Gestational Syphilis: epidemiological impact in Maranhão state, Brazil

Roseane Mara Cardoso Lima Verde, Evaldo Hipólito Oliveira, Liana Moreira Magalhães, Maryana Matias Paiva de Lima, Susana Raquel dos Santos Ferreira

Abstract


The present study aimed to trace the epidemiology of gestational syphilis in the state of Maranhão from 2012 to 2017, describing the age group, the diagnostic method, the clinical classification that most affects pregnant women, the time of diagnosis of positive cases of congenital syphilis. and the realization of prenatal care. In a quantitative approach, the research used as data source, the National System of Disorders and Notifications (SINAN). The parameters of age range, clinical classification of the disease, treponemal and non-treponemal test were observed. In cases resulting from congenital syphilis, prenatal care was evaluated, and the time of diagnosis of gestational syphilis in these cases. According to the data obtained, 4090 cases of gestational syphilis were reported in the period between 2012 and 2017, where 2873 represent women with the disease aged 20-39 years. The clinical diagnosis of primary syphilis is higher in all years analyzed. Regarding prenatal screening (VDRL), it was found that 84.4% of positive serologies were identified in the first test, however after the confirmatory test, 57.8% had positive results. There was an increase in the incidence of gestational syphilis cases in the years analyzed, with only a fall in 2016. Of the cases evaluated that resulted in congenital syphilis, 79.3% of women report having had prenatal care, most of them diagnosed. At this time and most of them at the moment of childbirth, demonstrating a problem in the state's primary health care.


Keywords


Epidemiology; Syphilis; Pregnancy; VDRL.

References


Avelleira, J. C. R., Bottino, G. (2006). Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. Anais Brasileiros de Dermatologia, 81(2): 111-126.

Barbosa, D. R. M., Almeida, M. G., Costa, J. R. & Almeida, D. F. S. (2013). Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Maranhão. II Conference online-Management, Education and Health Promotion Disponível em: http://www.convibra.org/upload/paper/2013/79/2013_79_7890.pdf. Acesso em 16 de nov. 2019.

Barbosa, D. R. M., Almeida, M. G., Silva, A. O., Araújo, A. A., Santos, A. G. (2017). Perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional. Revista de Enfermagem UFPE, 11(5): 1867-1874, mai.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 5ed. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2015). Ministério da Saúde. Ceftriaxona para tratamento da Sífilis em gestantes com alergia confirmada à penicilina. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS. Relatório de Recomendação, n. 153. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, p. 16.

Brasil. (2015). Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Atenção Integral às Infecções Sexualmente Transmissíveis. 2 ed.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico Sífilis. Brasília, DF. 48(36).

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). DF.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, p. 55-69.

Costa, C. C., Freitas, L. V., Sousa, D. M. N., Oliveira, L. L., Chagas, A. C. M. A., Lopes, M. V. O., Damasceno, A. K. C. (2013). Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(1): 152-159.

Domingues, R. M. S. M. et al. (2013). Manejo da sífilis na gestação: conhecimentos, práticas e atitudes dos profissionais pré-natalistas da rede SUS do município do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva. 18(5): 1341-1351, maio.

Domingues, R. M. S. M., Leal, M. C. (2016). Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. 32(6). Epub June.

Furtado, M. F. S., Brasil, G. V. S., Aragão, F. B. A., Santos, G. R. B., Pereira, S. L. M., Fontoura, C. C., Santos, J. F., Gomes, F. C. S. (2017). Fatores epidemiológicos da sífilis em gestantes no município de São Luís-MA. Revista Uningá., 52(1): 51-55.

Guimarães, M. M. (2019). DataSUS: Maranhão. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2019.

Guimarães, T. A. et al. (2018). Sífilis em gestantes e sífilis congênita no Maranhão. Arquivos de Ciências da Saúde, 25(2): 24-30, 20 jul.

Guinsburg, R., Santos, A. M. N. (2010). Critérios diagnósticos e tratamento da sífilis congênita. Sociedade Brasileira de Pediatria. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/2015/02/tratamento_sifilis.pdf. Acesso em: 16 de nov. 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2019.

Mesquita, K.O., Lima, G. K., Flôr, S. M. C., Freitas, C. A. S. L., Linhares, M. S. C. (2012) Perfil epidemiológico dos casos de sífilis em gestantes no município de Sobral, Ceará, de 2006 a 2010. Sanare, Sobral, 11(1): 13-17, jan. /jun.

Moreira, K. F. A., Oliveira, D. M., Alencar, L. N., Cavalcante, D. F. B., Pinheiro, A. S., Orfão N. H. (2017). Perfil dos casos notificados de sífilis congênita. Cogitare Enfermagem, 22(2).

Oliveira, K. T. A. et al. (2019). Caracterização da sífilis em gestantes no município de Codó – Maranhão no período de 2012 a 2017. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 19(1): 1-6, 10 jan.

Organização mundial da saúde. (2008). Eliminação Mundial da Sífilis Congênita: Fundamento lógico e estratégia para ação. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/43782/9789248595851_por.pdf?ua=1. Acesso em: 16 de nov. 2019.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 19 nov. 2019.

Porto, C. S. (2012). Saúde no Brasil: A sífilis na atualidade. Monografia (Especialização em Análises Clínicas) - Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.

Resolução da Comissão Intergestores Bipartite que dispõe sobre a conformação de 19 Regiões de Saúde e de 08 Macrorregiões. (2012). (CIB/MA) N° 44/2011 de 16 de junho de 2012 (Estado). Regionalizacão da Saúde. MA.

Rodrigues C. S., Guimarães M. D. C. (2004). Grupo Nacional de Estudo sobre Sífilis Congênita. Positividade para sífilis em puérperas: ainda um desafio para o Brasil. Rev Panam Salud Publica. 16(3): 168–75.

Saab, F. (2009). Prevalência de sífilis em gestantes que abortaram atendidas pelo programa de atenção à gestante- PPG do estado de Sergipe, de 2005 à 2007. 102 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde). Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília, Brasília.

Saraceni, V. et al. (2005). Mortalidade perinatal por sífilis congênita: indicador da qualidade da atenção à mulher e à criança. Cadernos de Saúde Pública, 21(4): 1244-1250, ago. FapUNIFESP.

Saraceni,V et al. (2007). Vigilância da sífilis na gravidez. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 16(2): 103-111.

Secretaria de Estado da Saúde. (2016). Guia de bolso para manejo de sífilis em gestantes e sífilis congênita. Centro de Controle de Doenças Programa Estadual de DST/AIDS. São Paulo, p. 112.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2110

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com