Problem Solving as an Investigative Methodology in Natural Science Teaching

Denise Rosa Medeiros, Mara Elisângela Jappe Goi

Abstract


This paper presents part of the results of a research developed with a first year High School class of a public school, located in the urban area of Caçapava do Sul, RS. In its execution, the Problem Solving methodology was used, starting from the research question: “How to enhance the learning in the Chemistry discipline, through the use of the Problem Solving methodology?” Seeking, thus, the improvement of the teaching and learning and better understanding of the content involved. Problem solving strategies were employed to encourage reading, research, collective construction of knowledge and explanation of results obtained. Qualitative research was used, the data were produced by reflections in logbook, reading reports and transcription of audios of the classes in which the work was implemented. The analysis of the results was performed according to the Bardin Content Analysis methodology. From this research, it was evidenced some difficulties of the students in the aspects related to the different stages of the implementation of the proposal and revealed potentialities of the use of Problem Solving, such as the development of cognitive skills during the elaboration of strategies, motivation, reflection. criticism, creativity and argumentation.


Keywords


Teaching; Learning; Basic Education.

References


Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 1.

Bagno, M. (2000). Pesquisa na escola. Edições Loyola.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. rev. e atual. Lisboa: Edições, 70, 3.

Bassoli, F. (2014). Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de ciência (s): mitos, tendências e distorções. Ciência & Educação (Bauru).

Bentlin, F. R. S. (2010). Resolução de problemas como prática de ensino sobre funções inorgânicas para alunos da EJA.

Bolzan, T. D., Flores, M. L. P., & Goi, M. E. J. (2014). Ensino da função quadrática através da metodologia de resolução de problemas.

Borges, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(3), 291-313.

Brasil, Bases, L. D. D. E. (1996). da Educação Nacional. LDBEN. Lei.

Brasil, Nacionais, P. C. (1997). apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF.

Brasil, Nacionais, P. C. (1998). ciências naturais. Brasília: Mec/Sef, 4.

Brasil. Nacionais, P. C. (1999). Brasília: MEC; SEMTEC.

Brasil, P. C. N., & Médio, E. (2002). orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, 32.

Bruner, J., & do Carmo Romão, M. (1972). O processo da educação.

Bruner, J. S. (2008). Sobre o Conhecimento: Ensaios de mãos esquerda. São Paulo: Phorte.

Burke, P. (2003). Uma história social do conhecimento 1: de Gutenberg a Diderot. Zahar.

da Silva, É. R. A. (2017). Articulação entre resolução de problemas e a temática drogas como proposta metodológica para o ensino de química.

de Azevedo, M. C. P. S. (2004). Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. Ensino de Ciências unindo a pesquisa e a prática, 19.

de Carvalho, A. M. P. (2004). Ensino de Ciências-unindo a pesquisa e a prática. Cengage Learning Editores.

de Luna, S. V. (2013). O falso conflito entre tendências metodológicas. Cadernos de Pesquisa, (66), 70-74.

Dante, L. R. (2003). Didatica da resolução de problemas de matematica, 1a. a 5a. series: para estudantes do curso de Magisterio e professores do 1o. grau. Ática.

Davis, C., Souza, M. A. S., & Esposito, Y. L. (1989). Papel e valor das interações sociais em sala de aula. Cadernos de pesquisa, (71), 49-54.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. C. A. (2002). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. Cortez.

Dewey, J. (1976). Experiência e Educação. [Trad. Anísio Teixeira]. São Paulo: Ed.

Echeverría, M. D. P. P., & Pozo, J. I. (1998). Aprender a resolver problemas e resolver problemas para aprender. A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 13-42.

Fazenda, I. (2008). O que é interdisciplinaridade.

Freitas, J. Q. P. D. (2015). Resolução de problemas no ensino da matemática: uma introdução à geometria fractal no ensino fundamental.

Gil Pérez, D., Furió-Más, C., Valdés, P., Salinas, J., Martínez Torregrosa, J., Guisasola Aranzábal, J., ... & Pessoa de Carvalho, A. M. (1999). ¿ Tiene sentido seguir distinguiendo entre aprendizaje de conceptos, resolución de problemas de lápiz y papel y realización de prácticas de laboratorio?. Enseñanza de las Ciencias, 17(2), 311-320.

GIL Pérez, DG & Torregrosa, JM (1983). Um modelo para resolução de problemas de acordo com a metodologia científica. Revista Europeia de Ciências da Educação, 5(4), 447-455.

Giordan, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de ciências. Química nova na escola, 10(10), 43-49.

Goi, M. E. J. (2004). A Construção do conhecimento químico por estratégias de Resolução de Problemas.

Halmenschlager, K. R. (2014). Abordagem de temas em Ciências da Natureza no Ensino Médio: implicações na prática e na formação docente.

Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Imago editora.

Laudan, L. (2011). O progresso e seus problemas: rumo a uma teoria do crescimento científico. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Editora Unesp.

Leite, S. B. (2009). Estudo sobre polímeros através da resolução de problemas.

Machado, N. J. (2005). 1.4 Interdisciplinaridade e contextuação.

Medeiros, D. R. (2019). Resolução de problemas como proposta metodológica para o Ensino de Química.

Paviani, J. (1991). Problemas de filosofia da educação. Petrópolis: Vozes.

Piccoli, F., Salgado, T. D. M., Lopes, C. V. M., & AGUIAR, L. (2015). A resolução de problemas como chave para o desenvolvimento de conceitos de química na educação básica. X ENPEC-X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências.

Polya, G. (2006). Universidade Stanford, tradução e adaptação Heitor Lisboa de Araújo. UFRJ. A arte de Resolver Problemas, Um Novo Aspecto do Método Matemático, Rio de Janeiro, Editora Interciência.

POZO, J. I. (1998). Org. A solução de problemas. Aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: ArtMed.

Pozo, J. I., & Crespo, M. Á. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, 5.

Veiga, I. O seminário como técnica de ensino socializado. (2008). VEIGA, Ilma. Passos Alencastro (Org). Técnicas de ensino: por que não.

Vianna, M. L. C. R. (2008). DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e prática. São Paulo: Gaia, 1992.399 p. Em Aberto, 10(49).

Zabala, A., & ARNAU, L. (2010). Como ensinar e aprender competências. Porto Alegre: Artmed, 197.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1579

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356