Masterchef Brazil: possibilities of interactivity between program and viewers

Matheus Silveira Jardim, Angélica Moreira Pereira

Abstract


This research has as main objective to study the practices of the program MasterChef BR da Rede Bandeirantes in the attempt to establish interactivity with the user / viewer. As secondary objectives, it was defined: to classify the type of interaction used in the third season of the program MasterChef Brazil professionals; identify the level of interactivity used in the program; Classify the interaction possibilities that are offered in MasterChef BR from the integration of the first screen with the digital platform Twitter; and compare the possibilities of interactivity between the program and Twitter. For that, a qualitative, exploratory and descriptive research was used as a methodology for this work, based on content analysis and indirect observation techniques, for the purpose of understand the data obtained during the transmissions of the programs from August 21 to December 11, 2018. In the analyzes, it was found that although the MasterChef is interactive and seeks to encourage the participation of its viewers, the actions of the public are predetermined from the possibilities that are offered by the production of the program.


Keywords


Media Convergence; Interaction; Second screen.

References


Andres, F.S. (2017). #PARTICIPE: a interatividade do fazer televisual. Cadernos de comunicação, 21 (3), 168-175.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barichello, E. M. M. R. (2014). Midiatização e cultura nas organizações da contemporaneidade: o processo de midiatização como matriz de práticas sociais. In: Marchiori, M. (Org.). Contexto Organizacional Midiatizado. Academia Edu, 8, 37-43.

Bélisle, J.; Bodur, H. (2010). Avatars as Information: Perception of Consumers Based on Their Avatars in Virtual Worlds. Psychology & Marketing, 27(8), 741–765.

Carneiro, R.G. (2012). Publicidade na TV digital: Um mercado em transformações. São Paulo: Aleph.

Castro, T. D. (2015). Primeiro MasterChef, em 1990, era 'cerebral' e não tinha drama. Acesso em 7 de junho, em http://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/televisao/primeiro-masterchef-em-1990-era-cerebral-e-nao-tinha-drama-9119.

Ibope conecta. (2015). 88% dos internautas veem TV e navegam na internet, diz Ibope. Acesso em 10 de junho, em https://exame.abril.com.br/tecnologia/88-dos-internautas-veem-tv-e-navegam-na-internet-diz-ibope/.

Fechine, Y.; Gouveia, D.; Almeida, C.; Costa, M.; Estevão, F. (2013). Como pensar os conteúdos transmídias na teledramaturgia brasileira? Uma proposta de abordagem a partir das telenovelas da Globo. In: Lopes, M. I. V. Estratégias de transmidiação na ficção televisiva brasileira. Porto Alegre: Sulina, 19-60.

Folha de São Paulo. (2017). 'MasterChef' em números: de 5 milhões de tuítes a dez pontos no Ibope. Acesso em 27 de agosto, em https://f5.folha.uol.com.br/televisao/2017/08/confira-a-final-do-masterchef-em-numeros.shtml.

Gabriel, M. (2013). Educ@r: a (r)evolução digital na educação. São Paulo: Editora Saraiva.

Gil, A. C. (1991). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Jenkins, H. (2009). Cultura da Convergência. São Paulo: ALEPH.

Laredo, P. (2018). O MasterChef e o engajamento da audiência na era da convergência e das mídias de funções pós-massivas. Acesso em 27 de maio, em http://labcon.fafich.ufmg.br/o-masterchef-e-o-engajamento-da-audiencia-na-era-da-convergencia-e-das-midias-de-funcoes pos-massivas/.

Las casas, A. L. (2010). Marketing interativo: a utilização de ferramentas e mídias digitais. São Paulo: Saint Paul.

Lemos, A. L. M. (1997). Anjos interativos e retribalização do mundo: sobre interatividade e interfaces digitais. In: http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/interac.html.

Lévy, P. (1999). “Que é o virtual?”. São Paulo: 34.

