Nursing scientific production on noncommunicable diseases in the elderly: relationships with health needs, research priorities in Brazil and nursing work

Nidia Farias Fernandes Martins, Daiane Porto Gautério Abreu, Mara Regina Santos da Silva, Juliana Piveta de Lima

Abstract


The objective of this study was to know the Brazilian scientific production of nursing about Noncommunicable Diseases (NCDs) in the elderly, in relation to the health needs of the elderly population, health research priorities, and nursing work. Qualitative, documentary, exploratory-descriptive research in 11 Brazilian journals, classified in CAPES Qualis: "A1", "A2" and "B1", in the area of evaluation "Nursing". Sixty-two articles selected from the theme of NCDs in the elderly were selected from sub-agenda 5 of the National Agenda for Priorities in Health Research. For analysis, we used epidemiological data and health indicators on NCDs, morbidities, hospital admissions. and mortality in the elderly. The studies address the main emerging NCDs in the elderly Brazilian population, except for chronic respiratory diseases. The publications reviewed partially support the agenda's recommendations. The publications recognize the need to explore innovative nursing interventions, but there is a departure from research on the real needs of practice and effective interventions. The study directs a close and focused look from researchers, journal editors and research supporters regarding the real impact of knowledge produced in nursing in gerontogeriatrics and NCDs.


Keywords


Aged; Noncommunicable diseases; Scientific and technical publications; Health research agenda; Nursing research.

References


Amorim, D. N. P., Chiarello, M. D., Vianna, L. G., Moraes, C. F., & Vilaça, K. H. C. (2017). Internações por condições sensíveis à atenção primária de idosos no Brasil, 2003 a 2012. Rev. enferm. UFPE on line, 11(2), 576-583.

Brasil. (2006). Portaria n. 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa e determina outras providências. Diário Oficial da União.

Brasil. (2008). Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Sobre a CAPES. História e missão; Acesso em 10 abril 2018, em http://www.capes.gov.br.

Brasil. (2011a). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2011b). Departamento de Informática do SUS - DATASUS. Indicadores e dados básicos. Indicadores de mortalidade. C4 – mortalidade proporcional por grupos de causas. Acesso em 14 Junho 2018, em: http://tabnet.datasus.gov.br

Brasil. (2012). Departamento de Informática do SUS - DATASUS. Indicadores e dados básicos. Indicadores de morbidade. D29 – taxa de internação hospitalar (SUS) por causas selecionadas. Acesso em 14 Junho 2018, em: http://tabnet.datasus.gov.br.

Brasil. (2015). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde (2. ed., 4. reimp.). Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Brasil. (2016). Ministério da Educação. Plataforma Sucupira. Qualis. Acesso em 12 Junho 2018, em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/index.xhtml

Duncan, B. B., Chor, D., Aquino, E. M., Bensenor, I. M., Mill, J. G., Schmidt, M. I., Lotufo, P. A., Vigo, A. & Barreto, S. M. (2012). Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de saúde pública, 46, 126-134.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2009). Diretoria de Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica número 25. Indicadores sociodemográficos e de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2013). Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica número 32. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. IBGE, Rio de Janeiro.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica número 36. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. IBGE, Rio de Janeiro.

Lini, E. V., Portella, M. R., & Doring, M. (2016). Fatores associados à institucionalização de idosos: estudo caso-controle. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 19(6), 1004-1014.

Machado, A. M., Grosch, M. S., & dos Santos, V. (2017). Regulação e controle na Pós-Graduação: do produtivismo acadêmico à noção de excelência com pertinência territorial. CONJECTURA: filosofia e educação, 22(1), 52-68.

Malta, D. C., & Silva Jr, J. B. D. (2013). O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 22(1), 151-164.

Mendes, I. A. C., Trevizan, M. A., Leite, J. L., de Godoy, S., & Ventura, C. A. A. (2011). Políticas de produção de conhecimento em enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 64(3), 415-422.

Oliveira, D. C. (2014). Prioridades de pesquisa em enfermagem e as linhas de pesquisa: dando continuidade ao debate. Revista Enfermagem UERJ, 22(5), 712-716.

Rodrigues, R. A. P. (2014). Contribuições da Enfermagem no cuidar do idoso. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 22(3), 353-354.

Scochi, C. G. S., Gelbcke, F. L., de Assunção Ferreira, M., da Silva Lima, M. A. D., Padilha, K. G., Padovani, N. A., & Munari, D. B. (2015). Doutorado em Enfermagem no Brasil: formação em pesquisa e produção de teses. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(3), 387-394.

Scochi, C. G. S., Munari, D. B., Pedreira, M. D. L. G., Padilha, M. I., & Marziale, M. H. (2012). A importância da qualificação dos periódicos para o avanço da produção e visibilidade da pesquisa em enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 21(2), 251-253.

Silva, Í. R., Leite, J. L., Trevizan, M. A., da Silva, T. P., & José, S. A. P. (2017). Conexões entre pesquisa e assistência: desafios emergentes para a ciência, a inovação e a tecnologia na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 26(4), 1-11.

Tavares, D. M. S. (2014). Tendências e prioridades das pesquisas na saúde do idoso no contexto da enfermagem brasileira. Revista Eletrônica de Enfermagem, 16(2), 272-7.

Veiga, K. C. G., & Menezes, T. M. D. O. (2008). Produção do conhecimento em enfermagem: a (in) visibilidade da atenção à saúde do idoso. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(4), 761-768.

World Health Organization. (2012). Good health adds life to years. Global brief for World Health Day 2012. Geneva: World Health Organization.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2336

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com