Teaching, learning and the school environment in the approach of chemistry concepts

Alexandra Geronimo Lopes de Souza, Sheila Pressentin Cardoso

Abstract


This work presents an analysis of existing dialogues between teaching, learning and the school environment, in order to identify how they can contribute to the approach of chemical contents. The research, of an exploratory bibliographic nature, counted on the analysis of books, articles, theses and works of events, in order to obtain relevant points about the topics addressed. Chemistry contents are considered by students as difficult to understand because they present abstract concepts and have their own language involving symbols and formulas, and it is necessary to identify ways to change reality and make teaching of chemical concepts more effective. As a result, we highlight the relevance of associating the concepts to the students' daily life, involving the previous knowledge they bring and the use of appropriate teaching methodologies, in order to motivate and give meaning to the contents presented.


Keywords


Significant Learning; Teaching Methodologies; Teaching Chemistry.

References


Alves, D. F. S., & Ferreira, I. J. (2018). Construção de modelos concretos: relatos de um curso de extensão. Simpósio Brasileiro de Educação Química, Rio de Janeiro.

Araújo, G. A. R. L. (2011). Ambiente escolar: espaço de aprendizagem significativa para todos, docentes e alunos, numa perspectiva interativa. (Monografia). Universidade de Brasília, Brasília.

Bock, A. M. B., Furtado, O., & Teixeira, M. L. T. (2001). PSICOLOGIAS: uma introdução ao estudo de Psicologia. (13ª ed.). São Paulo: Editora Saraiva.

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação – MEC.

Brito, M. H. de P., Arruda, N. A de O. de, & Contreras, H. S. H. (2015). Escola, pobreza e aprendizagem: reflexões sobre a educabilidade. Congresso Nacional de Educação - EDUCERE, Paraná.

Damascena, P. H. M., Carvalho, C. V. M., & Silva, L. A. S. (2018). Estratégias didáticas no ensino de Química: em foco o uso das paródias. Multi – Science Journal, 1(13), 30-38.

Ferreira, A. M. (2014). Adequação dos materiais educativos aos estilos de aprendizagem dos alunos de cursos profissionais de informática. (Dissertação). Universidade do Minho, Portugal.

Ferreira, L. H., Correa, K. C. S., & Dutra, J. L. (2016). Análise das estratégias de ensino utilizadas para o ensino da Tabela Periódica. Química Nova Escola, 38(4), 349-359. Disponível em: qnesc.sbq.org.br/online/qnesc38_4/10-EQF-117-14.pdf.

Freire, P. (2018). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. (56ª ed.) Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freitas Filho, J. R. de, Freitas, L. P da S. R. de, Freitas, J. C. R. de, & Tavares, A. F. A. de L. (2013). Mapas conceituais: utilização no processo de avaliação da Aprendizagem do conteúdo haletos. Experiências em Ensino de Ciências, 8(3), 78-96.

Freitas, S. R. P. C. de. (2016). O processo de ensino e aprendizagem: a importância da didática. Fórum Internacional de Pedagogia, Maranhão.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6. ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes, F. D., Vasques, D. G., Jaramillo, J. F. G., Santos, G. S. dos, Anunciação, P. F., Baioco, G. B., & Zambon, A. C. (2016). Uso de Métodos de Representação do Conhecimento e Estilos de Aprendizagem na Elaboração de Estratégias de Ensino. Congresso Mundial de Estilos de Aprendizagem, Bragança.

Krasilckik, M., & Marandino, M. (2004). Ensino de Ciências e Cidadania. (1a ed.). São Paulo: Moderna.

Kuerebis, P. J. (1990). Matérias de pesquisa em ensino de física estilos de aprendizagem e o ensino de Ciências. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 7(1), 44-49. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5165901.pdf.

Leão, M. F., Del Pino, J. C. D., & Oliveira, E. C. (2017). A tabela periódica dos elementos químicos contidos nos alimentos: uma maneira de promover aprendizagens com significado na educação de jovens e adultos. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, 7(2), 01-17.