Kleina, N. (2014). Twitter libera função Estatísticas para todos os usuários. Acesso em 27 de maio, em https://www.tecmundo.com.br/twitter/61206-twitter-libera-funcao-estatisticas-usuarios.htm.

Mattos, S. (1990). Um Perfil da TV Brasileira. Salvador-BA: a tarde.

Mcluhan, H. M. (1964). Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. São Paulo: Cultrix.

Meio e mensagem. (2017). Em seis edições, 40 marcas já passaram pelo Masterchef. Acesso em 27 de agosto, em https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2017/03/02/em-seis-edicoes-40-marcas-ja-passaram-pelo-masterchef.html.

Michel, M. H. (2015). Metodologia e Pesquisa Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas.

Mídia dados. (2017). Mídia dados 2017. São Paulo.

Mídia dados. (2018). Mídia dados 2018. São Paulo.

Montez, C. Becker, V. (2005). TV Digital Interativa: conceitos, desafios e perspectivas para o Brasil. Florianópolis: ed. da UFSC.

Oliveira, R. (2010). Convergência Midiática: três categorias. Conexões Midiáticas. João Pessoa.

Padrão, A. P. (2015). MasterChef é sucesso no Twitter e vira referência na relação TV e redes sociais. In: O Dia. Acesso em 19 de abril, em https://odia.ig.com.br/_conteudo/diversao/televisao/2015-07-07/masterchef-e-sucesso-no-twitter-e-vira-referencia-na-relacao-tv-e-redes-sociais.html.

Pazin, S. (2017). Como a combinação TV + web potencializa campanhas. Entrevista concedida ao site negócios RPC. Acesso em 27 de setembro, em https://www.negociosrpc.com.br/deolhonomercado/midia/como-a-combinacao-web-tv-potencializa-campanhas/.

Primo, A. (2000). Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo. In: Famecos: mídia, cultura e tecnologia. Porto Alegre.

Recuero, R. (2009). Redes sociais na internet. Porto alegre: Sulina.

Rede Bandeirantes. (2019). MasterChef Profissionais. São Paulo.

Rede globo. (2019). Big Brother Brasil. Rio de Janeiro.

REDE GLOBO. (2019). Você Decide. Rio de Janeiro.

Reisman, R. R. (2002). Rethinking Interactive TV – I want my Coactive TV. Teleshuttle Corporation. Acesso em 8 de outubro, em http://www.teleshuttle.com/cotv/CoTVIntroWt Paper.htm.

Silva, L. B. (2015). A construção da celebridade em talent shows: uma análise dos programas The X Factor (EUA e Reino Unido) e The Voice (EUA e Brasil). Rio de Janeiro: UFRJ - Programa de Pós-Graduação em comunicação e cultura.

Stauer, J. (1992). Definindo Realidade Virtual: Dimensões Determinando Telepresença. Jornal de Comunicação.

Strutzel, T. (2015). Presença Digital: estratégias eficazes para posicionar sua marca pessoal ou corporativa na web. Rio de Janeiro: Alta Books.

Teixeira, L. H. P. (2008). Televisão digital: interação e usabilidade. 150 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Acesso em 27 de setembro, em http://hdl.handle.net/11449/89489.

Toffler, Alvin. (1980). A terceira onda. Rio de Janeiro: Record.

Torres, C. (2009). A Bíblia do Marketing Digital: Tudo o que você queria saber sobre marketing e publicidade na internet e não tinha a quem perguntar. São Paulo: Novatec.

Tunstill, S. (2016). A televisão está mudando. Acesso em 10 de junho, em https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/tv/noticia/2016/12/a-televisao-esta-mudando-diz-simon-tunstill-8678807.html.

Wolton, D. (2007). Internet, e depois? Uma teoria crítica para as novas mídias. 2ed. Trad. Isabel Crosseti. Porto Alegre: Sulina.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1599

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356