Analysis of indicators of violence against women from notifications of violence of the 16th Regional Health Coordination

Clara Raquel Battisti, Paula Michele Lohmann

Abstract


Violence against women in all its forms is a phenomenon present in our society and needs to be studied for its best confrontation. This study aims to analyze the cases of interpersonal or self-harm in women through the SINAN notifications of the 16th Regional Health Coordination, from January 2011 to December 2018. This is a quantitative, descriptive, exploratory study. and retrospective that will be held in health regions 29 and 30, with the population composed of women living in the cities belonging to these regions, and the sample composed of women reported for interpersonal / self-harm. Data were collected from the Information Technology Management Department of the State Department of Health, through the public domain Bi Health Portal and analyzed using the SPSS program, version 22.0. The number of notifications has been increasing gradually year after year, the profile of the woman analyzed is white, married / stable union, in the age group of 20 to 29 years and the most common violence suffered and physical, followed by psychological. The gradual increase in cases of violence highlights the need to act otherwise, seeking different solutions to what has already been done.


Keywords


Violence against women; Health information system; Descriptive epidemiology.

References


Andrade, J. O., Heitor, S. F. D., Castro, S. S., Andrade, W. P., & Atihe, C. C. (2016). Indicadores da violência contra a mulher provenientes das notificações dos serviços de saúde de minas gerais-brasil. Rev. Texto Contexto Enferm, 25 (3), e2880015. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2019.

Beauvoir, S. (1980). O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Brasil. (2003a). Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Disponível em: . Acesso em 23 out. 2019.

Brasil. (2003b). Ministério da Saúde. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências. Portaria MS/GM n.º 737 de 16/5/01, publicada no DOU n.º 96 seção 1E de 18/5/01. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2019.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Instrutivo de preenchimento da ficha de notificação/investigação de violência doméstica, sexual e/ou outras violências. Brasília (DF): DASIS/CGDANT.

Brasil. (2010). Lei Maria da Penha, Lei nº 11.340. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara. Disponível em: https://www.cairu.br/biblioteca/arquivos/Direito/lei_maria_penha.pdf. Acesso em: 26 out. 2019.

Brasil. (2011a). Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações. Disponível em: Acesso em: 17 nov. 2019.

Brasil. (2011b). Secretaria de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres. Brasília: Presidência da República.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. (2013). Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres 2013 - 2015. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres.

Brasil. (2016). Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas. p. 132. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2019.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único. Brasília: Ministério da Saúde.

Bueno, S., Lima, R. S., Sobral, C. N. I., Pinheiro, M., Marques, D., Scarance, V., Zapater, M., Santiago, D. & Villa, E. (2019). Registros e estatísticas. Violência contra a mulher

Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil 2° edição. Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Recuperado em 18 de março de 2019 de http://www.forumseg uranca.org.br/publicacoes/visivel-e-invisivel-a-vitimizacao-de-mulheres-no-brasil-2-edicao/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019a). Biblioteca, Catálogo, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestral 2012-2018. Recuperado em 18 de novembro de 2019 de https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101654

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019b). IBGE Cidades, Panorama, Coqueiro Baixo. Recuperado em 11 de novembro de 2019 de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/coqueiro-baixo/panorama

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019c). IBGE Cidades. Panorama, Lajeado. Recuperado em 11 de novembro de 2019 de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/lajeado/panorama

Organização Mundial da Saúde. (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: OMS. p. 5.

Osis, M. J. D., Duarte, G. A., & Faúndes, A. (2012). Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública, 46 (2), 351-358.

Portal Bi Saúde. (2019). Departamento de Gestão da Tecnologia da Informação. Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde. Recuperado em 15 de novembro de 2019 de http://bipublico.saude.rs.gov.br/index.htm

Rio Grande do Sul. (2016). Secretaria de saúde. Plano Estadual de saúde: 2016/2019. Porto Alegre: Grupo de Trabalho de Planejamento, Monitoramento e Avaliação da Gestão (Org.).

Souza, A. K. A., Nogueira, D. A., & Gradim, C. V. C. (2013). Perfil da violência doméstica e familiar contra a mulher em um município de Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Colet, Rio de Janeiro, 21 (4), 425-31.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2247

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com