concepções de estudantes do ensino médio sobre conceitos de astronomia e as possíveis contribuições da articulação entre espaços formais e não formais de aprendizagem. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 2, n. 1, p. 50-68.

Iachel, G., Langhi, R., & Scalvi, R. M. F. (2008). Concepções alternativas de alunos do ensino médio sobre o fenômeno de formação das fases da Lua. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, (5), 25-37.

IBGE - Inistituto BrasileirodeGeografia e Estatística. (2019). Disponível em: . Acesso em 17 out. 2019

Kantor, C. A., & Menezes, L. C. D. (2001). A ciência do céu: uma proposta para o ensino médio.Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Langhi, R.; Nardi, R. (2009). Ensino da astronomia no Brasil: educação formal, informal, não formal e divulgação científica.Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 4, 4402(1-11) Disponível em: Acesso em: 06 out. 2019

Langhi, R., & Nardi, R. (2014). Justificativas para o ensino de Astronomia: o que dizem os pesquisadores brasileiros?. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3), 041-059.

Langhi, R., & Pereira, A. M. (2017). Projeto Eratóstenes: aprendendo Astronomia em redes de cooperação. La comunicación de la ciencia en América Latina: esfuerzos de evaluación en la diversidad, 135.

Lattari, C. J. B., & Trevisan, R. H. (1999). Metodologia para o Ensino de Astronomia: uma abordagem construtivista. Atas do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Valinhos, SP: ABRAPEC.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica.(5a ed.). São Paulo: Atlas. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2019.

Marsden, E.; Torgerson, C. J. (2012). Single group, pre-and post-test research designs: Some methodological concerns. Oxford Review of Education, v. 38, n. 5, p. 583-616.

Moran, J. M. (2007). As mídias na educação. In Moran, J. M.Desafios na Comunicação Pessoal(3a ed.). São Paulo: Paulinas, p. 162-166.

Moraes, A. C., Voelzke, M. R., & de Macêdo, J. A. (2016). Análise das concepções astronômicas apresentadas por alunos do Instituto Federal de São Paulo-Campus Cubatão. Imagens da Educação, 6(1), 99-106.

Moreira, M. A., & Masini, E. F. S. (2016). Aprendizagem Significativa–A Teoria de David Ausubel.(2aed.). São Paulo: Editora Centauro.

Mourão, R. R. D. F. (1977).Da Terra às Galáxias.São Paulo: Ed. Melhoramentos.

Neres, L. B. (2017). O Stellarium como estratégia para o ensino de Astronomia (Doctoral dissertation, Dissertação de mestrado. Ilhéus-BA).

Oliveira, J. C. P. D., Oliveira, A., Morais, F. D. A. M., Silva, G.,& Silva, C. (2013). O questionário, o formulário e a entrevista como instrumentos de coleta de dados: vantagens e desvantagens do seu uso na pesquisa de campo em ciências humanas. In III Congresso Nacional de Educação. Rio Grande do Norte.

Paganotti, A., Voelzke, M. R., Santos, A. L. M., & Do Rosário, J. D. P. (2019). Concepções de alunos da rede pública de minas gerais sobre planetas e planetas anões do sistema solar/Conceptions from students of the public schools of minas gerais about planets and dwarf planets in solar system. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 6, p. 7211-7225.

Prodanov, C. C.; De Freitas, E. C. (2013).Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. (2a Ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Timbane, S. A.; Axt, M.; Alves, E. (2015). O celular na escola: vilão ou aliado. Nuevas Ideas en Informática Educativa. TISE, p. Disponível em: Acesso em: 01 out. 2019.

Tréz, T. D. A. (2012). Caracterizando o método misto de pesquisa na educação: um continuum entre a abordagem qualitativa e quantitativa. Atos de Pesquisa em Educação, v. 7, n. 4, p. 1132-1157.

Vilaça, J., Langhi, R., & Nardi, R. (2013). Planetários enquanto espaços formais/não-formais de ensino, pesquisa e formação de professores. IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC).




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2463

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com