Institutional evaluation: politicies of evaluation of distance learning in Brazil

Rosana Horschutz, Rosangela Martins Carrara, Sérgio Ricardo de Oliveira Araújo

Abstract


This paper aims to analyze the public politicies of Teachers' Education through Distance Learning, focusing on the external evaluation of Distance Learning Formation of teachers of Visual Arts. This reflection intends to understand the relation between the results of external evaluation and the major objective of public politicies, which is the quality improvement of that formation. The study was based on legal documents and on the regulation determined by the National Institute of Studies and Research – Ministry of Education and Culture - MEC, Benchmarks of Quality for Distance Learning, National Curricular Guidelines of Arts, National Evaluation System of Higher Education, National Commission for the Evaluation of Higher Education and on authors like Azevedo; Sathler (2004), Assis and Amaral (2004), Dias Sobrinho (2002), Cervi e Torres (2009), Lopes (2004), Maia and Mattar (2007) among others. Through the development of the present study, it was possible to observe that, even though evaluation takes place through different modalities, the result of evaluations of Distance Learning Courses are not disclosed separately from the Classroom-based modality.


Keywords


Teachers Formation; Distance Learning; External Evaluation

References


ASSIS, Lúcia Maria de e AMARAL, Nelson Cardoso. Avaliação da Educação Brasileira: Um balanço crítico. 02 a 05 de outubro. Natal-RN/2011. Disponível em http://www.anpae.org.br/IBERO_AMERICANO_IV/GT2/GT2_Comunicacao/Luciamariadeassis_GT2_integral.pdf Acesso, junho 2013.

APPLE, M. W. Repensando ideologia e currículo. In: MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994, p. 39-57.

AZEVEDO, Adriana Barroso e SATHLER, Luciano. Da Universidade Metodista de São Paulo/SP. Avaliação institucional – relevância e usos na EAD. Artigo apresentado no Congresso da ABED em 05 de maio de 2008. Universidade Metodista de São Paulo.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. SEED. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB 9394/1996.

BRASIL. CONGRESSO NACIONAL. Presidência da República. Casa Civil/Subchefua para Assuntos Jurídicos. Lei n. 10172, de 09 de janeiro de 2001. Plano Nacional da Educação. (2000). Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm Acesso janeiro de 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. CNE-CP 21/2001.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior. Comissão Assessora para a Educação Superior a Distancia. Portaria MEC nº. 335, de 6 de fevereiro de2002. Relatório. Agosto de 2002.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. Resolução CD/FNDE N. 34/2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância – SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância. Decreto 5.800/2006.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior. Comissão Assessora para a Educação Superior a Distancia. Decreto nº. 6.096 de 2007.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. CNE-CP 280/2007.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. CNE-N. 01/2009.

BRASIL..SINAES. Da Concepção à Regulamentação. 5ª edição, revisada e ampliada. Brasília, Inep, Setembro de 2009.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior. Comissão Assessora para a Educação Superior a Distancia. Referencias de Qualidade para a Educação Superior a Distancia.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior(CONAES). Diretrizes para a avaliação das Instituições de Educação Superior. Avaliação da Educação Brasileira: um balanço crítico. Lúcia Maria de Assis e Nelson Cardoso Amaral.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de Educação à Distância. Departamento de Regulação e Supervisão de Educação à Distância. Inep. Instrumento de Credenciamento Institucional para oferta da Modalidade de Educação à Distância Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/ead/Instrumento_Credenciamento_IES-EAD.pdf , acesso em janeiro de 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Conselho Nacional da Educação Superior – CONAES, 2014.

BRAGANÇA, Regina Célia Moreth. Avaliação em Educação à Distância. Texto 6, Disciplina 1.2014: Avaliação da Aprendizagem e Institucional. Curso PIGEAD, Lante-UFF: http://pigead.lanteuff.org/course/view.php?id=6, acesso em janeiro de 2016.

BARRETO, Rachel Goulart. As políticas de formação de professores: novas tecnologias e educação a distância. In: Tecnologias educacionais e educação a distância. Rachel Goulart Barreto (org.) Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

BOBBIT, John F. O currículo. Liboa:Didática, 2004.

