Health practices in brazilian candomblé

Camila Carvalho de Souza Amorim Matos

Abstract


This paper aims to analyze what was and what is being produced about health practices in candomblé. For this, the integrative literature review was used. The search was performed using the keywords “candomblé” and “health” in Scielo, LILACS, MEDLINE, PubMed and Google Scholar databases. The research included articles published at any time (year), performed in Brazil and which discuss about health practices in candomblé. Thus, 10 articles were analyzed in this review. The five thematic categories that emerged were: health problems as a way to religion and therapeutic itineraries; conception of disease / illness and the boundary between the spiritual and the material; the health practices exercised and the importance of medicinal herbs; religion as a support network; and intolerance, access difficulties and ignorance by the formal Health System. It is concluded that the practices of candomblé are intrinsic to the health care of its practitioners and that the approximation of state equipment to places of worship - as with other religions - would be beneficial for both sides, expanding the performance of health team in the community and favoring integral and shared care of terreiro peoples.


Keywords


Candomblé; Health; Health practices; Health policies; Black population health.

References


Barbosa, I. P. B., Calegare, F. P. P., Neves, A. L. M. das, & Silva, I. R. da. (2018). Significados das práticas de cuidado em saúde no ritual de iniciação do candomblé de Ketu. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 39(1), 95-112.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra.

Brasil. (2015). Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares.

Ferreti, M. (2001). Opressão e resistência na religião afro-brasileira. In: Simpósio Nacional de História das Religiões, 2001. Recife.

França, M. M. L. de, Queiroz, S. B. de, & Bezerra, W. C. (2016). Saúde dos povos de terreiro, práticas de cuidado e terapia ocupacional: um diálogo possível?. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 24(1), 105-116.

Gomes, M. C. P. A. (2010). Projeto: Ylê ayié yaya ilera (Saúde plena na casa desta existência): equidade e integralidade em saúde para a comunidade religiosa afro-brasileira. Interface – comunicação, saúde, educação, 14(34), 663-72.

Guimarães, M.B.L. (2005). Feminização da pobreza e religiosidade. In: Valla, V. V., Stotz,

E. N., & Algebaile, E.B. (Ed.). Para compreender a pobreza no Brasil. Rio de Janeiro:

Contraponto.

Jensen, T. G. (2001). Discursos sobre as religiões afro-brasileiras: da desafricanização para a reafricanização. Revista de Estudos da Religião, 1(1), 01-21.

Koenig, H.G., King, D.E, & Carson V. B. (2012). A history of religion medicine and healthcare. In: Handbook of Religion and Health. New York: Oxford University Press.

Lima, V. C. (1977). A família-de-santo nos candomblés Jeje-Nagô da Bahia: um estudo de relações intragrupais [dissertação de mestrado]. Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Matos, C. C. S. A., & Tourinho, F. S. V. (2018). Saúde da População Negra: percepção de residentes e preceptores de Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 13(40), 01-12.

Mota, C. S., & Trad, L. A. B. (2011). A gente vive pra cuidar da população: estratégias de cuidado e sentidos para a saúde, doença e cura em terreiros de candomblé. Saúde e Sociedade, 20(2), 325-337.

Paz, C. E., Lemos, I. C. S., Monteiro, A. B., Delmondes, G. A., Fernandes, G. P., Coutinho, H. D. M., Felipe, C. F. B., Menezes, I. R. A. de, & Kerntopf, M. R. (2015). Plantas medicinais no candomblé como elemento de resistência e cuidado à saúde. Revista Cubana de Plantas Medicinales, 20(1), 25-37.

Pinezi, A. K., & Jorge, E. (2014). Pensando formas religiosas de entender a doença e a saúde: perspectiva comparada entre o candomblé nagô e o neopentecostalismo. In: CONINTER 3 -Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, 2014. Salvador.

Pompeo, D. A., Rossi, L. A., & Galvão, C. M. (2009). Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 22(4), 434–438.

Portugal, C. M. (2016). Entre o consultório e o terreiro: mediações, ruídos e silenciamentos nos itinerários terapêuticos de adeptos do candomblé. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação, Inovação e Saúde, 10(1), 01-14.

Rabelo, M. C., Motta, S. R., & Nunes, J. R. (2002). Comparando experiências de aflição e tratamento no candomblé, pentecostalismo e espiritismo. Religião e Sociedade, 22(1), 93-122.

Rodrigues, N., & Caroso, C. A. (1998). Idéia de sofrimento e representação cultural na construção da pessoa. In: Duarte, L. F. D., & Leal, O. F. (Ed.). Doenças, sofrimento e perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Santos, A. O. dos. (1999). Saúde e sagrado: representações da doença e práticas de atendimento dos sacerdotes supremos do candomblé Jêje-Nagô do Brasil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano de São Paulo, 9(2), 55-62.

Serra, O., Pechine, M. C. S., & Pechine, S. (2010). Candomblé e políticas públicas de saúde em Salvador, Bahia. Revista Mediações, 15(1), 163-178.

Stewart, W. C., Adams, M. P., Stewart, J. A., & Nelson, L. A. (2013). Review of clinical medicine and religious practice. Journal of Religion and Health, 52(1), 91–106.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1897

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com