Moreira, M. (2011). A. Aprendizagem Significativa: a teoria e textos complementares. (1ª ed.). São Paulo: Editora Livraria da Física.

Moreira, M. A. (2012). Unidades de ensino potencialmente significativas – UEPS. 45 – 72p. In: Silva, M. G. L. da, Mohr, A., & Araújo, M. F. F. de (Org.), Temas de Ensino e Formação de Professores de Ciências (pp. 45-72). Natal: EDUFRN.

Muhlbeier, A. R. K., & Mozzaquatro, P. M. (2011). Estilos e estratégias de aprendizagem personalizadas a alunos das modalidades presenciais e a distância. Novas Tecnologias na Educação, 9(1), 1-11. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/21906/12708.

Oliveira, K. L. de, Trassi, A. P., Inácio, A. L. M., & Santos, A. A. A. dos. (2016). Estilos de Aprendizagem e condições de estudo de alunos de Psicologia. Psicologia Ensino & Formação, 7(1), 31-39. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-20612016000100004.

Oliveira, T. M., & Guerra, A. C. de O. (2018). A utilização do jogo “Química na Realidade” como um instrumento de aprendizagem significativa no Ensino Médio. Simpósio Brasileiro de Educação Química – SIMPEQUI, Rio de Janeiro.

Pereira, J. F., Oliveira, B. E. D., & Costa, O, A. (2013). Dificuldades na aprendizagem de Química no 9º ano do Ensino Fundamental. Reunião Anual da SBPC, Recife.

Pozo, J. I., & Gómez Crespo, M. Á. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. (5a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Rocha, J. S., & Vasconcelos, T. C. (2016). Dificuldades de aprendizagem no ensino de química: algumas reflexões. Encontro Nacional de Ensino de Química – ENEQ, Florianópolis.

Santos, D, K, S., Santos, D. F. S., Silva, H. M., & Lacerda, A. F. (2018). Aprendizagem significativa: uso de modelos didáticos para a compreensão dos grupos vegetais. Congresso Nacional de Educação – CONEDU, Olinda.

Schmitt, C. da S., & Domingues, M. J. C. de S. (2016). Estilos de aprendizagem: um estudo comparativo. Avaliação, 21(2), 361–385. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772016000200361&script=sci_abstract&tlng=pt.

Schnetzler, R. P. (2002). A pesquisa em ensino de química no Brasil: Conquistas e perspectivas. Química Nova. 25(1), 14-24.

Silva, N. S., Ferreira, A. C., & Silveira, K. P. (2016). Ensino de Modelos para o Átomo por Meio de Recursos Multimídia em Uma Abordagem Investigativa. Química Nova Escola, 38(2), 141-148. Disponível em: qnesc.sbq.org.br/online/qnesc38_2/08-RSA-72-13.pdf.

Silva, A. M., & Costa, D. A. (2018). O ensino de química por professores que não são formados na área - um estudo de caso em escolas municipais de Cascavel-CE. Simpósio Brasileiro de Educação Química – SIMPEQUI, Rio de Janeiro.

Taylor, A. P., & Vlastos, G. (1983). School Zone: learning environments for children. New Mexico: School Zone.

Zerger, K. F., Melo, M. M. R de, & Luca, A. G. de. (2016). Tabela periódica: elemento mediador para ensinar química. Encontro Nacional de Ensino de Química – ENEQ, Florianópolis.

Vygotsky, L. S. (2003). Psicologia Pedagógica. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v8i11.1426

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Base de Dados e Indexadores: Base, Diadorim, Sumarios.org, DOI Crossref, Dialnet, Scholar Google, Redib, Doaj, Latindex, Redalyc, Portal de Periódicos CAPES

Research, Society and Development - ISSN 2525-3409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Rua Irmã Ivone Drumond, 200 - Distrito Industrial II, Itabira - MG, 35903-087 (Brasil) 
E-mail: rsd.articles@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/Research-Society-and-Development-563420457493356