CERVI, Maria Luisa e TORRES, Julio Cesar. POLÍTICAS CURRICULARES E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O ENSINO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de Pós-graduação Educação: Currículo Revista E-Curriculum ISSN: 1809-3876. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 4, n. 2, jun 2009.

DANIEL, John. Educação e tecnologia num mundo globalizado. Brasília: UNESCO: 2003.

DIAS SOBRINHO, José. Acreditação da Educação Superior. Introdução. Ministério da Educação.Documento CONAES. MEC/INEP/Brasil. 2010. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=4332-conae1-08042010&Itemid=30192. Acesso em janeiro de 2016.

FREITAS, Helena costa Lopes de. A (nova) Política de Formação de Professores: A prioridade postergada. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1203-1230, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em janeiro de 2016.

IANNI, Octavio. Enigmas da modernidade-mundo. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2000.

KENSKI, V. Comunidades de aprendizagem e o novo papel do professor. Pátio Revista pedagógica, v. 6, n.24, nov2005/jan/2006.

LEVY, P. Cibercultura. SP:Ed,34, 1999.

LEVY, P. As Tecnologias da Inteligência. RJ: Ed. 34, 1993.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2000.

LIMA, Daniela da Costa Brito Pereira; FARIA, Juliana Guimarães. Avaliação Institucional da EaD: Reflexões e Apontamentos. Anpae, Simpósio, 2011. Disponível em: http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0122.pdf , acesso em janeiro/2016.

LOPES, Alice C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? . Revista Brasileira de Educação No 26. . Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

LUCKESI, Ciprino. ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001). Este material foi obtido através do website de Cipriano Carlos Luckesi. Disponível: www.luckesi.com.br Acesso janeiro de 2016.

MAIA, C.; MATTAR, João. ABC da EaD: a educação a distância hoje. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

MASETTO, M. T. Competência Pedagógica do Professor Universitário . 1. ed. São Paulo: Summus Editorial, 2009.

MATA, Maria Lutgarda. Revolução tecnológica e educação: perspectiva da educação a distância. In: Educação a distância: referências e trajetórias. Francisco José da Silveira Loboneto (org.) Brasília: Plano Editora, 2001.

MORÉ, Rafael Pereira O. Campo, et al. Avaliação e qualidade para educação superior à distância: desafios para o SINAES. ESUD 2013, X Congresso Brasileiro de Ensino Superior à Distância, Belém/PA, UNIREDE. Disponível em:

http://www.aedi.ufpa.br/esud/trabalhos/poster/AT1/113333.pdf Acesso em janeiro de 2016.

PARASKEVA, J.M. Michael Apple e os estudos [curriculares] críticos. Currículo sem Fronteiras, v.2, n. 1, p. 106-120, Jan./Jun. 2002.

RIZZI, M. C. S. L. Reflexões sobre a abordagem triangular no Ensino da arte. In:BARBOSA, A. M. (Org). Ensino da arte: memória e história. São Paulo:Perspectiva, 2008.

SANTOS GUERRA, M. A. Uma seta no alvo: a avaliação como aprendizagem. Porto: Edições ASA, 2003.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Instituto de Artes. Departamento de Artes Visuais. Estrutura curricular curso de licenciatura em artes visuais na modalidade a distância. Disponível em http://www.ead.unb.br/arquivos/estrutura_curricular/ec_artes_visuais.pdf

Acesso em janeiro de 2015.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Decanato de Ensino de Graduação. Comissão da Reforma Curricular das Licenciaturas. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Licenciatura da UnB. Brasília, maio de 2003. Disponível em: http://www.ead.unb.br/ Acesso em janeiro de 2015.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Instituto de Artes. Departamento de Artes Visuais. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Artes Visuais à Distância. Universidade Aberta do Brasil. Brasília, maio de 2012. Disponível em: http://www.ead.unb.br/ Acesso em janeiro de 2015.

VIANNA, Heraldo Marelim. Avaliações em Debate: SAEB, ENEM, PROVÃO. Brasilia: Editora Líber, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v2i1.21

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com